Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Crescimento sem culpa

Crescimento sem culpa

23/05/2011 Alfredo Bonduki

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, está corretíssimo ao afirmar que a tendência inflacionária é mundial.

O Brasil, contudo, não deve resignar-se às oscilações genéricas da economia globalizada, pois já demonstrou, na recente crise do subprime, ser capaz de encontrar soluções próprias e eficazes para conciliar níveis elevados de atividade com um ambiente monetário equilibrado e saudável.

Assim, ouso afirmar que o País é um dos poucos em condições de continuar crescendo, inclusive acima dos 4,5% estimados para 2011, sem risco de recrudescimento inflacionário. Ante tal convicção, incomodam-me as justificativas de Mantega de que o governo está tentando moderar a expansão do PIB para impedir uma escalada dos preços.

Por outro lado, me agradaram o comprometimento com o controle da inflação e a confiança do ministro de que o índice acumulado do ano ficará em torno de 5,6%, quase um ponto percentual abaixo da meta de 6,5%. Sua fala referenda o recente pronunciamento da presidente Dilma Rousseff sobre o tema. Porém, para não precisarmos refrear a economia e podermos continuar crescendo sem culpa e medo do fantasma que nos assombrava antes do Plano Real, é preciso ir muito além do discurso e das medidas que o governo vem adotando. A primeira atitude é reconhecer que o juro perdeu eficácia como inibidor dos preços. 

Ao mantermos a maior taxa real do mundo, e considerando que trocamos a formação de poupança interna pelo leilão de títulos públicos (atrelados à elevadíssima Selic), estamos realimentando a antiga ciranda financeira e atraindo o capital especulativo. Este confere artificial otimismo ao balanço de pagamentos, mas não impediu que a balança comercial da indústria de transformação tivesse saldo negativo superior a US$ 70 bilhões em 2010. É um tanto apetitoso para o famigerado dragão inflacionário esse círculo vicioso disfarçado pelo chamado superávit primário das contas públicas. A rigor, o que temos é um grande déficit no orçamento da União.

Portanto, a prioritária providência para o enfrentamento da inflação é o rigoroso controle dos gastos públicos, em especial os supérfluos. É premente, ainda, a vigilância sobre os preços administrados, como os dos transportes, que estimulam em escala as majorações. Sobretudo, é crucial investir na produção, reduzindo-se (já!) os juros para créditos destinados aos investimentos produtivos. É preciso converter a usura em recursos multiplicadores de empreendimentos, negócios e empregos!

Tais medidas, que não dependem de emendas constitucionais, mas apenas de decisões do Executivo, nos garantiriam crescimento substantivo, sem pressão inflacionária. Continuaríamos com a economia aquecida e tranquilidade para realizar as reformas tributária, previdenciária e trabalhista, que nos dariam o definitivo impulso ao desenvolvimento.

* Alfredo Bonduki é presidente do Sinditêxtil-SP e engenheiro pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, com pós-graduação na Fundação Getúlio Vargas.



A CPMF e a saída do seu autor

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um.


CPMF: o que foi e como poderá ressurgir na reforma tributária

O Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) poderá ser a recriação antiga CPMF.


O Brasil e a agropecuária sustentável

A pecuária brasileira tem se pautado ao longo dos anos pela sustentabilidade em toda cadeia produtiva e pela qualidade e segurança dos alimentos.


“Tô de férias, cadeia é férias pra mim”

É uma vergonha que delinquentes ainda venham desdenhar do sistema carcerário e das autoridades penais.


Locações de curta temporada em aplicativos

Saiba os direitos e deveres da propriedade imobiliária.


O Século das Cidades

“Não somos melhores, nem piores, somos iguais… melhor mesmo é a nossa causa…” (Thiago Mello)


Hollywood e o mundo real

Uma abordagem psiquiátrica do filme Gente como a Gente.


A liderança feminina e seus potenciais

Companhias que possuem, pelo menos, uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas.


A bolsa brasileira é a bola da vez

O ano de 2019 tem sido de recordes para o investidor brasileiro.


Dia do Profissional de Educação Física

No dia 1º de setembro é comemorado o dia do profissional que promove a saúde e a qualidade de vida da população, o profissional de educação física.


A complexidade do saneamento

O Congresso Nacional tem a grande missão de dar um rumo certo para o saneamento brasileiro.


Como a constelação familiar te ajuda nos negócios?

A constelação familiar acredita que somos produto da nossa ancestralidade.