Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Crise retrocedeu os avanços do país

Crise retrocedeu os avanços do país

06/10/2015 Rosana Schwartz

Infelizmente o Brasil voa cegamente.

Assistimos no século XX, desde os anos 80, um partido, o dos Trabalhadores se intitular de partido de esquerda, conectado aos interesses das massas de excluídos, minorias, sindicalistas, trabalhadores urbanos e camponeses.

Não obstante, no século XXI, paulatinamente, assistimos esse título se desfazer e desvelar vícios permanentes do processo civilizatório brasileiro.

O nepotismo - relações de compadrio com grandes grupos econômicos, corrupção de todas as ordens, caixa dois, não são invenções do PT, mas ele se tornar participante dessas práticas deixaram atônitos petistas e não petistas, mantiveram as continuidades históricas de um passado patriarcal acostumado a combater pela via do poder e não da política.

Essas ações, presentes na maioria dos partidos políticos brasileiros, desde o período colonial, não justificam as ações do PT. O Brasil comandado por uma oligarquia até 1930, incorporou o poder arbitrário e pessoal dos senhores em suas práticas políticas.

Não construiu facilmente uma sociedade de classes que promovesse a inclusão dos menos privilegiados e que se comprometesse com a coisa pública. As ações de grandes grupos econômicos, políticas tradicionais e de alianças são elementos da crise crescente que assola o país.

Os mandatos petistas sem dívida assustaram setores das classes médias diante dos pequenos e parcos avanços dos menos favorecidos. O discurso do assistencialismo tomou corpo nesses grupos e apagou as características inclusivas.

Bolsas, cotas não foram compreendidas, explicadas e criaram indignação em grupos sociais construídos sob o olhar das elites. Outros, os grupos sociais mais à esquerda se sentiram ultrajados diante do afastamento do Partido dos Trabalhadores das massas populares, da militância e da bandeira ética.

Medidas para a aquisição e permanência do poder, como alianças e acordos, desgastaram a imagem de partido diferente. Os nove meses, do segundo mandato, da presidente Dilma Rousseff afastaram o partido dos movimentos, diluíram lastros e seu basismo.

O PT e o governo apresentaram para a população suas contradições e indefinições pragmáticas. Seu sindicalismo e sua estrutura burocrática. Certamente a presidente Dilma não fez nada sozinha. Seu governo teme a cada dia mais assustar os setores econômicos médios e altos da sociedade.

Assistimos grupos de dirigentes desenvolverem interesses próprios, diferenciados daqueles da massa e dos militantes. Discussões com as bases nos Diretórios Zonais característica do partido viraram pro formes, o timing das discussões e negociações políticas se concentraram nas mãos dos possuidores de mandato, dos dirigentes.

Tudo passou a ser decidido em gabinetes, de cima para baixo, da mesma forma que os outros partidos. Movimentos populares perderam suas vozes, foram manipulados por esses mandatos e muitos se tornaram atrelados através da sua profissionalização. Se tornaram importantes em momentos de campanha e eleições – significam votos em urnas.

As forças políticas e a base social do PT perderam direcionamento e levaram o partido ao esfacelamento com velocidade compatível ao mundo hipermoderno. O personalismo presente na cultura política mostra sua permanência nas ações de deputados, prefeitos e vereadores petistas quando buscam novas legendas.

Alguns procuram desesperadamente manter-se no poder, até em partidos de direita. O PT se tornou não só semelhante aos partidos tradicionais que ele mesmo criticava, se tornou igual. Nasceu de um projeto indefinido de socialismo e tem deixado em aberto contradições profundas da sociedade.

Afastou-se da “alma do Sion”, (local da fundação do partido – Colégio Sion - 1980) da sua proposta de criação, como definiu André Singer. Acredito que iniciou a caminhada para a sua derrocada quando do anúncio do resultado do primeiro turno das eleições de 1989 – disputa entre Lula e Fernando Collor, quando se aliou à um marketing eleitoral competente e à realização de alianças indiscriminadas com setores conservadores.

Desqualificou em poucos anos o trabalho de mobilização de diversos grupos sociais que apoiaram o partido desde sua fundação para privilegiar seu tempo na mídia. Abandonou a ideia de campanha eleitoral como educadora e abraçou a campanha estratégica.

Daí para frente paulatinamente Maluf, Sarney, Michel Temer entre outros sentaram juntos com o partido e dividiram o poder. Duda Mendonça assumiu e utilizou magnificamente o imaginário social de pais grandioso, celeiro do mundo e o “verdeamarelismo” utilizado pelas classes dominantes nos anos 30, 50 e 70.

Transformou a imagem do candidato Lula e fez associações com a imagem de Getúlio Vargas. O mito do herói do salvador da Pátria foi reforçado. O pai, o “protetor dos pobres” se encaixou às necessidades e anseios da população. O governo Lula estabeleceu acordos com o capital com a elite política e ao mesmo tempo com setores dos movimentos sociais.

Dualismo oportuno em nome da governabilidade. O resultado dessa política foi a crescente fragilidade política que estamos assistindo. Amarrado pelos acordos e alianças não conseguiu desmantelar a prática de privilégios dentro e fora do partido, pelo contrário.

O governo Dilma mostra-se nos dias atuais despreparado e carente de soluções com relação à essas práticas, ao crescente desemprego, redução do poder de compra dos salários e situação de desinvestimentos em pleno movimento.

Assim, o quadro desvela uma crise, que não é só política, econômica, moral e ética, mas que significa a derrota das forças progressistas no Brasil após o golpe de 1964. E sem dúvida nenhuma uma parcela considerável da responsabilidade desse retrocesso é decorrente das práticas históricas de obtenção e manutenção de poder assumido pelos dirigentes do partido.

Saliento mais uma vez, o Partido dos Trabalhadores – PT semelhou-se aos outros, tornou-se igual e a conseqüência é a formação de uma “esquerda” órfã. Essa crise retrocedeu os avanços do país, no tocante às relações e práticas políticas em 30 anos. Necessitamos criar novos instrumentos de pensar e fazer política, novas alternativas, novos caminhos.

* Rosana Schwartz é historiadora e socióloga. Professora do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie.



PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros


Michael Shellenberger expôs que o rei está nu

Existe um ditado que diz: “não é possível comer o bolo e tê-lo.”

Autor: Roberto Rachewsky