Portal O Debate
Grupo WhatsApp

D. João da Camara – um homem bom

D. João da Camara – um homem bom

04/05/2020 Humberto Pinho da Silva

Para mim, escrever sobre D. João da Camara, é um prazer; e minha alma inunda-se de rejubilada alegria, porque era simples e humilde, como os mais humildes.

Dele, contam-se comoventes e curiosos episódios de extrema bondade. Gabriela Castelo Branco, ao entrevistar Dona Maria de Jesus, filha do dramaturgo, e sua mãe, Dona Eugenia de Melo Breyner da Camara, in: “Diário de Lisboa”, de 12/02/1943, asseverou emocionada: Escutei da boca da filha do escritor, generosos gestos, do pai, de grande ternura.

D. João da Camara era descendente dos Lafões e Ribeira Grande, cujas raízes, mergulham no conhecido navegador, João Gonçalves Zarco, e de célebres figuras da nossa história, como: D. Francisco de Almeida, Marquês de Alorna, D. Nuno Alvares Pereira, e até do Santo Duque de Gandia – S. Francisco de Borja.

D. João da Camara, além da atividade teatral, era escritor e cronista assíduo, da: “ Gazeta de Notícias” e “Correio da Manhã”, ambos do Rio de Janeiro; e articulista do: “Ocidente” – revista lisboeta, – que lhe deu reputação e prestígio.

Mas, quiçá, a faceta menos conhecida e merecedora de mais ser lembrada, foi a enorme bondade.

Conta, Dona Maria Emília, sua neta, que certa vez, condoído da procissão de pedinte, tirou “dos seus ombros o único capote que tinha, para o pôr nas costas de um pobre.”

E Júlio Dantes – in: “Ilustração Portuguesa”, de 6/01/1908, – lembra: em frigidíssima noite, enquanto aguardava o elétrico, que o levaria a casa, deparou com mulher mal enroupada: “Chama a preta, deu-lhe o tostão – toda a riqueza naquela noite, – resignadamente, docemente, num sorriso tranquilo, levantou a pala do casaco, arregaçou as calças e meteu-se à chuva, a pé, a caminho da Junqueira.”

Certa vez, narra agora, Adriano Xavier Cordeiro, no: “Almanaque das Lembranças”, de 1909: ficou retido no quarto. Um dos filhos, estranhou. Interrogado o motivo, respondeu: que rapaz conhecido, fora de manhã, solicitar-lhe calçado decente. Para acudir, cedeu-lhe as botas.

E, quando o filho, replicou: por que entregara as novas, que não usava, por serem apertadas? Atalhou, encolhido:

- “Pois sim; mas ele tem o meu pé! …”

Certa ocasião, o jure do Conservatório, formado por Eduardo Shwalbach, D João da Camara, Júlio Dantas, Carlos Malheiro Dias, Henrique Lopes Mendonça, Maximiliano de Azevedo, examinava os candidatos.

Apareceu, perante os jurados, menina pálida de pavor, de vestidinho sóbrio, que mal balbuciava palavra, tão pesado era o medo, que a tomara.

Bem insistia Schwalbach, para declamar poema, mas a menina – Maria Matos, – balanceava nervosamente a saia, e de cabeça inclinada de pejo, murmurou:

- “Não sei…Nunca recitei…”

Abriu-se largo silêncio. Entreolharam-se os examinadores.

No vão da janela, encontrava-se D. João da Camara. Voltou-se. De sorriso bom e franco, abeirou-se de Maria Matos, e em voz amiga, sussurrou-lhe:

- “Diga a Avé-Maria…”

Ganhando ânimo, a menina empertigou-se, e recitou, docemente, tão compenetrada, que os presentes, em uníssono, declararam:

- “Estás admitida! …”

Não é, portanto, de admirar, que Maria Matos – atriz de reconhecido mérito, – sempre que era assaltada pela tristeza ou sério problema angustiante, abeirava-se do jazigo, do dramaturgo, e “dialogava”, pedindo-lhe conselhos.

Quem o diz, é Dona Emília da Camara Almeida Garrett, em missiva endereçada de Castelo Branco – 28/06/1910. Carta que minha querida amiga a Senhora Dona Maria Eugenia da Camara Rebello de Andrade, neta do escritor, teve a gentileza de me mostrar.

Seis dias depois de D. João da Camara completar 55 anos, falecia no quarto contíguo em que nascera. Antes porém, despediu-se de todos, rogando que o não chorassem; e cerrando as pálpebras, rezou o Pai-Nosso, e para sempre dormiu…

Foram estas as últimas palavras, segundo o filho José:

- “Quero morrer bem com Deus e com todos os meus amigos. Digam-lhes: que a todos muito quis, e desejo-lhes felicidade. Sempre fui muito religioso e espero que vocês o sejam; e nunca tenham a cobardia de o não confessar bem alto. O homem, que não acredita em Deus, não pode ser um bom amigo. Quero, também, que mandem dizer para o Brasil, que morri com todos os sacramentos da Igreja, e que sempre fui religioso.”

Termino com palavras de Fialho de Almeida, escritas em “Figuras de Destaque”:

“Este que caiu hoje, era um dos cinco ou seis, que ainda em Portugal, mereciam o nome de homem de letras e de artistas.”

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves