Portal O Debate
Grupo WhatsApp

De 16 para 8 horas: conquista dos sindicatos ou dos empresários?

De 16 para 8 horas: conquista dos sindicatos ou dos empresários?

19/12/2014 Guilherme Dalla Costa

A imagem que nos é vendida da era pré-sindicalismo é apocalíptica: as pessoas trabalhavam em locais insalubres, labutando 16 horas por dia, 6 dias por semana, 52 semanas por ano.

Não havia licenças médicas, férias, ou qualquer outro tipo de descanso. O horror! Com o surgimento das unions britânicas, porém, houve a queda das horas de trabalho e aumento da qualidade de vida. É verdade? Toda a situação descrita acima é verdadeira, exceto que os sindicatos não são os responsáveis pela melhora que de fato ocorreu. A força motriz por trás dessa mudança foi a produtividade. Veja bem: em 1790, 90% da população estadunidense estava empregada na agricultura. Os cosmopolitas britânicos representavam, estima-se, por volta de 20% dos habitantes do país.

Por volta de 1860, quando os sindicatos "conquistam" essas melhorias, eles eram 58% nos EUA. Apesar dessas sociedades civis há anos procurarem a diminuição da carga horária para 8 horas ou menos, isso era economicamente impossível; um casal trabalhando esse tempo não receberia o suficiente para sustentar confortavelmente sua família. Segundo o National Bureau of Economic Research, a máquina a vapor foi responsável por um crescimento entre 22 e 41% da produtividade do trabalho.

Isso, junto com a maior oferta de mão-de-obra e a consequente redução do preço das matérias-primas permitiu que as indústrias produzissem em 8 horas, 5 dias por semanas tanto ou mais do que era produzido em um período maior de labuta. A conquista, portanto, não veio da liderança heróica da militância sindical. Ela veio, sim, da engenhosidade científica dos homens da época e da visão dos empreendedores que souberam tirar proveito de suas invenções. Fica a pergunta: será que o Brasil, que estabeleceu leis trabalhistas antes de ter uma economia produtiva, não é industrializado e rico por causa disso?

* Guilherme Dalla Costa é Acadêmico de Economia e Especialista do Instituto Liberal.



O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre