Portal O Debate
Grupo WhatsApp

De 16 para 8 horas: conquista dos sindicatos ou dos empresários?

De 16 para 8 horas: conquista dos sindicatos ou dos empresários?

19/12/2014 Guilherme Dalla Costa

A imagem que nos é vendida da era pré-sindicalismo é apocalíptica: as pessoas trabalhavam em locais insalubres, labutando 16 horas por dia, 6 dias por semana, 52 semanas por ano.

Não havia licenças médicas, férias, ou qualquer outro tipo de descanso. O horror! Com o surgimento das unions britânicas, porém, houve a queda das horas de trabalho e aumento da qualidade de vida. É verdade? Toda a situação descrita acima é verdadeira, exceto que os sindicatos não são os responsáveis pela melhora que de fato ocorreu. A força motriz por trás dessa mudança foi a produtividade. Veja bem: em 1790, 90% da população estadunidense estava empregada na agricultura. Os cosmopolitas britânicos representavam, estima-se, por volta de 20% dos habitantes do país.

Por volta de 1860, quando os sindicatos "conquistam" essas melhorias, eles eram 58% nos EUA. Apesar dessas sociedades civis há anos procurarem a diminuição da carga horária para 8 horas ou menos, isso era economicamente impossível; um casal trabalhando esse tempo não receberia o suficiente para sustentar confortavelmente sua família. Segundo o National Bureau of Economic Research, a máquina a vapor foi responsável por um crescimento entre 22 e 41% da produtividade do trabalho.

Isso, junto com a maior oferta de mão-de-obra e a consequente redução do preço das matérias-primas permitiu que as indústrias produzissem em 8 horas, 5 dias por semanas tanto ou mais do que era produzido em um período maior de labuta. A conquista, portanto, não veio da liderança heróica da militância sindical. Ela veio, sim, da engenhosidade científica dos homens da época e da visão dos empreendedores que souberam tirar proveito de suas invenções. Fica a pergunta: será que o Brasil, que estabeleceu leis trabalhistas antes de ter uma economia produtiva, não é industrializado e rico por causa disso?

* Guilherme Dalla Costa é Acadêmico de Economia e Especialista do Instituto Liberal.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.