Portal O Debate
Grupo WhatsApp


De novo a dívida

De novo a dívida

23/11/2016 Benedicto Ismael Camargo Dutra

Embebida no consumismo, a humanidade deixou de buscar o significado espiritual da vida.

Grande parte dos seres humanos pensa que a vida tem como prioridade trabalhar e atingir os objetivos terrenos, tais como obter aquisições, consumo e lazer, o que espelha a forma de agir na atualidade, vazia de sentido sem a participação do espírito, sem propósitos elevados.

A motivação mais forte é o atendimento das necessidades básicas. As coisas estão se complicando nos Estados Unidos e no mundo porque a repercussão das decisões tomadas pelos seres humanos está acontecendo de forma mais acelerada.

Conflitos e desencontros se agravam porque as decisões foram tomadas sem levar em consideração o conjunto. Decisões focadas no aspecto financeiro foram úteis para o controle global, mas afetaram o emprego, o meio ambiente e a busca do aprimoramento humano, gerando descontentamento e revoltas pelo mundo.

Existem mais mistérios entre o chão do dia a dia e o Banco Central do que possa imaginar a nossa vã economia. Há pouca transparência, a metodologia é complicada. Com 14% de juros Selic, em seis anos a dívida dobra; com as perdas em swap cambial o prazo diminui, enquanto isso a economia vai patinando com expressivo desemprego, aumento dos custos em geral, e acentuada queda na renda.

Aonde foi parar o dinheiro que deveria estar circulando azeitando a economia? Enquanto nos bancos da Suíça e dos Paraísos Fiscais existem trilhões de dólares, falta dinheiro em circulação. Há poucas oportunidades de trabalho remunerado para jovens e adultos.

A economia está estagnada, pois a renda é insuficiente. O sistema monetário é predatório, porque onde são feitos os lucros não é onde se coloca o dinheiro. Bilhões de dólares têm sido enviados todos os anos para paraísos fiscais. Os países mais fracos precisam entregar o sangue para não serem massacrados.

Dólar a R$3,50 inflaciona? Não ajuda a exportação e a geração de empregos? O problema que enfrentamos é a dependência crônica, decorrente do sistema cambial desequilibrado. A situação econômica dos povos poderia estar bem melhor, mas faltaram estadistas sérios e competentes e ciência econômica visando o progresso real, com ganhos normais sem a exploração de uns pelos outros.

Novamente a dívida, que vem travando o Brasil desde a proclamação da independência em 1822, está subindo. Os jovens, que agora galgam a adolescência, não se sentindo motivados para estudar, avançar e progredir, se entregam ao prazer imediato, pois não veem perspectivas; a falta de preparo para a vida é cada vez maior, o que favorece o desperdício de mais uma geração, acarretando a fragilização e estagnação do Brasil.

Garotas e rapazes não estão sendo adequadamente preparados para a responsabilidade de gerar filhos fortes de corpo e espírito, que desenvolvam seus talentos para a si mesmos e para o mundo. É preciso incentivar essa geração a se tornar forte para libertar o planeta da ignorância e do atraso, estando, assim, apta a alcançar progresso, paz e alegria.

É muito estranho que inúmeras pessoas comecem a duvidar da existência terrena de Jesus, o Amor de Deus, tudo porque muitas fantasias e adulterações foram introduzidas, de forma consciente ou não, gerando desconfiança e confusão a começar pelo nascimento e que ocorreu em conformidade com as leis naturais da Criação, pois de outro modo seria impossível à formação de um corpo.

Por séculos o mundo viveu preso aos dogmas. Lutero provocou a ruptura. Banqueiros, artesãos e comerciantes, impulsionados pela ética protestante, deram início ao sistema capitalista que culminou em Wall Street. Embebida no consumismo, a humanidade deixou de buscar o significado espiritual da vida.

A doença se espalhou com a robotização que entorpece a essência e reduz a capacidade de análise. Descontente com sua reduzida participação na riqueza produzida, a massa vai se deixando dominar pelo medo e insatisfação. A humanidade se encontra num processo de degeneração que está sendo percebido como normal, sem que as causas sejam seriamente pesquisadas. A humanidade está doente. A busca da Espiritualidade é a cura.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP.



O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.