Portal O Debate
Grupo WhatsApp

De olho na água

De olho na água

07/02/2010 Samuel Lee

 O verão se aproxima e as férias também; e para uma boa parcela da população brasileira, o lugar ideal para aproveitar este merecido descanso é justamente o litoral.

Entendemos que, por seguinte, as pessoas irão se dirigir para seus apartamentos e casas que muitas vezes serão mais utilizados em períodos específicos do ano. A consequência natural que vemos é a elevação do consumo de água e o aumento da conta por parte destes usuários e, portanto, um aumento do nível de reclamações. Isso porque a maioria dos condomínios ainda possui o antigo sistema de medição em que o edifício tem apenas um medidor de água e o valor da conta é repartido pelo número de apartamentos, não importando se lá moram uma ou seis pessoas. 

Nas cidades turísticas essa cobrança é ainda mais injusta em função da alta rotatividade que existe nos apartamentos em época de férias e feriados. Por exemplo, se uma família possui apartamento na praia e não foi viajar nas férias, mas os outros apartamentos foram ocupados e utilizaram água, aquela família, mesmo assim, teria que dividir a conta com aqueles que a consumiram. Mas agora esta realidade está mudando em função da crescente adoção do sistema de medição individualizada de água por parte dos condomínios. 

O sistema de medição individualizada possibilita que cada apartamento passe a ter um hidrômetro próprio que mede a quantidade de água consumida, de modo com que as pessoas paguem exatamente pelo que elas utilizaram. Dessa forma, o volume de água medido pelo hidrômetro indicará de forma individual e não mais coletiva, evitando desta forma o famoso “rateio”, tão injusto nestes tempos de crise ou de bonança. 

Nos prédios onde essa solução foi implantada, houve uma economia imediata de 20%, podendo, em alguns casos, chegar a 40% já nos primeiros meses de adoção. Além de ser uma maneira mais justa de se pagar pelo uso, também faz com que as pessoas economizem e passem a utilizar este recurso com mais responsabilidade. Afinal, de que adianta eu economizar água se meu vizinho não fizer o mesmo? 

A redução no bolso do consumidor é uma boa motivação para o uso racional deste recurso finito, mas ainda tem um problema muito maior. O consumo médio de água nas capitais brasileiras é de 150 litros/habitante ao dia, enquanto que a Organização das Nações Unidas recomenda que esse consumo seja de apenas 110 litros diariamente por habitante. É preciso que todos se conscientizem de que a água não é infinita e, se não utilizada corretamente, um dia vai acabar. Segundo dados do International Water Management Institute, 1,8 bilhão de pessoas viverão sem nenhuma gota de água até 2025 se continuar desta maneira.

Essa realidade é atual e, portanto, urge ações de forma individual e coletiva para a preservação e sustentabilidade para conservar o meio ambiente e garantir um futuro com água não só para as futuras gerações, mas para nós mesmos.

*  Samuel Lee é diretor Geral da Itron na América Latina

Fonte: Comunica Brasil



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann