Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

21/10/2021 Bady Curi Neto

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).

A ação proposta fundamenta-se ao argumento de que o CFM, em seu parecer 04/2020, publicado em 23/05/2020, considerou a utilização do uso do medicamento Cloroquina e Hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, constando que “Diante da excepcionalidade da situação e durante o período declarado da pandemia, não cometerá infração ética o médico que utilizar cloroquina ou hidrocloquina”, nos termos do parecer. 

O parecer consta, ainda, que “O princípio que deve nortear o tratamento do paciente portador da Covid-19 deve basear na autonomia do médico-paciente, sendo esta mais próxima possível, com objetivo de oferecer o melhor tratamento médico disponível no momento.”

Em razão do parecer voltado única e exclusivamente para médicos, a douta Defensoria Pública atribui ao CFM os danos porventura sofridos por milhares de pessoas por terem utilizado tais medicamentos, sem eficácia científica demonstrada.

Esqueceu-se a DPU que a ciência de hoje pode ser a insciência do amanhã, como ocorrido com tantos medicamentos. A autonomia médica deve ser respeitada, principalmente diante de uma doença que não existia à época, provas científicas de cura ou prevenção.

É de bom alvitre lembrar que o parecer foi dado no início do ano passado, quando o uso de tais medicamentos não tinham sua ineficiência cientificamente comprovada, sendo, naquela ocasião, uma alternativa, na busca de uma solução para mitigar os efeitos da nefasta Covid-19.

Hoje, entenderia a iniciativa da DPU acaso a ação objetivasse a suspensão do parecer, mas pleitear indenização em valores estratosféricos, a meu ver, fere de morte princípios de direito como a proporcionalidade e razoabilidade.

Diz a DPU “milhares de pessoas, talvez milhões, foram tratadas com cloroquina no país, seja por automedicação, seja por prescrição médica com o consentimento do paciente, seja por exigência do paciente. Não importa. Todas essas pessoas, ao acreditar na orientação enganosa do CFM sobre a cloroquina, foram por ele induzidos a erro, o que contribuiu pelos danos sofridos.”

É de se perguntar: De onde a DPU tirou estes dados? Cadê a comprovação ou estudo de milhões e milhares de pessoas?

Ao que parece a argumentação é apenas especulativa, se não falaciosa, para justificar a injustificável indenização por danos morais.

A argumentação utilizada para tentar dar sustentação aos danos morais por pessoas tratadas pela cloroquina não há nenhuma evidência, seja estatística, seja científica, do número de indivíduos, não passando de uma narrativa argumentativa.

Em outro argumento, a DPU parece deixar transparecer seu viés ideológico; “CFM infelizmente trilha o caminho ideológico para dar suporte a um governo que teve a pior condução no enfrentamento da pandemia, que trabalhou pela frustração de medidas de restrição de circulação, que buscou imunidade de rebanho ao custo de milhares de vidas, que não implementou política de rastreamento de infectados e que continua a não estimular a vacinação e adoção de medidas de prevenção.”

Inconcebível, data vênia, que a Defensoria mova a máquina estatal na defesa de posicionamento político, utilizando de uma ação judicial, com o respeito devido, para criticar (como no caso) ou mesmo apoiar o Governo.

A irrestrita observância das funções das Instituições deve ser verificada com o rigor necessário, sob pena de desvirtuamento das atribuições Institucional. Com a palavra os leitores e o Poder Judiciário.

Tenho dito!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre danos morais coletivos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte Naves Coelho Comunicação



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.