Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

21/10/2021 Bady Curi Neto

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).

A ação proposta fundamenta-se ao argumento de que o CFM, em seu parecer 04/2020, publicado em 23/05/2020, considerou a utilização do uso do medicamento Cloroquina e Hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, constando que “Diante da excepcionalidade da situação e durante o período declarado da pandemia, não cometerá infração ética o médico que utilizar cloroquina ou hidrocloquina”, nos termos do parecer. 

O parecer consta, ainda, que “O princípio que deve nortear o tratamento do paciente portador da Covid-19 deve basear na autonomia do médico-paciente, sendo esta mais próxima possível, com objetivo de oferecer o melhor tratamento médico disponível no momento.”

Em razão do parecer voltado única e exclusivamente para médicos, a douta Defensoria Pública atribui ao CFM os danos porventura sofridos por milhares de pessoas por terem utilizado tais medicamentos, sem eficácia científica demonstrada.

Esqueceu-se a DPU que a ciência de hoje pode ser a insciência do amanhã, como ocorrido com tantos medicamentos. A autonomia médica deve ser respeitada, principalmente diante de uma doença que não existia à época, provas científicas de cura ou prevenção.

É de bom alvitre lembrar que o parecer foi dado no início do ano passado, quando o uso de tais medicamentos não tinham sua ineficiência cientificamente comprovada, sendo, naquela ocasião, uma alternativa, na busca de uma solução para mitigar os efeitos da nefasta Covid-19.

Hoje, entenderia a iniciativa da DPU acaso a ação objetivasse a suspensão do parecer, mas pleitear indenização em valores estratosféricos, a meu ver, fere de morte princípios de direito como a proporcionalidade e razoabilidade.

Diz a DPU “milhares de pessoas, talvez milhões, foram tratadas com cloroquina no país, seja por automedicação, seja por prescrição médica com o consentimento do paciente, seja por exigência do paciente. Não importa. Todas essas pessoas, ao acreditar na orientação enganosa do CFM sobre a cloroquina, foram por ele induzidos a erro, o que contribuiu pelos danos sofridos.”

É de se perguntar: De onde a DPU tirou estes dados? Cadê a comprovação ou estudo de milhões e milhares de pessoas?

Ao que parece a argumentação é apenas especulativa, se não falaciosa, para justificar a injustificável indenização por danos morais.

A argumentação utilizada para tentar dar sustentação aos danos morais por pessoas tratadas pela cloroquina não há nenhuma evidência, seja estatística, seja científica, do número de indivíduos, não passando de uma narrativa argumentativa.

Em outro argumento, a DPU parece deixar transparecer seu viés ideológico; “CFM infelizmente trilha o caminho ideológico para dar suporte a um governo que teve a pior condução no enfrentamento da pandemia, que trabalhou pela frustração de medidas de restrição de circulação, que buscou imunidade de rebanho ao custo de milhares de vidas, que não implementou política de rastreamento de infectados e que continua a não estimular a vacinação e adoção de medidas de prevenção.”

Inconcebível, data vênia, que a Defensoria mova a máquina estatal na defesa de posicionamento político, utilizando de uma ação judicial, com o respeito devido, para criticar (como no caso) ou mesmo apoiar o Governo.

A irrestrita observância das funções das Instituições deve ser verificada com o rigor necessário, sob pena de desvirtuamento das atribuições Institucional. Com a palavra os leitores e o Poder Judiciário.

Tenho dito!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre danos morais coletivos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte Naves Coelho Comunicação



O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.