Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Delação premiada pode evitar cadeia para Valério

Delação premiada pode evitar cadeia para Valério

07/11/2012 Luiz Flávio Gomes

A novela da dosimetria da pena na AP 470 (mensalão) está longe do seu final. Ainda há muita água para passar debaixo dessa complicada ponte.

O novo depoimento de Marcos Valério - revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo -, prestado em setembro ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pode favorecê-lo na redução ou mesmo extinção da sua pena. Possivelmente por razões processuais ou estratégicas, o procurador-geral disse que eventual delação não teria efeito dentro do processo mensalão.

Na prática, nada disso representa a verdade dos fatos e do direito. O processo ainda não terminou, logo, é perfeitamente possível a delação. Aliás, nem sequer a pena do réu Marcos Valério foi totalmente definida. Falta o voto do Ministro Marco Aurélio em relação a duas acusações contra ele.

O STF ainda nada decidiu sobre a existência ou não de crime continuado, o que pode significar uma grande redução de pena. Marcos Valério, ademais, independentemente das suas declarações de setembro, já se posicionou como colaborador da Justiça no processo, em 2005, visto que foi ele quem ofereceu a lista de todas as pessoas, sobretudo parlamentares, que receberam dinheiro ilícito.

Também foi ele quem deu detalhes de todos os falsos empréstimos bancários. Ele já colaborou com a Justiça e, segundo a Veja, ainda está disposto a oferecer mais detalhes para esclarecer a participação do ex-presidente Lula assim como do ex-ministro Antonio Palocci. Quer ainda delatar mais remessas de dinheiro para o exterior, a entrega de dinheiro a um empresário no caso da morte do prefeito de Santo André, Celso Daniel, quem deu dinheiro para os petistas “aloprados” etc.

No final de setembro Marcos Valério enviou fax ao Supremo pedindo sua inclusão no programa de proteção a testemunha assim como um novo depoimento. Toda delação deve sempre ser vista com reservas. Sua credibilidade depende do conteúdo do que é revelado assim como de provas que confirmem as declarações. Delação desacompanhada de provas convincentes não favorece em nada o réu.

A partir dela podem ser abertas novas investigações, contra as pessoas incriminadas. A lei exige que a delação seja efetiva (empenho exitoso, fornecimento de dados objetivos, participação ativa nas diligências) e voluntária (livre, sem coação). Além disso, que haja um resultado prático que pode ser ou a identificação dos demais coautores ou partícipes da ação criminosa ou a recuperação total ou parcial do produto do crime.

Quando preenchidos todos os requisitos legais, os Ministros do STF devem levar em conta a colaboração do réu (não é uma faculdade, é um dever) ou para reduzir a pena de 1/3 a 2/3 ou inclusive para conceder o perdão judicial, julgando-se extinta a pena. A lei concede ao juiz uma grande margem de atuação, que ainda deve considerar as circunstâncias, a gravidade assim como a repercussão social do fato criminoso.

Juridicamente tudo isso é possível em razão da lei de proteção de vítima e testemunha, de 1999. Tendo havido menção a Lula em seu depoimento, a oposição (PPS, PSDB e DEM) anunciou no último dia 01.11.12 que pedirá a abertura de investigação para apurar sua possível participação no esquema do mensalão. Fonte: Estadão - http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,oposicao-pedira-investigacao-contra-lula,954438,0.html.

Teoricamente tudo isso também é possível, mas não basta a delação isolada. Ela só ganha relevância quando acompanhada de provas objetivas que revelem plausibilidade jurídica em relação ao seu conteúdo.

*Luiz Flávio Gomes – Jurista e professor. Fundador da Rede de Ensino LFG.



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso