Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Deputado que tem fome, tem pressa

Deputado que tem fome, tem pressa

03/06/2015 Bernardo Junqueira

Usar a máquina do Estado para promover uma lei porque a comida chegou atrasada é de um patrimonialismo extremo.

Foi noticiado que o Dep. Estadual Marquinhos Palmerston, do PSDB de Goiás, apresentou um projeto de lei estabelecendo que empresas de alimentos em domicílio tem no máximo 50 minutos para entregar o pedido, em dia de semana, e 60 minutos nos fins de semana.

Essa medida demonstra claramente algumas coisas: (i) deputados, e o Estado, tem poder excessivo; (ii) deputados nada entendem de economia; e (iii) deputados não tem muito o que fazer ao longo do dia.

Deputados, e por conseguinte, o Estado, têm muito poder sobre as pessoas. A melhor teoria democrática, nascida do seio do movimento liberal europeu, dispunha que os poderes do Estado precisam ser limitados por direitos e garantias individuais.

Essa tradição vem desde a Magna Carta, que faz 800 anos da sua promulgação neste mês. Portanto, a ideia de liberdade individual é o fundamento da Lei, e também o seu limite. Hayek expôs essas questões de maneira brilhante em seu tratado “Direito, Legislação e Liberdade”, argumentando que atos legislativos baseados em fatos e ocasiões específicos tendem a produzir legislação interventora, redutora de liberdade, e, em última análise, incompatível com a própria ideia de democracia.

Usar a máquina do Estado para promover uma lei porque a comida que você pediu chegou atrasada é de um patrimonialismo extremo. É tratar o Estado como sendo o quintal da sua casa.

Deputados estatistas nada entendem de economia, e o que é pior, suas boas intenções resultam em ações que geram efeito diverso ao que gostariam de produzir. Veja-se o caso dos alimentos em domicílio, por exemplo. Se essa lei vier a ser aprovada, será criada mais uma barreira e mais um desestímulo à entrada de investidores no setor, o que acaba resultando em menos concorrência.

Também resultará em menos concorrência essa lei, caso multas passem a ser aplicadas a essas empresas em decorrência desse atraso. Por fim, empresas especializadas em alimentos mais elaborados, que demandem maior tempo de preparo, estarão automaticamente jogadas na clandestinidade, reduzindo empregos, arrecadação tributária e aumentando a possibilidade do surgimento de propinas entre fiscais e donos de empresas de alimentos em domicílio.

Em suma, uma lei como essa provavelmente aumentará de maneira drástica o tempo de entrega de comidas em casa, o contrário do que pretendia o Deputado, coitado, que ficará com fome.

Deputados não devem ter muito o que fazer ao longo do dia. Essa é a melhor explicação para a perda de tempo com tal projeto. Esse tipo de notícia enseja imediata reflexão sobre a quantidade enorme de deputados e vereadores que temos hoje, praticamente todos bastante inúteis, mais atrapalhando do que ajudando ao progresso do Brasil.

Para melhorarmos a eficiência da máquina pública, insta reduzirmos de maneira agressiva a quantidade de vagas no Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas estaduais e nas Câmaras de Vereadores, de forma que possamos pagar menos impostos, sobrando assim dinheiro para que nós, cidadãos pagadores de impostos, possamos comprar pizzas, ao invés do Deputado tucano glutão.

E que deputados autoritários, como este que foi citado, possam ser definitivamente afastados da vida pública brasileira. E desculpem se fui inconveniente demais, mas é que quem tem fome de liberdade, tem pressa.

* Bernardo Santoro é Diretor do Instituto Liberal



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli