Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Deputado que tem fome, tem pressa

Deputado que tem fome, tem pressa

03/06/2015 Bernardo Junqueira

Usar a máquina do Estado para promover uma lei porque a comida chegou atrasada é de um patrimonialismo extremo.

Foi noticiado que o Dep. Estadual Marquinhos Palmerston, do PSDB de Goiás, apresentou um projeto de lei estabelecendo que empresas de alimentos em domicílio tem no máximo 50 minutos para entregar o pedido, em dia de semana, e 60 minutos nos fins de semana.

Essa medida demonstra claramente algumas coisas: (i) deputados, e o Estado, tem poder excessivo; (ii) deputados nada entendem de economia; e (iii) deputados não tem muito o que fazer ao longo do dia.

Deputados, e por conseguinte, o Estado, têm muito poder sobre as pessoas. A melhor teoria democrática, nascida do seio do movimento liberal europeu, dispunha que os poderes do Estado precisam ser limitados por direitos e garantias individuais.

Essa tradição vem desde a Magna Carta, que faz 800 anos da sua promulgação neste mês. Portanto, a ideia de liberdade individual é o fundamento da Lei, e também o seu limite. Hayek expôs essas questões de maneira brilhante em seu tratado “Direito, Legislação e Liberdade”, argumentando que atos legislativos baseados em fatos e ocasiões específicos tendem a produzir legislação interventora, redutora de liberdade, e, em última análise, incompatível com a própria ideia de democracia.

Usar a máquina do Estado para promover uma lei porque a comida que você pediu chegou atrasada é de um patrimonialismo extremo. É tratar o Estado como sendo o quintal da sua casa.

Deputados estatistas nada entendem de economia, e o que é pior, suas boas intenções resultam em ações que geram efeito diverso ao que gostariam de produzir. Veja-se o caso dos alimentos em domicílio, por exemplo. Se essa lei vier a ser aprovada, será criada mais uma barreira e mais um desestímulo à entrada de investidores no setor, o que acaba resultando em menos concorrência.

Também resultará em menos concorrência essa lei, caso multas passem a ser aplicadas a essas empresas em decorrência desse atraso. Por fim, empresas especializadas em alimentos mais elaborados, que demandem maior tempo de preparo, estarão automaticamente jogadas na clandestinidade, reduzindo empregos, arrecadação tributária e aumentando a possibilidade do surgimento de propinas entre fiscais e donos de empresas de alimentos em domicílio.

Em suma, uma lei como essa provavelmente aumentará de maneira drástica o tempo de entrega de comidas em casa, o contrário do que pretendia o Deputado, coitado, que ficará com fome.

Deputados não devem ter muito o que fazer ao longo do dia. Essa é a melhor explicação para a perda de tempo com tal projeto. Esse tipo de notícia enseja imediata reflexão sobre a quantidade enorme de deputados e vereadores que temos hoje, praticamente todos bastante inúteis, mais atrapalhando do que ajudando ao progresso do Brasil.

Para melhorarmos a eficiência da máquina pública, insta reduzirmos de maneira agressiva a quantidade de vagas no Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas estaduais e nas Câmaras de Vereadores, de forma que possamos pagar menos impostos, sobrando assim dinheiro para que nós, cidadãos pagadores de impostos, possamos comprar pizzas, ao invés do Deputado tucano glutão.

E que deputados autoritários, como este que foi citado, possam ser definitivamente afastados da vida pública brasileira. E desculpem se fui inconveniente demais, mas é que quem tem fome de liberdade, tem pressa.

* Bernardo Santoro é Diretor do Instituto Liberal



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan