Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Dermatologia, saúde e combate à resistência bacteriana

Dermatologia, saúde e combate à resistência bacteriana

01/12/2011 Dr. Paulo Velho

A dermatologia é uma importante questão de saúde pública. É certo que, nos dias atuais, a fama dessa especialidade médica está mais ligada à estética do que a problemas de saúde. No entanto, a dermatologia precisa ser encarada mais seriamente pela sociedade.

Cerca de 10% dos usuários de unidades básicas de saúde procuram assistência por uma queixa dermatológica e um em cada quatro indivíduos que vão a Centros de Saúde têm uma lesão de pele que requer atenção do médico. Outro exemplo da relevância da dermatologia na saúde coletiva é o uso indiscriminado de antibióticos para o tratamento, tópico ou sistêmico, de transtornos cutâneos.

Muitas vezes, os problemas tratados são frequentes, como a acne, que chega a acometer 80% da população. O uso indiscriminado de produtos à base de antobióticos pode provocar resistência bacteriana. E é papel do dermatologista coibir essa prática e colaborar para que a sociedade receba informação sobre este assunto.

Ocasionada principalmente pelo uso inadequado de antibióticos, a resistência bacteriana pode acarretar a ineficácia desses medicamentos em tratamentos futuros, mesmo quando o problema estiver em outros órgãos, o que dificulta o controle de infecções e propicia o surgimento das temidas superbactérias.

Na dermatologia, o uso de antibióticos para tratar doenças comuns merece atenção redobrada. Dados da Organização Mundial da Saúde apontam que mais de 50% das prescrições de antibióticos no mundo são inadequadas.

Atualmente, entre os medicamentos tópicos utilizados no Brasil para o tratamento da acne, aproximadamente 40% contêm antibióticos: dado preocupante. Para a acne, assim como outras doenças, o mercado já disponibiliza opções mais modernas, livres da substância. E, nesse caso, o tratamento com cremes ou pomadas com antibiótico é muito mais relacionado à resistência bacteriana que o tratamento oral, exceto quando o último é usado de forma inadequada

Mas é fundamental que a classe médica esteja bem preparada e constantemente atualizada para utilizar a melhor alternativa. A conscientização, que deve começar na faculdade de medicina para evitar prescrições inadequadas, precisa chegar aos pacientes, para reduzir a automedicação. Cada indivíduo tem características clínicas próprias e não deve usar medicamentos que julga serem bons ou que deram resultado para o vizinho.

Afinal, nem sempre o remédio que foi bom para um amigo é adequado para outra pessoa. Às vezes, pode até resolver o problema inicial, mas pode também gerar várias outras complicações. O problema, contudo, vai além: os riscos do uso de antibióticos não afeta somente o paciente, mas também quem convive com ele, até mesmo o médico que trata o problema.

Um estudo europeu realizado com dermatologistas e publicado numa importante revista da especialidade (British Journal of Dermatology) mostrou que mais de 60% desses profissionais carregavam em sua pele a bactéria envolvida no surgimento da acne Propionibacterium acnes resistente aos antibióticos que o próprio médico prescrevia aos seus pacientes.

E esta seleção de bactérias resistentes pode acontecer também com irmãos ou outras pessoas que convivem com quem usa antibióticos, mesmo em cremes, pomadas ou géis. E estes medicamentos são considerados inofensivos pela maioria das pessoas. É importante que todos conheçam melhor os riscos e benefícios dos produtos que utilizam, mesmo por questões estéticas.

E assim como todo medicamento, géis, cremes e pomadas também devem ser prescritos por um médico.

* Dr. Paulo Velho é Professor de Dermatologia e especialista em infectologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.