Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desafios da crise energética e o ESG

Desafios da crise energética e o ESG

30/12/2021 Luiz Marcatti e Herbert Steinberg

Os intensos debates sobre o desenvolvimento sustentável têm impulsionado as sociedades, as empresas, as organizações e os governos a pensarem em ações realmente efetivas para se alcançar esse objetivo.

Os desafios têm escala global, e, como tal, envolvem tentativas de acordos e alinhamentos das economias quanto ao uso de recursos naturais, com as esperadas resistências de algumas partes.

De qualquer maneira, a agenda tem avançado, com uma visível mudança de comportamento das empresas, que a cada dia mais adotam diretrizes ESG, para responder às exigências de investidores e consumidores.

Ocorre que as transformações de fato significativas dependem de uma mudança estrutural, que inclui a substituição gradativa dos combustíveis fósseis por energia obtida de fontes limpas.

É nesse contexto internacional de descarbonização, que o Brasil agora se vê, pela terceira vez neste século, inseguro para garantir o pleno abastecimento de energia para a população e para as empresas.

Não falta competência técnica dos operadores do sistema elétrico nacional — herança do aprimoramento de novas tecnologias desenvolvidas nas últimas décadas —, e o País também conta com avanços no monitoramento das redes, melhor gerenciamento remoto e um eficiente sistema de supervisão e controle.

Apesar disso, o tratamento dado às crises de fornecimento de energia ficou concentrado em questões conjunturais, como ajustes de demanda, controles tarifários e administração de reservatórios, em vez de se focar em aspectos estruturais.

A excessiva dependência brasileira da matriz hídrica para a geração de energia elétrica faz com que a maioria das ações contra crises de abastecimento seja pontual. Não por acaso, é comum que as preocupações girem em torno das previsões climáticas.

A despeito dos avanços na geração e na distribuição de energia, sabe-se que dar atenção apenas a problemas sazonais não é uma boa estratégia no enfrentamento de situações como uma crise aguda de curto prazo de temas de mais amplo alcance, como mudanças climáticas, transição energética e descarbonização.

Essa conjunção de riscos conjunturais e estruturais escancarada na atual crise hídrica e energética é alvo constante das análises do professor Eduardo José Bernini, conselheiro independente e profissional com larga experiência em planejamento energético e empresarial, convidado da edição de novembro do MESA AO VIVO, espaço de debates do canal do Youtube da Mesa Corporate Governance.

Algumas preocupações destacadas por Bernini devem entrar no radar dos conselhos de administração e das instâncias corporativas encarregadas do direcionamento estratégico das empresas.

Na avaliação dele, torna-se cada vez mais importante antecipar prováveis demandas que surgirão no âmbito da transição energética para novas fontes.

Os desdobramentos de acordos como o da COP 26, recentemente encerrada, e as tensões entre os estados nacionais são uma demonstração de que os problemas são multifacetados, o que exige respostas. Esse é um dos motivos pelos quais as empresas devem estar preparadas em termos de governança.

É bastante provável que, nessa nova dinâmica global, seja necessário cumprir regras estabelecidas por organismos multilaterais e em meio a um cenário de tensões geopolíticas.

A dimensão social do ESG tem uma inevitável correlação com o desenvolvimento sustentável. Diante da velocidade vertiginosa das transformações em curso no mundo, as empresas têm o desafio da requalificação e recolocação de capital humano, que impacta também na empregabilidade, renda e saúde — no “S”, portanto.

No Brasil, se não é possível ignorar os problemas e incertezas das próximas décadas, tampouco se deve desconsiderar o que pode ser feito agora.

O agronegócio, por exemplo, é um setor que deve ser demandado de maneira crescente quanto às questões ambientais, para aliar produção e preservação.

Paralelamente, estará mais exposto às externalidades decorrentes das cada vez mais intensas e presentes mudanças climáticas.

Do ponto de vista do fornecimento de energia elétrica, o Brasil deve adotar variadas fontes e soluções durante a transição — como o biocombustível — e se aproveitar do crescimento exponencial das novas tecnologias, que abrem espaço para hidrogênio verde e produção de energia eólica e solar.

A diversificação significa uma geração distribuída de menor porte e descentralizada. Essa estratégia não resolve todos os problemas, mas reforça o portfólio, incentiva a inovação e a ruptura tecnológica necessárias à formação de alternativas descarbonificadas.

Esse amplo movimento em direção à transição energética exigirá esforços, terá custos e, como ressalta Bernini, enfrentará obstáculos como a falta de direcionamento estratégico dos países.

As nações precisarão agir de forma estrutural, com efeitos possíveis inclusive sobre o atual modo de produção.

De qualquer forma, diante da ameaça de mais curto prazo, representada pela emergência climática, é crucial que as empresas encontrem o equilíbrio dos aspectos ESG e estejam atentas a externalidades.

Assim podem transformar essas preocupações em ações para mitigação de riscos e ganho de performance e resultados.

* Luiz Marcatti é sócio e presidente do conselho da MESA Corporate Governance.

* Herbert Steinberg é sócio, fundador e presidente do conselho da MESA Corporate Governance.

Para mais informações sobre ESG clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Agência Blue Chip



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho