Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desafios do ensino de Inglês para surdos

Desafios do ensino de Inglês para surdos

26/01/2017 David Marcelo Pereira Berto

Aprender uma nova língua é simplesmente fascinante.

Não somente pelo fato de falar palavras e frases em outro idioma, mas também pelo contato com culturas que permeiam o estudo. Sempre ouvimos falar da importância de se aprender uma outra língua e dos benefícios pessoais e profissionais que podemos usufruir com isso.

Em Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Estrangeira, essa visão é enfatizada: “é indispensável que o ensino da Língua Estrangeira seja entendido e concretizado como o ensino que oferece instrumentos indispensáveis de trabalho” e que permite “um acesso mais igualitário ao mundo acadêmico, ao mundo dos negócios e ao mundo da tecnologia”.

Tudo isso pode parecer interessante para nossos alunos que jogam videogames, assistem a filmes, acessam a Internet, planejam uma viagem, enfim, realizam atividades como qualquer outro indivíduo. Com o início do projeto de Inclusão, passamos a receber, em salas de aula convencionais, alguns alunos que não têm nessas atividades um hobby ou que não compreendem essas diferenças culturais e linguísticas.

Dentre os alunos a serem incluídos vamos destacar um, o deficiente auditivo ou surdo. Surdo é aquele que sofreu uma perda da audição, que varia de leve a profunda. Como há a dificuldade de ouvir os sons, essa deficiência afeta também a fala, dependendo do nivel da surdez.

A maioria dos deficientes auditivos comunica-se utilizando a LIBRAS, a Língua Brasileira de Sinais, que tem sua própria gramática, sintaxe, morfologia e fonética. Alguns simplesmente se comunicam por meio de sinais domésticos, que a própria família e amigos criam para desenvolver uma conversa.

Dentro deste contexto, vem a indagação: será que é possível um aluno surdo se interessar pela aprendizagem da Língua Inglesa? O que fazer para atrair os alunos surdos? São questionamentos frequentes dos professores com esses alunos em suas turmas, que podem gerar insegurança e medo.

Mas reflexões diárias levarão os educadores a deixar de lado tudo isso. É o professor que precisa mudar seu método de ensino. O aluno surdo se expressa e aprende as coisas de forma diferente quando comparado aos alunos ouvintes.

Nós nos acostumamos a incentivar nossos alunos a buscarem a pronúncia perfeita, repetindo as palavras que ensinamos, focando em conversações. Mas tudo isso não faz sentido para os surdos, porque eles não conhecem os sons das letras, dos fonemas e das sílabas.

Antes, o educador deve pensar que, em compensação à falta da audição, os alunos surdos são muito visuais. Por isso, a utilização de figuras facilita muito a aprendizagem. O aluno vai associar a imagem da palavra escrita à imagem do objeto/palavra em questão.

Esse método ajudará até mesmo o professor que não tem conhecimento sobre a Língua de Sinais. Outro fator importante é a contextualização das palavras. O aluno surdo não precisa aprender somente palavras soltas. Muitos professores o fazem achando que não poderão extrair um sentido daquilo que leem.

É exatamente o contrário; alunos com deficiência auditiva interessam-se muito em aprender outra língua. O professor deve aproveitar essa característica e preparar sua aula pensando, também, nesses alunos, para que eles não desanimem ou se decepcionem. Softwares educacionais são uma boa pedida.

Os alunos surdos se sentem muito bem ao manipular um ambiente visual, no qual eles possam interagir. No caso de alunos com mais idade, o professor deve tomar cuidado ao questionar sua forma de escrita. Em LIBRAS, a ordem que as palavras aparecem na frase é diferente, tanto no português quanto na língua inglesa, podendo haver dificuldades em compreender a ordem dos adjetivos em relação aos substantivos.

Muitos educadores acabam confundindo a deficiência auditiva com a mental. As duas nada têm a ver uma com outra. Em razão desse equívoco, os surdos acabam deixando de lado a prática da leitura, tanto na primeira língua quanto numa segunda.

Há muitos surdos que dominam essa capacidade de leitura e escrita tão bem quanto ouvintes, inclusive muitos já conseguiram sua graduação ou pós-graduação. Poderíamos então parar e refletir: quem será o incluído? O aluno ou o professor? Na verdade, os dois. O aluno, por poder fazer parte de um ambiente com pessoas diferentes e, assim, se sentir pertencente a ele, o que é um fato.

O professor, por sua vez, por saber unir-se a dois universos ao mesmo tempo, o do ouvinte e do surdo. Educadores precisam estar sempre preparados para estar nesses universos simultaneamente, com atividades que atendam às necessidades de todos os seus alunos.

A Língua de Sinais não é o único caminho para esse universo diferente. Há caminhos novos a cada dia, seja com leituras, imagens, artigos tecnológicos, brincadeiras, criando várias rotas para um mesmo objetivo: a satisfação do aluno.

* David Marcelo Berto é Consultor de Línguas Estrangeiras da Vitae Brasil.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli