Portal O Debate
Grupo WhatsApp

“Desnudar-se” perante o mundo

“Desnudar-se” perante o mundo

27/04/2020 Humberto Pinho da Silva

No meu tempo de meninice não havia: televisão, gravador, avião supersônico, telemóveis, e poucos possuíam carro. De Internet nem se pensava.

As comunicações faziam-se por: carta, telefone, rádio ou pessoalmente; ninguém sentia falta dessas “modernices”, que, agora, são indispensáveis.

A vida era mais tranquila. As crianças brincavam descuidadamente, na rua, e os pais nem se lembravam que pudessem ser atropeladas ou raptadas.

Éramos mais felizes? Julgo que não. A tranquilidade, a segurança, e a vida pacata, era o dia a dia. Parecia-nos natural.

Havia mais intimidade e mais convívio entre as famílias. Namorava-se, por carta, se o “ príncipe” morava afastado ou para lhe declarar afeto.

A carta era inviolável ou quase, porque havia quem conseguisse lê-la, abrindo-a ao vapor de água, ou a polícia secreta, se desconfiasse, violava-a com a colaboração do pessoal do Correio.

Agora com a Internet e telefone móvel e fixo, estamos à mercê de todos. Num grupo de amigos, vim a saber o que aconteceu a senhora, que se separou do marido:

Para manter privacidade, alterou os códigos, que usava na Internet, e mudou o número do telefone.

Decorridos meses, ficou atónita, ao saber que as amigas recebiam mensagens, narrando intimidades de seu passado, e informações, e palavras degradantes.

Conseguira entrar-lhe no computador, com auxílio de amigo, perito em informática. Infelizmente não é caso único.

A Internet, que cada vez é mais usada, não permite intimidade. Através dela, descobre-se todos os segredos. O hacker é dono do mundo: avaria computadores, vigia-nos, rouba-nos endereços, retira e substitui fotos. Enfim devassa a nossa vida.

Não há forma de fugir. Somos obrigados a “denodarmo-nos” diante dos informáticos e seus “amigos”…

Antigamente, a violação de correspondência e escuta telefônica, era crime; agora já há quem considere que não. Varia, consoante o “desnudado”… e interesses de ocasião…

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.