Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dia das Crianças: qual a melhor forma de comemoração?

Dia das Crianças: qual a melhor forma de comemoração?

12/10/2013 Daniele Vilela Leite

Comemore você também esse dia, pois todo adulto tem uma criança adormecida dentro de si!

O Dia das Crianças foi “criado” no Brasil em 1920, quando o deputado federal Galdino do Valle Filho teve a ideia de uma data para homenagear as crianças. O 12 de outubro seria oficializado como dia da criança em 1924 pelo então presidente Arthur Bernardes.

Mas foi somente depois da parceria entre a fábrica de brinquedos Estrela e a Johnson & Johnson, em 1960, com o lançamento da ‘Semana do Bebê Robusto’ para aumentar as vendas, que essa data passou a ser comemorada em todo o país. 

Em 20 de novembro de 1959, a UNICEF oficializou a Declaração Universal dos Direitos da Criança e, a partir de então, tal data passou ater outro sentido na maioria dos países do mundo. Entre outras coisas, a Declaração estabelece que toda criança deve ter proteção e cuidados especiais antes e depois do nascimento. Desde então, o 20 de novembro passou a ter ser considerado o Dia das Crianças em muitos países.

Em outros, como Japão, Moçambique, Nova Zelândia e Turquia, o Dia das Crianças é comemorado em diferentes datas.

O “Dia das Crianças” é uma das principais datas para o comércio. Os pais vão à loucura tentando agradar seus filhos, comprando os presentes caros e sofisticados, enquanto estes ficam na expectativa do que irão ganhar. Os pais enchem seus filhos de presentes, principalmente brinquedos eletroeletrônicos - aparelhos que muitas vezes não são compatíveis com a real idade deles.

Por diversas vezes, queremos, com presentes materiais, compensar nossa ausência e a falta de tempo com nossos filhos. Mas, isso realmente funciona? A criança se sente valorizada ao ganhar um presente?

Não, isso não acontece! Sejamos realistas. A criança pode e vai ficar feliz com o novo presente, mas isso não é suficiente. Crianças precisam da presença dos pais e/ou responsáveis e não devemos usar desculpas como “não tenho tempo”; “chego tarde em casa”; ou ainda “estou sempre cansado, pois trabalhei o dia todo”.

Essa é a realidade de pais e também muitas mães de família que trabalham fora o dia todo e quando chegam em casa, ainda tem de cumprir uma “segunda” jornada de trabalho, além de cuidar, dar atenção aos filhos e auxiliá-los nas atividades escolares.

Que tal mudarmos essa realidade neste ano? Vamos aproveitar essa data tão especial e não apenas dar presente, mas “ser presente” na vida de nossas crianças.

Isso fará um bem enorme a eles e, pode ter certeza, a você também! Faça um passeio com seu filho; vá a um parque fazer um piquenique, jogar bola, andar de bicicleta, assistir a um filme no cinema ou em casa, com pipocas e guloseimas, vá ao teatro; enfim, ofereça a eles uma atividade conjunta, um momento que ficará guardado na memória.

Pense em algo que seja prazeroso e divertido, e depois pense que isso poderá ficar como uma lembrança alegre e marcante. Brinquedos? Eles podem quebrar ou se tornar algo sem graça, ficando jogado em um canto. Mas as melhores lembranças ficarão para sempre!

Então, neste “Dia das Crianças”, ofereça ao seu filho, o melhor presente que ele poderá ganhar: VOCÊ!

E Feliz Dia das Crianças! Comemore você também esse dia, pois todo adulto tem uma criança adormecida dentro de si!

* Daniele Vilela Leite é Analista de Produto na empresa Planeta Educação



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.