Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dicas para driblar a compulsão por doces

Dicas para driblar a compulsão por doces

24/07/2013 Michelle Franzoni

Você não vive sem um chocolate? Ou precisa comer aquela bolachinha doce todas as tardes? Tem sempre uma balinha na bolsa? Atenção! Você pode ser viciado em açúcar!

Sabia que quanto menos doce comer, menos falta seu organismo sentirá? Faça o teste e experimente passar alguns dias sem comer. No início, pode ser difícil, mas, depois, será tudo de bom! E, para se livrar da compulsão, existem alguns artifícios que podem ser usados para ajudar. Confira:

• Pense nos seus objetivos: Você está de dieta para perder peso? Se a resposta é sim, esse doce realmente pode ser um problema. Tente reduzir ao máximo a sua ingestão, mas, se consumir, preste atenção no saldo calórico do dia. Lembre-se que comer uma barra de chocolate inteira no final de semana pode estragar seu esforço da semana toda.

• Pratique exercícios: Algumas das substâncias químicas que agem no sistema nervoso central, que são desencadeadas no nosso organismo quando praticamos atividade física, são as mesmas provocadas pela ingestão do doce.

• Não tenha doces em casa: Deu aquela vontade desesperada e o armário está vazio? Ótimo! Tenho certeza que você pensará duas vezes antes de sair de casa para comprar algo.

• Coma uma fruta: As frutas, além de conterem açúcar do tipo frutose, são ricas em fibras, vitaminas e minerais. Aquela maçã vermelhinha depois do almoço é uma boa opção.

• Escolha o horário certo: Comer um doce depois do almoço faz com que sua absorção seja mais lenta e, portanto, engorde menos. As fibras presentes na refeição reduzem a absorção do açúcar.

• Escove os dentes: Experimente escovar os dentes logo após as refeições, antes mesmo de deixar a vontade de comer doce aparecer. Essa é uma dica pessoal que funciona para mim.

• Divida a sobremesa: Que tal pedir aquela super sobremesa e dividir com o colega? Ou deixar para comer a outra parte no dia seguinte? É uma boa forma de poupar calorias e satisfazer sua vontade.

• Congele as sobras: Sobrou aquela torta gostosa do final de semana? Congele em frações para comer no outro domingo.

• Doe para os amigos: Quando você fizer aquele bolo gostoso no final de semana, coma um pedaço e dê o resto para os familiares, vizinhos ou porteiro. Dessa forma, ele não ficará na sua vista toda a semana seguinte.

• Cheire o chocolate: Enganar o cérebro com o cheiro do doce pode ser uma boa saída. O olfato ativa os preceptores do cérebro que respondem pelas emoções e, dessa forma, alivia a vontade. Mas essa dica não funciona para todas as pessoas. Tem gente que não resiste o cheirinho do doce e ataca tudo!

• Opte por sabores fortes: O chocolate amargo não contém tanto açúcar como os outros tipos, o que estimula a vontade de comer mais e mais. Além disso, ele contém propriedades antioxidantes benéficas.

• Masque chiclete sem açúcar: O sabor refrescante do chiclete e o ato da mastigação reduzem a fome e a ansiedade.

• Faça sobremesas com teor de açúcar menor: Gelatina, pudins diet e sobremesas de frutas são algumas opções para aplacar a vontade.

Finalizando, o sucesso da dieta só depende de você. O doce está ali. Desenvolva uma boa relação com ele, do tipo “agora eu não quero você, ok?” ou “não adianta me tentar, sou mais forte que você”. Conversando consigo mesmo e aprendendo a dizer não, você conseguirá reduzir bastante essa louca vontade por açúcar.

*Michelle Franzoni é Doutora em Gestão do Conhecimento nos segmentos de saúde e qualidade de vida e é autora do Blog da Mimis, com conteúdo de saúde e bem estar, que conquistou 200 mil seguidores em apenas seis meses.



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes