Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dicas para se sair bem na redação

Dicas para se sair bem na redação

05/09/2011 Antônio Carlos Olivieri

A FUVEST (Fundação Universitária para o Vestibular) divulgou no início do mês de agosto o manual do candidato para o vestibular 2012 da USP (Universidade de São Paulo) e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Apesar de o manual não trazer novidades em relação à prova de redação, é sempre bom estar atento aos critérios de correção que a FUVEST divulga. Eles são simples e podem até parecer óbvios, mas a realidade mostra que nem sempre são tão evidentes assim. Quanto ao primeiro critério da avaliação, por exemplo, diz a FUVEST que quer saber se o candidato se ateve ao tema proposto e fez, de fato, uma dissertação.

Parece mentira, mas, talvez pela afobação, muitos candidatos acabam não entendendo o que lhes é pedido na proposta. É fundamental lê-la com toda a atenção e, melhor ainda, fazer um breve resumo do mote apresentado em cerca de cinco linhas. Além de garantir que o candidato entendeu a proposta, essa síntese já é um esboço do primeiro parágrafo que deve ser escrito.

Afinal, na introdução do texto, o aluno deve expor, com suas palavras, o tema sobre o qual vai falar. Ao exigir uma dissertação, o avaliador quer saber, essencialmente, se o vestibulando é capaz de argumentar. Isso significa apresentar uma opinião acerca de qualquer assunto, bem como as razões que a fundamentam. Os alunos, em geral, fazem afirmações, mas não apresentam as razões que têm para acreditar no que dizem e para convencer o leitor do seu ponto de vista.

Eu comparo que fazer uma dissertação é como chegar para o pai e dizer: “Eu preciso de um carro”. Ora, o pai não vai se convencer da necessidade do filho se ele não apresentar bons motivos que a justifiquem. Quando falamos em argumentação, já estamos entrando no segundo critério da correção, que é o da estrutura da dissertação. Nesse item, a FUVEST logo se refere a dois elementos essenciais de uma dissertação, que são a coesão textual e a coerência.

Ora, a coesão é justamente a conexão que o candidato estabelece entre suas ideias para argumentar. São muitos os elementos linguísticos que tornam um texto coeso, mas, em princípio, eles devem funcionar como os sinais matemáticos das quatro operações. Quando você escreve 1+1=2, você conectou os três algarismos e escreveu uma sentença matemática. Se você tirar os sinais dessa sentença, ela, a rigor, não significa nada: 1 1 2.

Ao redigir uma dissertação, o aluno tem de estar atento aos “sinais” linguísticos que vão relacionar suas ideias. Vamos a um exemplo simples, citando o filósofo francês René Descartes. Se você pegar duas palavras como “Penso” e “existo”, você não está argumentando. O que vai criar a argumentação é o elemento de conexão entre as duas ideias: Penso. LOGO, existo. O terceiro critério é a expressão. Nesse item, vale a pena lembrar que, antes de tudo, o aluno deve ser claro e evitar a confusão. Para isso, é melhor fazer frases curtas.

Assim evitam-se problemas de má conexão ou desconexão entre os termos dessas frases. Além disso, usar um vocabulário que ele conheça, pois muitos tropeçam quando, na tentativa de impressionar os avaliadores, falam – ou, nesse caso, escrevem – difícil. Se os candidatos podem ter certeza de uma coisa é a de que o vocabulário dos avaliadores da FUVEST, em sua maioria gente formada em Letras pela própria USP, costuma ser bem mais rico do que o de alunos do final do Ensino Médio.

* Antonio Carlos Olivieri é professor de língua portuguesa, jornalista e criador da Página 3 Pedagogia & Comunicação, especializada em desenvolver conteúdo para sites educacionais, e do site Página da Redação.



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso