Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Dilma Rousseff, o "plano B"

Dilma Rousseff, o "plano B"

28/08/2017 Amadeu Roberto Garrido de Paula

A campanha petista não demorou.

Não seria necessário ser um cartomante para prever, no momento em que o Senado Federal, sob a batuta do Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, cindiu um julgamento uno para preservar os direitos políticos de Dilma Rousseff, que fértil imaginação política rodeara o cenário final do impeachment.

Ai está a presidente "injustiçada" a estocar de imediato a decisão de privatizar a Eletrobrás, como, de resto, deveriam ser privatizadas todas as brás, para desinchar-se um estado que, se permanecer como se encontra, estará sempre perto de estourar as metas fiscais, o respectivo governo violar a lei de responsabilidade e as oposições se regozijarem.

Além disso, a cartilha deve ser rezada. Não seria compatível com um partido de esquerda, há pouco desmoronado no campo da ética e, por consequência, da política, negar os dogmas do estado forte, precisamente o que nos levou ao fundo do poço. A proposta de Temer, a valorização das ações da Eletrobrás em 30%, caiu no colo dos imaginativos restauradores do "ancién regime" populista bolivariano.

A campanha petista não demorou. Lula, em que pesem suas caravanas circenses, é uma incógnita, face a uma campanha eleitoral extremamente exigente, como a brasileira, e a possibilidade concreta de sua prisão em decorrência de uma lei de iniciativa popular apoiada por muitos quadros petistas. A melhor alternativa é Dilma, que pode aliar ao discurso roto da esquerda a indignação de quem teria sido punido injustamente.

O "J´accuse" de Émile Zola dará os ares românticos a um Dreyfus feminino na terra das bananas em busca de um "contragolpe", injetando-se a emoção que sempre guiou nossas eleições e plantando-se de novo o projeto de poder que nos levou ao buraco mais profundo da história.

Não obstante isso, a tragicomédia não passará e as privatizações demonstrarão a virtude de fazer emagrecer esse estado deturpado e tornar, a curto e médio prazo, razoável a dívida pública do Estado brasileiro, que pouco importa à "troupe" das ilusões envolventes de parte de um povo que, por razões compreensíveis, se deixa levar pelo pão e circo, ainda que, nesses passos, nossas estruturas e instituições nos tornem uma tosca e imensa aldeia de braços com a Venezuela, a Bolívia e a Cuba dos Castros.

* Amadeu Roberto Garrido de Paula é Advogado e sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.