Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Diversidade e Inclusão: competências imprescindíveis para líderes em 2021

Diversidade e Inclusão: competências imprescindíveis para líderes em 2021

20/12/2020 Liliane Rocha

Uma das coisas que mais gosto no meu trabalho é a possibilidade de poder conhecer e conversar com líderes das mais variadas empresas, com históricos distintos, múltiplas vivências, anseios e percepções sobre o que é Diversidade e Inclusão e o que significa falar sobre isso no contexto empresarial.

Isso me dá a oportunidade de saber como o Agronegócio, a Mineração, o Setor Financeiro, o Varejo, a Indústria e tantos outros setores estão mergulhando neste tema e projetando a perspectiva de inclusão da diversidade em seus negócios, tendo em vista a perenidade da empresa e a transformação da sociedade.

Lembrando sempre que a premissa básica é de que essa, obviamente, é a coisa certa a ser feita, mas que quando falamos de grandes empresas e estruturas empresariais, possivelmente seremos demandados de estratégias consistentes para gerar mudanças realmente práticas.

Recentemente, por exemplo, em uma conversa com Carlos Brito, Diretor de Varejo da Nutrien, fui lembrada de que, em um dos meus livros favoritos, “The Paradox of Inclusion” do autor Andrés T. Tapia, há uma menção de diversidade como uma competência que deve ser desenvolvida e cultivada na liderança.

No livro, Andres nos fala de uma Competência Cross Cultural que pode ser notada em três estágios:

“Contribuidor Individual: Demonstra entendimento da definição e dos aspectos de cultura. Busca entender sua própria cultura e perspectiva, como ela difere de outras, e como cultura e perspectiva podem impactar as interações com colegas de trabalho, clientes e outros. Demonstra consciência de outras culturas, perspectivas diversas, estilos, jornadas e experiências e visões de mundo com o objetivo de elevar suas contribuições.

Contribuidor Impulsionado: Gerencia seus próprios vieses e estereótipos, e aceita diferenças culturais em estilos, comportamentos, crenças, e visões de mundo. Se aproxima de outros com diferentes jornadas e experiências, perspectivas, estilos, e/ou opiniões para alcançar resultados ideais de negócio.

Líder: Molda soluções organizacionais que são interculturais em sua filosofia, concepção, implementação e comunicação. Constrói uma organização intercultural e competente por meio de um sistema e de processos que otimizam o valor de culturas diversas, jornadas e experiências, habilidades, percepções e ideias. Compartilha competências interculturais e inovadoras com líderes vanguardistas fora da organização. Guia toda a organização para que então outros líderes sejam capazes de fazer o mesmo em suas áreas de influência e autoridade.”.

No Livro “Como ser um líder inclusivo”, de minha autoria, também abordo essa questão. Digo que o líder se torna inclusivo à medida que desenvolve habilidades como:

“Empatia – Capacidade inata ou aprendida de se colocar de forma profunda e verdadeira no lugar das outras pessoas, levando em consideração sua história de vida, sua vivência, suas características, de forma a gerar uma aproximação psicológica e emocional, com as mais variadas pessoas.

Diálogo – Capacidade de gerar conexões pautadas na escuta ativa e na compreensão do outro, por meio de uma interação de mão dupla na qual busca-se construir entendimentos, conhecimentos e ações pautados nas mais variadas perspectivas. Falar com intenção e escutar com atenção para construir ideias, famílias, empresas e sociedades.

Respeito a opiniões diferentes – A capacidade de respeitar as mais variadas opiniões. Escutar com atenção e ativamente e construir conhecimento conjunto.

Consciência dos nossos vieses – A capacidade de autoconhecimento, principalmente de perceber ‘o que pensamos’, ‘porque pensamos’, ‘como pensamos’. Ou seja, a ampliação do conhecimento sobre como tomamos decisões, naturalizadas socialmente, mas que na verdade são fruto de uma construção histórica e social ensinadas de geração para geração.

Prática constante – Capacidade de perseverar ao colocar novos comportamentos em prática.

Toda mudança – neste caso a prática da liderança inclusiva – requer novos comportamentos, habilidades e atitudes que deverão ser praticados dia após dia.”.

Veja, faz todo o sentido pensarmos na perspectiva da diversidade e inclusão como competências da liderança.

Lembremos que passamos por um ano no qual a temática da diversidade esteve em alta. Para a nossa tristeza, um dos principais impulsionadores do tema foi a morte de indivíduos negros. A discussão sobre o direito à vida.

No Brasil, mais recentemente tivemos o homicídio do João Alberto Silveira Freitas expondo a fragilidade das empresas em compreender e aprofundar uma gestão estrutural profunda em prol da valorização da diversidade.

E especificamente de avançar no enfretamento de problemáticas existentes nas temáticas de raça e etnia, gênero, LGBTQPIA+, pessoas com deficiência, renda, etc.

Muito além da comunicação, de firmar compromissos e de “sair bem na foto”, é fundamental que a liderança das empresas estabeleça metas de curto, médio e longo prazos, com indicadores que permitam acompanhar os seus avanços.

E mudar a perspectiva sobre diversidade, considerando esta como uma habilidade e competência imprescindível a ser desenvolvida com o público interno, é parte da solução do problema.

Certamente compartilhei aqui um bom miniguia de contribuições gerais para você que é presidente de empresa, líder de RH, gestor(a) de equipe, consultor(a) de diversidade e está pensando em como trazer a diversidade e inclusão para o cerne das habilidades que precisam ser desenvolvidas e cultivadas em suas equipes.

Lembro também que isso só será possível com esforço coordenado, métodos e processos. Mas, tenho certeza de que estamos aptos e que 2021 será um ano com narrativas e vivências muito mais inclusivas para todos.

* Liliane Rocha é CEO e Fundadora da Gestão Kairós, autora do livro Como ser um líder Inclusivo e premiada com o 101 Top Global Diversity and Inclusion Leaders por dois anos consecutivos (2019 e 2020).

Fonte: Arco W Comunicação e Design



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.