Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Do café à soja, uma Nação-moleque?

Do café à soja, uma Nação-moleque?

28/01/2018 Valdemir Pires

Em geral não é verdade histórica que os gastos do governo travam a economia no Brasil.

Uma série histórica longa, com dados cruzados do desenvolvimento nacional (taxa de crescimento do PIB e do emprego, situação das contas públicas, condições das contas externas, inflação etc.) pode confirmar o equívoco da afirmativa de que o Estado atrapalha a economia em casos como o nosso.

Essa afirmativa é, na verdade, um lugar-comum liberal-tupiniquim, contraído por conveniência ou preguiça, desprovido de fundamento teórico e empírico, no mais das vezes; não raro serve para esconder interesses que não podem vir a público.

Não obstante não se tenha, no país, governos dignos de elogio quanto à qualidade do gasto público, é mais comum que o travamento da economia, por aqui, resulte na interdição dos investimentos públicos, que costumam, em economias como as “emergentes” (antes “subdesenvolvidas”) melhorar o desempenho econômico e as expectativas dos agentes econômicos.

Faltando esses investimentos, o “mercado” (assim chamado, e entendido como ente abstrato) é incapaz de se virar sozinho, mesmo de mãos dadas com o “Mercado”, constituído pelos conglomerados industriais e financeiros que eventualmente para cá remetem seus capitais, produtivos ou especulativos, conforme as vantagens de cada momento.

Numa economia reflexo-condicionada dos mercados mundiais (principalmente financeiros e de commodities), que só recentemente adquiriu alguma autonomia, ainda rescendendo a café, as finanças públicas dependem do crescimento econômico e não o contrário: maior o crescimento do PIB, maior a arrecadação de tributos, maiores as possiblidades de gastos públicos, que, por sua vez, ampliam as possibilidades de crescimento.

Basta uma crise externa (como a do petróleo dos anos 1970, a da dívida nos anos 1980 e a atual, da especulação financeira global, iniciada em 2008) para que a bola de neve passe a rolar no sentido contrário, sufocando o desenvolvimento e, junto, as finanças públicas.

Por isso, é fundamental rechaçar a ideia, hoje esposada pelo governo federal e por grande parte das lideranças empresariais do país, com amplificação pelos meios de comunicação de massas, de que a origem de todos os males da atual crise está nos gastos públicos.

Pelo contrário, está na recusa em admitir o papel estratégico que o Estado tem para o futuro do país: definitivamente, tudo que concorrer para dificultar a retomada do crescimento (aí incluídas as políticas econômicas exclusivamente voltadas para o equilíbrio fiscal via cortes de gastos e/ou aumento de tributos regressivos) levará o Brasil para um atoleiro de onde terá muita dificuldade para sair.

A solução está, não se tenha dúvidas, num projeto de desenvolvimento nacional em que o Estado e as forças produtivas do país combinem estratégias, recursos e esforços para reencontrar o rumo e o ritmo de crescimento experimentado nos anos dourados de 2003 a 2010.

Nesse período foram aproveitadas oportunidades de crescimento oferecidas pela economia global e obtidos superávits fiscais (via aumento da arrecadação e não por meio de cortes de gastos) suficientes para honrar a dívida pública e, paralelamente, bancar políticas públicas de desconcentração de renda. Foi, esse sim, um “milagre econômico” – pela primeira vez a desconcentração de renda foi explícita e publicamente assumida, com impactos visíveis sobre a configuração de um amplo mercado interno, inclusivo.

Abandonar essa estratégia ante o primeiro “passa-moleque” de quem se sente ameaçado pelas novas possibilidades é atitude, de fato, de moleque. Nenhuma Nação-moleque sobreviverá às pressões globais, a não ser como quintal, repleto de senzalas ao redor de pouquíssimas casas-grandes, rescendendo a soja.

* Valdemir Pires é professor da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Araraquara.



O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves