Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Do varejo ao corporativo: o impacto do ambiente físico no crescimento das marcas

Do varejo ao corporativo: o impacto do ambiente físico no crescimento das marcas

07/07/2023 Gabriela Pavan

Que o comportamento do consumidor mudou após a pandemia, nós já sabemos. Ocorreram inúmeras alterações tanto nos hábitos de consumo, como na relação com os ambientes físicos.

Mas, afinal, quais rotinas foram transformadas? O que faz o cliente ir até a loja realizar uma compra, sabendo que pode efetuá-la em poucos cliques?

Como esse impacto é sentido no crescimento das empresas do varejo ao corporativo? Enfim, inúmeros são os questionamentos!

Fato é que, mapear essas mudanças e entender o que influencia no processo de compra é fundamental para as marcas desenvolverem novas estratégias e, consequentemente, permanecerem como protagonistas no mercado.

Inclusive, o retorno do crescimento das vendas nas lojas físicas em 2022, traz um ponto de atenção aos empreendedores brasileiros.

De acordo com o levantamento de Índices de Performance do Varejo, organizado pela HiPartners Capital & Work em parceria com a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), apenas no primeiro semestre de 2022, o faturamento das lojas físicas do país cresceu 22% em comparação a 2021.

Isto demonstra, sobretudo, o quanto o varejo físico ainda é consolidado como um meio de compra entre os consumidores, superando assim a expansão dos canais digitais, que explodiram durante a pandemia.

Logo, do varejo ao corporativo, existem alguns indicadores de consumo que impactam diretamente no crescimento das marcas, a partir do ambiente físico, como, por exemplo, o cruzamento cultural.

Afinal, a globalização tornou tudo mais acessível, possibilitando assim a introdução de elementos culturais, que fazem de um espaço mais do que uma loja, e sim um ponto de encontro e conversa.

A arquitetura sensorial nos projetos comerciais também conquistou um espacinho no varejo físico. Aliada ao omnichannel, que une o físico e o online, a nova estrutura das lojas requer experiências multissensoriais para os clientes.

Isto é, para ver, ouvir, tocar e sentir, os ambientes estão, aos poucos, sendo reestruturados com o objetivo de atrair leads, vender mais e, principalmente, se transformar em uma famosa “love brand” - marca amada pelo consumidor.

Capaz de armazenar uma memória por meio de experiências, a arquitetura sensorial aumenta as vendas em até 70%. E, aliado a isso, é possível unir tecnologia e natureza em ambientes imersivos e biofílicos.

Mas, afinal, como estas e muitas outras inovações tecnológicas se tornaram transformadoras? É simples: foi-se o tempo em que os ambientes físicos tinham apenas o objetivo de compra e venda!

Hoje, estudar o público-alvo, estabelecer relações mais próximas e transformá-las em experiência é fundamental.

Futurismo e renascimento podem, até mesmo, caminhar juntos no varejo. A premissa básica aqui é atrair o consumidor para o ambiente físico.

Ou seja, além do desconto ser maior e os itens terem mais variedade, a jornada de experiência do cliente, que nada mais é do que a assimilação que o consumidor faz com o espaço enquanto realiza suas compras, não tratando-se exclusivamente de produtos ou serviços, mas sim, de todo o conjunto, se tornou essencial.

Logo, os atendimentos exclusivos, a organização, juntamente das experiências multissensoriais e a limpeza, são insubstituíveis para compor uma jornada positiva e inesquecível de compra.

Claramente, não é algo fácil de se colocar em prática. Porém, quando alinhados à plataforma digital, há um crescimento significativo das vendas.

Por isso, sempre digo o quanto é importante, visualizar e conhecer todas estas mudanças, que vão e vêm com o passar dos anos, principalmente para marcas que desejam se manter protagonistas no mercado.

De fato, o futuro chegou, e estamos vivendo imersos nele. Pense nisso!

* Gabriela Pavan é Sócia-Diretora de Arquitetura e Retail Design da Enredo.

Para mais informações sobre varejo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: PiaR Group



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves