Portal O Debate
Grupo WhatsApp


E a Educação, como é que fica?

E a Educação, como é que fica?

12/07/2013 Floriano de Lima Nascimento

Qualquer pessoa medianamente instruída sabe que a Educação – assim mesmo com maiúsculas – é a base para o desenvolvimento pessoal e social.

É simples constatar-se esse fato; bastando para isso fazer algumas verificações: a primeira é a de que a escolaridade tem um papel preponderante no desenvolvimento social e econômico das pessoas.

Em qualquer comunidade as pessoas que estudaram mais – de preferência em boas escolas, conseguiram alcançar um melhor desenvolvimento intelectual e desenvolver a aptidão para compreender as coisas e obter as melhores colocações em empregos. Passam, sob todos os aspectos por uma transformação visível, que é percebida por todos os membros da comunidade a que pertencem.

Diante delas, abre-se normalmente um leque de oportunidades que leva necessariamente a uma vida bem sucedida.

“Obviedades”, deve estar murmurando o leitor deste comentário. Mesmo sendo óbvio este fato ainda foge à percepção de muitas pessoas que deveriam se comprometer para mudar o futuro de milhões de jovens que vivem em nosso país à margem de planos e programas capazes de lhes oferecer oportunidades intelectuais e qualificação profissional capazes de lhes abrir as portas para uma vida promissora.

Quem acompanha atentamente a trajetória sócio econômica do Brasil ainda se lembra de um tempo em que a educação era prioridade nacional, o que entusiasmou os jovens e os conduziu à escolas em busca de conhecimentos capazes de levá-los à emancipação intelectual e, por conseqüência, ao crescimento profissional. Isso aconteceu no final dos anos 60 e começo dos anos 70.

Por todos os lugares, viam-se jovens correndo às escolas, sonhando com um futuro melhor. Na época, falava-se muito no PREMEM, que era uma das portas para a emancipação dos jovens. Paralelamente a isso, havia as propostas de alfabetização de adultos, oriundos do clima reinante.

De repente, tudo acabou. A Democracia voltou a ocupar o lugar que lhe pertencia por direito, mas o entusiasmo educacional sumiu do dia para a noite. Sem a empolgação pelos estudos, diminuiu a esperança e acabaram as oportunidades.

Os jovens que, naquela época, entusiasmaram-se com os estudos, agora se comprazem nas passeatas como as que recentemente voltaram ao país – sem que as autoridades tenham se conscientizado de que isso aconteceu como resposta ao descaso e do abandono. Que se faça alguma coisa antes que seja tarde demais.



Entre a Pressa e a Preguiça

Quem já passou dos quarenta anos e viveu em algum canto do Brasil, experimentou, certamente, exercícios sistemáticos de paciência.



O “Golpe do WhatsApp” e o roubo da conta no aplicativo

Caso você seja vítima desse golpe, deve imediatamente entrar em contato com o WhatsApp para informar que alguém está utilizando a sua conta.


Reflexão sobre a democracia

Deambulava numa manhã de domingo, na Praça da Batalha, no Porto, quando perpassei por sujeito, elegantemente trajado: calça e casaco azul-marinho, camisa branca, gravata cinza.


Como não errar ao investir?

Muitas pessoas têm receio em falar sobre os seus investimentos, pois ainda é um grande tabu falar sobre dinheiro.


Para uma sociedade melhor

No tempo da minha juventude, conheci mocinha, de origem modesta, mas rica de inteligência, esperteza e perspicácia.


Fake (old) News

Tanto a existência das fake news quanto a expressão em si, já existem há muito tempo.


Por que os professores de Humanas são de “esquerda”?

Quero começar essa reflexão com uma resposta simples: não!


Como revestir a casa de forma prática e com menor custo

Nos últimos anos, uma das novidades de maior destaque se traduz no surgimento dos revestimentos inteligentes.


O livro e a cultura

29 de outubro é o Dia do Livro. 5 de novembro é o Dia da Cultura.


Os controversos e suas controvérsias

O ano de 2019 tem sido, sem dúvidas, muito fértil para os noticiários políticos internacionais.


A demora do Poder Legislativo em não regular a prisão em segunda instância

Os parlamentares federais são exclusivamente culpados por ter o STF procedido à revisão da prisão em segunda instância.