Portal O Debate
Grupo WhatsApp

É Carnaval!

É Carnaval!

13/02/2010

O Brasil vive um clima de festas e euforias neste mês de fevereiro. Afinal é Carnaval! Época de alegrias, festejos e de esquecer os problemas do nosso dia a dia.

 Porém, quantos sabem das origens do carnaval no mundo? A história do carnaval é ponto de discussão e não se sabe exatamente quando surgiu.

Alguns historiadores contam que no ano 10 mil a.C., homens e mulheres se reuniam uma vez ao ano com os rostos mascarados e pintados, e dançavam por vários dias e noites para espantar os demônios da má colheita. Há seis mil anos aparece no Egito, como um culto a deusa Ísis, e no século VII a.C., na Grécia, como uma festa a Dionísio, deus grego das festas e do entusiasmo.

Este mesmo deus é chamado de Baco em Roma, onde aparecem os bacanais, sempre celebrados com muita bebida, festas e sexo. Estas festas eram chamadas de "Saturnálias" em homenagem ao deus maior Saturno.   Amantes da folia, pesquisadores e historiadores dizem que a palavra carnaval vem desta época, devido ao "carrum navalis" que eram carros com motivos navais que faziam a abertura destas festas. Talvez os primeiros carros alegóricos da História. Nestas festas havia uma completa inversão e as pessoas representavam papéis e ridicularizavam a nobreza dominante sem o risco de perder suas cabeças.

Na mitologia, Momo era o deus da zombaria e tinha sido expulso do Olimpo porque ridicularizava os demais deuses. Nestas festas um escravo era eleito para simbolizar Momo. Ele era o rei do deboche e tinha todo o poder durante as festividades, só que no final da festa ele era morto e sacrificado ao rei Saturno.   Mais tarde, com o início da Era Cristã, começaram a surgir os primeiros sinais da censura a estas festividades, que passaram a ser vistas como demoníacas e correram o risco de acabar. A Igreja tentou cancelar as "Saturnálias", mas a reação popular foi tamanha que ela sentiu que poderia perder seus fiéis para os antigos deuses.

Em vista disto, no ano de 590, o papa Gregório I reconhece e regulamenta a festa. Ela é associada ao início da Quaresma, que antecede a Páscoa. Esta data passa a ser conhecida como "carne levandas", expressão que seria transformada em "carne levales" e, finalmente, "carnaval". Alguns traduzem esta expressão como "abuso da carne" e teria um sentido de orgia; outros dão o sentido de "comer bastante carne", pois após o carnaval começaria a Quaresma, onde por quarenta dias não se podia comer carne.   A Igreja passou a aceitar este curto período de festas e orgias como uma "despedida dos prazeres", pois assim podia cobrar maior rigor religioso no período pós-folia.Daí para frente o carnaval foi se alastrando pelo mundo e encontramos em Portugal, no século XV, a festa chamada "Entrudo", que significava a entrada da Quaresma.   Nos séculos XVII e XVIII vieram muitos portugueses para o Brasil e trouxeram as brincadeiras do "Entrudo". A brincadeira era andar pelas ruas e jogar água, bolinhas de cera cheias de perfume, farinha, barro, lixo e urina nas pessoas. No início do século XIX, a festa começou a mudar, com novos costumes trazidos pela corte portuguesa e o Brasil passou a copiar os elegantes carnavais da Europa, em particular de Veneza, famosos por seus bailes de máscaras e fantasias.   Nesta época tínhamos os bailes de carnaval da aristocracia nos moldes da Europa e o carnaval de rua na tradição do "Entrudo", que passou a ser conhecido como o carnaval dos pobres, sendo feio e de mau gosto aos olhos da aristocracia. Com o tempo, este carnaval dos pobres foi se organizando e conquistando a simpatia de toda a sociedade, até de intelectuais e artistas, que passaram a freqüentá-lo nas ruas.   Em 1899 a pianista Chiquinha Gonzaga inaugura a prática de composições feitas especialmente para o carnaval com a marchinha "Ô abre alas". Mais tarde, o próprio presidente Getúlio Vargas, preocupado em demonstrar interesse pelos pobres, deu início a uma estruturação melhor do carnaval de rua que hoje é considerado a maior festa popular do Brasil.   Uma das muitas curiosidades é que durante a morte do Barão do Rio Branco no carnaval de 1912, o governo quis cancelar as festas e adiá-la por dois meses em sinal de luto. O resultado é que neste ano tivemos dois carnavais: um em Fevereiro e outro em Abril. Este mesmo barão disse certa vez: "Existem no Brasil, apenas duas coisas realmente organizadas: a desordem e o carnaval."   Talvez ele tivesse razão, pois quem assiste hoje a um desfile de carnaval no Rio de Janeiro ou qualquer outra grande cidade brasileira, não consegue imaginar como é possível tamanha organização e trabalho bem feito, coisas tão raras em outras áreas do nosso país.   É um espetáculo! É Carnaval!   * Célio Pezza é escritor, mas tem sua formação acadêmica em Química e Administração de Empresas.    Fonte: Ralcoh



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann