Portal O Debate
Grupo WhatsApp


E o cartão caminhoneiro?

E o cartão caminhoneiro?

27/09/2019 Leide Albergoni

O objetivo é proteger os caminhoneiros da oscilação diária no preço do diesel, durante um serviço de frete.

O cartão caminhoneiro, anunciado pela Petrobras em março e confirmado pelo presidente Jair Bolsonaro, tem como objetivo proteger os caminhoneiros da oscilação diária no preço do diesel, durante um serviço de frete.

Segundo a proposta, o caminhoneiro carrega o cartão antes da viagem pelo preço do diesel do dia e abastece o veículo durante a viagem com o saldo de litros de combustível carregado no cartão.

O cartão é válido somente nos postos BR, mas parece uma solução interessante e viável. Sem o tradicional protecionismo histórico que distorce preços relativos, não se vê objeções à medida, nem mesmo as irracionais.

Até em economias de livre mercado (que não é o caso do Brasil), a compra da matéria-prima antes do início do processo de produção é uma estratégia das empresas para maximizar lucros e se precaver da variação brusca no custo dos insumos.

Esse método é útil para matéria-prima com alta volatilidade de preços, como é o caso do combustível, especialmente quando o preço do produto com o consumidor final é definido antes de sua produção.

Quando isso é possível, as empresas adquirem o insumo e o estocam para utilizar durante o processo de produção. No caso do combustível, não é possível fazer o estoque físico do produto em viagem, pois a capacidade do tanque é limitada e são necessários vários abastecimentos em uma viagem que atravesse um estado, por exemplo.

A compra de “créditos” de litros de combustível é a forma mais viável de realizar essa antecipação de custos.

O que é novidade para o setor de transporte é história milenar na agricultura. O mercado futuro é a via utilizada pelos produtores agrícolas e pelos compradores de insumos para se precaver de oscilações no preço de grãos e outras commodities.

A operação é um pouco mais ampla que a proposta para os caminhoneiros, já que os agricultores podem prometer a venda de sua colheita no momento do plantio, a partir de um preço que seja possível cobrir os custos da produção.

Se no momento da colheita o preço for superior ao acordado, o agricultor ganha um pouco menos do que o valor de mercado, porém, o suficiente para cobrir seus custos e gerar seu lucro.

Se o preço for inferior ao do contrato, ele se protegeu do prejuízo. O mesmo raciocínio vale ao comprador da matéria-prima.

No meio desses agentes, surgiram os intermediários (traders), que assumem riscos para ganhar algum dinheiro com especulações sobre o preço futuro - e que acumulam históricos de crises e bolhas especulativas.

Na definição das regras do cartão combustível, é necessário que sejam estabelecidos mecanismos para evitar esse tipo de “intermediação” e especulação, pois uma medida que parece razoavelmente racional pode se transformar em “oportunidade” de negócios a outros atores, que não os próprios caminhoneiros e empresas de transporte.

Ainda que não solucione por completo o problema logístico do Brasil, a previsibilidade de custos para definição do preço do frete é uma gota de esperança para o imbróglio que se tornou o setor de transporte rodoviário de cargas.

* Leide Albergoni é autora do livro Introdução à Economia – Aplicações no Cotidiano e professora da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.