Portal O Debate
Grupo WhatsApp

É preciso acreditar, e trabalhar

É preciso acreditar, e trabalhar

16/01/2013 Glauco Pinheiro da Cruz

Fazer o país crescer, preservando empregos e renda, é o grande desafio de cada um de nós em 2013. Passadas as festas do final do ano, é hora de colocar as duas mãos na massa, sem levar em consideração o slogan de que o país somente costuma voltar ao normal após o Carnaval – neste ano, 12 de fevereiro.

Não há tempo a perder. Governo, empresários e trabalhadores precisam acreditar que é possível, sim, reverter as expectativas um tanto pessimistas em relação ao crescimento do PIB, que ficou abaixo do esperado em 2012. Basta que cada um faça a sua parte e que os médios grandes empresários mergulhem nessa empreitada, seguindo o exemplo dos empreendedores que estão à frente das mais de 6 milhões de micros e pequenas empresas, responsáveis pela maior parte das contratações e manutenção do emprego, como ocorreu em 2012.

Acreditar e trabalhar. Esse é o caminho. Do governo e seus agentes, além do otimismo que a presidente Dilma tenta passar, se espera mais seriedade e controle nos gastos, uma máquina estatal mais enxuta e sem empreguismo, mais empenho na execução das grandes obras de infraestrutura programadas, além de empenho nas reformas mais urgentes, como a tributária, a trabalhista e da Previdência.

E tudo isso acompanhado de tolerância zero à corrupção, uma praga que insiste em sobreviver no meio político e econômico. Do Poder Legislativo se esperam menos polêmicas indigestas para a maioria da Nação e mais compromisso com as reformas e na busca de soluções para os grandes problemas do país, seja na área econômica, política, educacional, da saúde etc., seja na defesa das minorias e dos mais necessitados.

É um tanto frustrante vermos nossos parlamentares transformados em meros debatedores de Medidas Provisórias baixadas pelo Executivo. Neste início de ano, antes mesmo da retomada das atividades parlamentares em 4 de fevereiro, já são sete as MPs à espera de análise por comissões mistas da Câmara e Senado.

E há ainda outras seis MPs (598 a 602) que sequer foram lidas em Plenário. Dos grandes, médios, pequenos e micro empresários espera-se arrojo para investir e criar empregos. A presidente Dilma já deu provas de que está empenhada nessa empreitada, ao adotar a desoneração da folha de pagamentos e a redução de impostos, como o IPI, para setores de grande potencial de geração de empregos.

Mas, se as grandes e médias empresas são responsáveis pela maioria dos empregos e pelo grosso da massa salarial, não se pode ignorar a força das pequenas empresas e das micros, com até quatro empregados, especialmente em tempos de crise. As MPEs responderam pela maioria das contratações de janeiro até o final de novembro de 2012 - nada menos do que 1,13 milhão, contra 286 mil postos preenchidos por grandes e médias empresas.

Somente em novembro passado, por exemplo, as MPEs fizeram 90.950 contratações, contra 44.855 demissões pelas grandes e médias, ficando as MPEs responsáveis pelo salto positivo do emprego no mês. Além da melhor preparação dos empreendedores, que veem no próprio negócio mais uma oportunidade do que uma necessidade, o avanço das MPEs, que são hoje 99% do total de empresas do país, também se deve ao apoio de programas como o MEI (Microempreeendedor Individual) e Simples Nacional, que facilitam a formalização e reduzem o cipoal tributário, além do Refis, que facilita a renegociação de tributos devidos.

Se cada um de nós - não importa se professor, cientista ou médico; político, servidor público ou juiz; empregado ou profissional liberal; dono de empresa ou trabalhador do campo – fizer a sua parte, acreditar e trabalhar com seriedade e honestidade, o Brasil com certeza chegará ao final do ano mais rico, mais bonito e mais justo.

*Glauco Pinheiro da Cruz é consultor e diretor do Grupo Candinho Assessoria Contábil.



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes