Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação alimentar na infância: dicas para pais e professores

Educação alimentar na infância: dicas para pais e professores

05/04/2012 Cristiane Ferreira

Os médicos recomendam que até os seis meses de idade a criança seja amamentada pela mãe.

Porém, após esse período, a introdução de novos alimentos e a aquisição de hábitos alimentares saudáveis nem sempre é fácil. Por isso, é necessário que escola e família trabalhem em conjunto para desenvolver um programa de educação alimentar para bebês e crianças pequenas. Para a educação alimentar ser eficiente, não se deve falar de comida apenas no momento das refeições. Essa conversa deve fazer parte da rotina da criança, em casa e na escola.

Nas escolas de educação infantil, os itens que compõem o cardápio são selecionados por nutricionistas e o preparo dos alimentos deve ser realizado por equipe especializada, dentro de cozinha adequada para esse fim. Professores e berçaristas não participam dessa preparação, mas apenas do momento de servir as refeições, pois é uma atividade pedagógica na qual a criança “aprende” a se alimentar. Em casa, a alimentação das crianças deve seguir orientação de pediatra ou nutricionista e ser preparada observando-se os cuidados com a higiene. A estimulação do paladar começa ainda bebê e, a introdução de alimentos mais sólidos, deve ser feita de forma gradual.

Isso é geralmente acompanhado por médicos e nutricionistas, que são os profissionais mais preparados para essa tarefa. Variedade de alimentos também é importante, porém, é preciso dar certo tempo para que o bebê se acostume com um alimento antes de introduzir outro. Exemplo: se está sendo servida batata amassada ao bebê, é recomendável que se introduza chuchu amassado somente na semana seguinte, para que o paladar consiga se adaptar e distinguir um alimento de outro. Os profissionais que trabalham na escola devem sempre observar as recomendações da família e da equipe que também cuida do bebê (pediatras, nutricionistas, equipe pedagógica da escola, etc.).

Não é recomendado inserir alimentos novos por conta própria. Já para as crianças maiores, vale dizer que o momento das refeições não deve, de forma alguma, ser traumatizante. É sabido que há crianças que têm dificuldades para comer, pois rejeitam tudo e ficam muito tempo sem alimento. Diante de um caso desses, não é recomendado obrigar a criança comer, “forçando” a entrada da colher em sua boca. Isso pode traumatizá-la e fazer com que ela sinta ânsia.

Recusar alimentos pode ser mais do que um “charme” para chamar atenção. Pode ser sintoma de algo mais sério (algumas doenças podem diminuir o apetite). E, mesmo que a criança não coma para chamar a atenção dos adultos, é porque ela está precisando de atenção e é necessário investigar os motivos. Se a criança tem dificuldade para comer, isso deve ser trabalhado em casa e também na escola. Os pais podem levar esse assunto para os professores abordarem na sala de aula.

Quando escola e família têm o mesmo discurso, a criança sente-se mais confiante. Há casos que será necessária a intervenção de profissional especializado (psicólogo, médico, nutricionista), pois a criança não pode ficar sem comer. Deixar uma criança sem se alimentar pode ter consequências graves para sua saúde. Também não se deve obrigar a criança a comer algum alimento que não goste. Se nós, adultos, temos nossas preferências, por que as crianças também não podem ter?

O momento da refeição deve ser tranquilo. Não é aconselhável alimentar uma criança que está em pé. Ela precisa estar confortavelmente sentada e a hora da refeição deve ser exclusiva. Existem pais que têm o hábito de colocar comida na boca da criança enquanto a mesma brinca. Então, ela sai andando e o adulto fica indo atrás, com o prato na mão. Isso é totalmente inadequado, pois a criança divide a atenção que deveria dar à refeição com outras atividades, além de não desenvolver sua autonomia para comer, uma vez que o adulto é quem está lhe servindo.

Algumas dicas importantes:

- Pais e professores podem programar atividades divertidas com seus filhos/alunos usando frutas e legumes, como um piquenique de frutas, teatrinho de legumes, sucos malucos. - Preparem pratos coloridos, chamativos, componham figuras de animais e carinhas felizes usando os alimentos. - Convidem os amiguinhos das crianças para as refeições e sirva comidas saudáveis.  Comer pode ser muito divertido e saudável!

* Cristiane Ferreira é Psicopedagoga.



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes