Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação, caminho certo para a paz

Educação, caminho certo para a paz

18/09/2012 Abraham Goldstein

As exigências da dinâmica da sociedade, influenciando as atividades das familias, fez com que o papel do educador se tornasse cada vez mais importante no processo de formação de crianças e jovens, tanto de escolas públicas quanto privadas.

Por isso, além de construir as bases do conhecimento, os educadores têm hoje a tarefa fundamental de ajudar a formar cidadãos éticos, comprometidos com a defesa dos Direitos Humanos, a promoção da Justiça Social e dos valores democráticos.

Tal tarefa se torna mais difícil quando se verifica o aumento da violência, particularmente dos crimes raciais e de intolerância. Somente no estado de São Paulo, entre janeiro e agosto deste ano, foram lavrados mais de 400 boletins de ocorrência na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), unidade da Polícia Civil criada em 2006 especialmente para investigar esse tipo de crime.

Outras inúmeras ocorrências decorrentes dessas práticas intolerantes surgem diariamente, mas não viram estatísticas porque as vítimas preferem não registrar denúncia. Para coibir esses crimes bárbaros, há apenas duas formas de atuação. A primeira é o alerta constante, não só das autoridades do governo, mas da sociedade como um todo, que deve sim recorrer às denúncias como forma de proteger cidadãos ameaçados pela violência de indivíduos, gangues ou grupos organizados.

A segunda forma de atuação, que também envolve toda a sociedade, é obtida por meio de um intenso, consistente e longo trabalho de educação para a cultura de paz. Esse processo deve começar desde cedo, ensinando-se às crianças que pessoas diferentes, com crenças e costumes diversos, podem e devem conviver harmoniosamente em um mesmo lugar.

E aí entra o papel fundamental do educador, que tem como desafio passar esses valores em sala de aula de modo que os alunos efetivamente os absorvam e pratiquem. Algumas entidades da sociedade civil comprometidas com os Direitos Humanos realizam importante trabalho de auxílio nesse processo de educação, como a B’nai B’rith (Filhos da Aliança, em hebraico), que atua há 80 anos no Brasil e em mais de 50 países há quase 170 anos.

No último dia 25 de agosto, a entidade realizou a Jornada “Intolerância em Tempos de Nazismo – da Exclusão à Solução Final”, que reuniu cerca de mil educadores da rede pública de ensino em São Paulo. O objetivo foi mostrar a eles estratégias pedagógicas para abordar questões ligadas ao racismo, à intolerância e à convivência na diversidade, tendo o Holocausto como referência.

Em parceria com o Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação da Universidade de São Paulo (LEER – USP) e com o ARQSHOAH, departamento desse laboratório, o evento mostrou como a multidisciplinaridade – por meio da ciência e da arte – pode ajudar no processo educacional, fazendo com que desde cedo, crianças e jovens aprendam e disseminem valores humanistas e democráticos. A iniciativa da entidade foi de grande ajuda, mas não se restringe à Jornada.

Até o final de 2012, a B’nai, novamente em parceria com o LEER – USP, lançará o Instituto Shoah de Direitos Humanos (ISDH), que servirá como fonte de conhecimento e de auxílio no processo de educação e construção da cultura de paz. Com vasto material, o ISDH estará à disposição não apenas a educadores e seus alunos, mas também para juristas, formadores de opinião e pela sociedade civil em geral.

O acervo permitirá o compartilhamento de experiências, incluindo o registro das vivências de sobreviventes do Holocausto que escolheram o Brasil como sua pátria. Com estratégias multidisciplinares, o instituto atuará na conscientização da população sobre os perigos da proliferação de ideais racistas, discriminatórios e intolerantes.

A tolerância é uma virtude essencial das sociedades democráticas. A coexistência pacífica entre diferentes pessoas, povos, religiões e culturas só será possível quando cada ser nesse mundo tiver incorporado, em sua essência, o conceito de cultura de paz e os valores universais dos Direitos Humanos.

E isso só será possível com a participação ativa da escola, seus educadores e das famílias. Assim, no futuro, quem sabe a intolerância se torne apenas uma trágica lembrança da história humana.

Abraham Goldstein é presidente da B’nai B’rith no Brasil.



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins