Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ejaculação precoce: falta de controle ou de conhecimento?

Ejaculação precoce: falta de controle ou de conhecimento?

23/07/2011 Maria Cristina Romualdo Galati

A ejaculação precoce vem sendo estudada há muitas décadas. Vários pesquisadores procuram, desde então, explicar o que acontece com o homem que não consegue um controle satisfatório sobre sua ejaculação, mas até hoje não se chegou a uma definição amplamente aceita.

Atualmente, a conceituação mais utilizada é a que apresenta essa disfunção como “ejaculação persistente ou recorrente com estimulação sexual mínimaantes, durante ou logo depois da penetração e antes que o homem a deseje” (APA, 1995). Contudo, por utilizar critérios de difícil mensuração, pois dependem das percepções subjetivas, tanto do tempo quanto da satisfação sexual relatadas pelo próprio homem ou por sua parceira, não auxiliam no diagnóstico preciso dessa problemática sexual. As causas da ejaculação precoce são, em sua imensa maioria, de origem psicológica. Entre elas podemos citar a falta de informações claras e objetivas sobre funcionamento sexual, originando uma série de falsas concepções sobre a sexualidade e expectativas inatingíveis sobre o desempenho masculino.

Homens que temem o fracasso sexual, que apresentam ansiedade quanto ao seu desempenho e temem as conseqüências negativas, caso não desempenhem o papel que julgam ser adequado podem ter dificuldades para o controle da ejaculação. Aliado a isto, as recentes mudanças culturais, notadamente, no que se refere aos papéis sexuais masculinos e femininos, ainda não foram completamente assimiladas. O comportamento sexual anterior foi questionado e não serve mais,contudo um novo padrão não foi estabelecido e homens e mulheres não sabem como devem se comportar sexualmente, o que traz insegurança frente ao outro, durante o encontro sexual.

Tal situação pode ser diferente de acordo com o tipo de vínculo que o vivido. Homens que não tem parceiras fixas podem apresentar ansiedade diante do desconhecido, por não saberem quais as expectativas de sua nova parceira sobre a relação sexual. Isso pode gerar ansiedade frente ao seu próprio desempenho e desencadear a ejaculação precoce. Em relacionamentos estáveis, quando questões associadas ao vínculo conjugal são a causa ou o agente mantenedor dessa disfunção é imprescindível que o casal seja tratado, pois somente com o tratamento de ambos, a problemática sexual poderá ser sanada.

Muitos profissionais da área da sexualidade afirmam que a falta de controle ejaculatório de um adolescente não pode ser diagnosticada como uma disfunção, pois está associado às características inerentes dessa fase do desenvolvimento, ou seja, a inexperiência, imaturidade e uma grande energia sexual. Nessa fase, a masturbação é uma prática muito comum, como uma forma de dar vazão ao impulso sexual, à descoberta tanto das sensações de prazer que o corpo propicia, tanto quanto do desejo sexual.

Para alguns estudiosos, a masturbação pode, dependendo de como é ou foi praticada, levar o homem a apresentar tal disfunção. Por outro lado, quando o homem se permite,através da masturbação, conhecer seu próprio corpo, como ele reage à estimulação sexual, como ocorre o processo de excitação, ele poderá utilizar tal conhecimento a seu favor, ou seja, aprendendo a controlar suas reações, de sua excitação e, consequentemente, ter controle de sua ejaculação podendo usufruir do prazer desencadeado pela mesma.

Maria Cristina Romualdo Galati* é psicóloga, terapeuta sexual e supervisora do Instituto Kaplan.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.