Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Eleições e Economia

Eleições e Economia

26/02/2018 Valdemir Pires

A economia brasileira funciona aos surtos, seguindo a oscilação das ondas da economia mundial.

Dos anos 1950 aos anos 1970, o planejamento econômico de caráter estratégico (no sentido militar do termo) e desenvolvimentista (no sentido cepalino da expressão) foi assumido pelos sucessivos governos, no Brasil, desde o terceiro Vargas (“democrático”) até o auge do regime militar.

O mote era crescer sob impulso estatal e garantir a soberania nacional, mesmo que sob o guarda-chuva americano, ostensivamente anti-planificação, em confronto com o modelo soviético. Deu em, primeiro, crescer, para depois distribuir (quando possível), o crescimento, de fato, interrompido pelas crises do petróleo (1973 e 1979) e pela crise da dívida externa (anos 1980), sem tempo para qualquer iniciativa pela desconcentração da riqueza e da renda.

O fraco desempenho econômico pós-milagre, sob regime autoritário, levou à queda dos militares golpistas, retornando o país à democracia, mas amargando uma crise econômica prolongada, caracterizada por desemprego e inflação.

Os anos 1980 e 1990 foram décadas perdidas, sobrando um naco bom dos 90: o fim da hiperinflação, por meio de uma política econômica que levou à explosão da dívida pública interna.

Nos anos 2000, graças ao bom desempenho da economia mundial (beneficiando setores produtivos favoráveis à estrutura produtiva brasileira) e a uma atuação governamental que combinou estabilização fiscal com políticas sociais (distribuir para crescer, ao contrário da experiência do “milagre econômico”), a década foi de bons resultados, até um pouco depois do estouro da bolha especulativa do mercado financeiro internacional, em 2008.

A era das “políticas públicas” (anos 2000), assim como a era do “planejamento econômico” (1960-1970), terminou nos no início dos anos 2010. Assim funciona a economia brasileira: aos surtos, seguindo a oscilação das ondas da economia mundial, hoje dita global.

Destrava ou trava conforme o nível de liquidez do sistema, controlado pelas forças especulativas globais. Sempre paga, na onda depressiva seguinte, um preço alto pelas ousadias do boom anterior.

A política econômica (curto prazo) e a política de desenvolvimento (longo prazo) são sempre reféns de movimentos pendulares, entre mais Estado e menos Estado na economia. 2018 é um ano de disputa eleitoral que será marcado fortemente por esse movimento pendular, de cunho ideológico.

Um governo ilegítimo optou por um recuo amplo e acelerado da atuação econômica estatal, tanto no âmbito social como no produtivo; disse um peremptório não ao “planejamento econômico” e às “políticas públicas”.

O fôlego dessa opção será testado, juntamente com a capacidade de decidir e de agir de seus protagonistas, finalmente frente a frente com os eleitores. Espera-se.

* Valdemir Pires é professor da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Araraquara.



Empatia – Uma competência no combate à intolerância

Tolerar é agir com respeito, com aceitação e com apreço pela diversidade em todos seus âmbitos.


As quatro mortes e o suicídio

Entre 2007 e 2016, quase 110 mil pessoas tiraram a própria vida no Brasil, mostra relatória da OMS


Aloha presidente Bolsonaro

É fato que em um regime político democrático como o nosso o governante não governa sozinho.


Obra parada, desperdício certo

A falta de recursos financeiros para investimento em empreendimentos tem dominado o panorama do setor público brasileiro.


Resvalando para o abismo

Andamos, todos, mergulhados em profundo sono, cujos sonhos, nos iludem, e narcotiza.


O que o Brasil não é

Ninguém detém o monopólio da verdade. Logo, o debate deve ser cultivado, pois é fonte de aprendizado.


Tiradentes: por que ele é o herói da Inconfidência?

Nesse domingo (21/04), comemora-se o Dia de Tiradentes, o mértir do povo brasileiro


Feliz Páscoa, principalmente às pessoas que sofrem

Uma vez por ano, a propaganda comercial nos faz recordar que a Páscoa está chegando.


Ter nome, é o que interessa

Naquele fim de tarde de Verão, de 1971, estava na livraria Figueirinhas, na companhia de meu pai, folheando as últimas novidades, expostas nos escaparates.


A União Fraternal

Sob qualquer aspecto – material ou espiritual – a união fraternal é o sonho que transcende a alma humana.


O outro lado do balcão

O assunto do dia, quando se fala em atendimento e qualidade de vida ao cidadão, é a Telemedicina.


Ensino religioso em 2019? Para quê?

Escolas Católicas têm em sua essência um trabalho que privilegia a formação humana.