Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empreendedorismo social não é filantropia

Empreendedorismo social não é filantropia

09/01/2012 Erik Nakandakare

Confundir empreendedorismo social com filantropia é mais comum do que se imagina. O conceito é bastante utilizado fora do Brasil, mas ainda pouco difundido aqui. Avaliar o que já foi feito nos faz crer que é possível pensar no próximo, agir de forma consciente e direcionar nossas atitudes de forma benéfica.

Porque mais do que pensar em lucro e dinheiro, empresários procuram se orientar por um propósito maior, o bem do próximo. Recentemente, ao participar do One Young World, conheci de perto o trabalho de Muhammad Yunus. O economista, ganhador do Prêmio Nobel da Paz, fundou o Banco Grameen e empresta dinheiro, sem garantias, para a população de Bangladesh, tendo o vizinho do solicitante o credor da dívida. À primeira vista o espanto é geral! Quem seria ‘louco’ o suficiente para emprestar dinheiro assim? Os resultados surpreendem. O banco tem taxa de recuperação de 98,85%. O saldo positivo faz com que o empreendedor faça planos de expandir a atuação para outros países. Yunus frisa que não faz caridade, mas sim social business.

Esse exemplo ilustra que o papel da empresa vai além da lucratividade. Alguns podem até se perguntar: “mas o que ele ou outros empresários fazem não é filantropia?” A resposta é não, pois os verdadeiros empreendedores sociais têm como principal motivação transformar a vida das pessoas. Há diversos empreendedores investindo em ações sociais. Outro exemplo é Bill Gates, criador da Microsoft, que fez por muitos anos filantropia e hoje é visto como um expoente do empreendedorismo social, já que a fundação Bill & Melinda Gates vem provocando grandes mudanças na saúde pública nos EUA. Analisando outros empreendedores, Warren Buffet, presidente do conselho de administração da Berkshire Hathaway, é um exemplo de filantropo. Com uma fortuna avaliada em US$ 58 bilhões, Buffet investe em bons projetos e se comprometeu publicamente a doar 99% de sua fortuna para instituições de caridade quando morrer.

O que podemos concluir é que em um mundo globalizado no qual as riquezas são centralizadas, os empreendedores que se preocupam com o próximo e têm consciência do quanto “investir” nesse negócio pode ser recompensador, pois a sua ideia como empreendedor pode fazer a diferença.

Erik Nakandakare* é gerente comercial da Arizona (empresa de Premedia que oferece serviços e soluções integradas para comunicação, proporcionando eficiência operacional para o marketing de empresas e agências de publicidade).



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins