Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empresas Low Cost na aviação brasileira

Empresas Low Cost na aviação brasileira

16/09/2018 Fábio Augusto Jacob

Porque não podemos usufruir de passagens aéreas baratas, como em outros países?

Muito se tem falado recentemente sobre o custo das passagens aéreas no Brasil – e o maior questionamento é quando as passagens reduzirão. Nesse contexto, a operação das empresas aéreas Low Cost (baixo custo) é sempre lembrada. Afinal, se em outros países existem passagens aéreas muito baratas, porque em nosso país não podemos também usufruir dessas vantagens?

Primeiramente, temos que definir o que é uma empresa aérea Low Cost. O conceito foi criado a partir da busca por redução do custo de operação feito por algumas empresas aéreas, além das medidas usuais, e que propuseram cortes em serviços que tradicionalmente eram conhecidos como normais e obrigatórios nos voos.

A primeira grande empresa a procurar esse tipo de operação foi a norte-americana Southwest, há cerca de vinte anos. Essa empresa buscou diversas medidas inéditas de economia, que depois se tornaram parte das operações hoje conhecidas como Low Cost.

Algumas dessas medidas foram: evitar os grandes aeroportos, procurando utilizar aqueles com taxas de operação mais baixas, normalmente nas cercanias das principais cidades; padronização da frota de aeronaves, reduzindo a logística de manutenção e treinamento de tripulantes; colocação de classe única nos aviões, econômica, que permite maior quantidade de lugares a bordo; e redução, cobrança à parte ou eliminação do serviço de bordo, no que se refere à alimentação.

Outra medida, muito conhecida para nós brasileiros e autorizada recentemente pela Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC, foi o pagamento pela bagagem despachada, tendo franquia apenas naquela levada na mão pelo passageiro.

Mais recentemente, favorecido pelo avanço da internet e das tecnologias portáteis, foi incorporado também o autoatendimento como fator de economia e redução de custos, pois os próprios passageiros fazem sua reserva e o check-in, com a consequente redução do número de funcionários nestas atividades nas empresas aéreas.

Essas e outras restrições nos serviços oferecidos pelas empresas aéreas resultaram, na Europa e nos Estados Unidos, em uma redução significativa no preço das passagens aéreas, e se tornaram conhecidas como operações Low Cost. Serviço especialmente interessante para os passageiros regulares e que não exigem tratamento diferenciado.

As principais Low Cost europeias, como a Ryanair, a Airberlin e a Easyjet, oferecem passagens a partir de 30 Euros para voos de cerca de 1 hora. No Brasil, no período de 2002 a 2017, houve uma expressiva redução do preço das passagens. O valor médio encontrado em 2002 foi de R$ 670,00 e, em 2017, passou para R$ 249,00, descontada a inflação. É uma redução média superior a 60% no valor das passagens. Ainda assim, muito acima do valor apresentado pelas Low Cost estrangeiras.

Nem mesmo a autorização da ANAC para que as empresas aéreas passassem a cobrar pelas bagagens despachadas ajudou muito, ao menos até agora. Quem viaja de avião percebeu, certamente, a mudança de comportamento dos passageiros, que agora procuram levar a bagagem para dentro do avião, sem despachar, fugindo assim do pagamento da bagagem despachada.

Esse movimento era esperado e, com ele, abriu-se a possibilidade de as empresas terem mais espaço livre nos porões dos aviões para transporte de carga, levando à possível redução no preço das passagens aéreas. De todo modo, como essas medidas são muito recentes, é cedo para que se possa avaliar os resultados. Mas, por enquanto, os indicadores não têm sido favoráveis aos passageiros.

Diante das dificuldades das empresas nacionais, a ANAC recentemente autorizou a Low Cost europeia Norwegian Air, a operar voos entre o Brasil e a Europa. Além dela, ainda existem 5 Low Cost argentinas solicitando operar linhas entre o Brasil e nosso vizinho. Se é um modelo que se encontra globalizado, por que não temos empresas Low Cost voando aqui?

A resposta indica várias causas. Seguindo as características apresentadas pelas Low Cost estrangeiras, observa-se que, além de operarem em longas distâncias no país, não se encontram opções de aeroportos nas proximidades das principais cidades. Na realidade, há uma carência de bons aeroportos no interior do país. E esses aeroportos seriam os principais candidatos às operações, devido às baixas tarifas.

Quanto à padronização da frota, percebe-se que já há essa padronização. Mas, para rotas mais longas, as empresas se obrigam a utilizar aeronaves maiores, saindo do critério ideal de Low Cost - o que vale também quanto à unificação da classe interna, que já é observada nos voos de menor duração, aumentando o número de lugares disponíveis em cada aeronave.

Observa-se também a simplificação do serviço de bordo, sendo refeições oferecidas apenas em voos de longa duração, especialmente internacionais. Assim, como nossas empresas têm voos de curta e longa duração, fica difícil adotar operações genuínas Low Cost.

Essas dificuldades explicam, ao menos em parte, por que ainda não temos verdadeiras Low Cost operando no Brasil. Ainda que o custo das passagens tenha se reduzido, refletindo em um aumento no número de passageiros num período de médio prazo, continuamos sem este tipo de empresa operando no país.

A outra parte da resposta é bem conhecida dos brasileiros: extensa tributação, taxas, tarifas, legislação restritiva e, também (por que não?), falta de infraestrutura e de incentivos para o desenvolvimento de novos destinos a preços acessíveis. Vamos acompanhar para ver como as estrangeiras se saem por aqui.

* Fábio Augusto Jacob é oficial aviador da reserva da Força Aérea Brasileira, coordenador e professor da Academia de Ciências Aeronáuticas Positivo (ACAP), da Universidade Positivo (UP), em Curitiba/PR.

Fonte: Central Press



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.