Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empresas tipo prostitutas

Empresas tipo prostitutas

30/04/2013 Paulo Ricardo Mubarack

Escrevi um artigo sobre o mau uso dos indicadores de desempenho, a arrogância da diretoria ao não admitir o grave problema de insubordinação dos gestores por não querer usar indicadores e sobre a covardia de todos ao tolerar tal situação.

Dois dias após a publicação deste texto no meu site, fui interpelado por um dos acionistas, irritado com meu texto, alegando que havia escrito este artigo direcionado para sua empresa. Meu argumento foi simples: não escrevi e nunca escrevo um artigo direcionado para qualquer empresa em especial e disse para ele: “vocês cometem todos os erros possíveis, desta forma qualquer artigo que eu escrever vai parecer ser estar direcionado para vocês”.

Existe um grupo de empresas, normalmente com receita bruta anual entre 200 milhões e um bilhão de reais e que nunca implantaram um sistema integrado de gestão. Têm áreas fraquíssimas de RH, comando fraco na direção, um conselho de administração decorativo e meritocracia inexistente. Como não possuem método gerencial, cometem igualmente os mesmos erros:

1º) Não implementam, como já mencionei, um sistema integrado. A empresa é um conjunto estropiado de ferramentas boas, caras e que não produzem resultados em função da desordem com que são implantadas.

2º) Contratam consultorias de primeira linha e conseguem resultados pobres pela desordem nos pensamentos internos sobre gestão.

3º) Treinam pouco seus profissionais, desenvolvem ninguém e buscam no mercado gerentes, diretores e até o presidente. São empresas “tipo prostitutas”, pois passam de mão em mão, onde presidentes e diretores aventureiros, contratados a peso de ouro, vêm fazer suas experiências medíocres.

4º) Sempre há um acionista com “o pulo do gato” na manga. Ora é um novo método espetacular que vai salvar a empresa, ora é um software bacanérrimo que vai ajudar, ora é um executivo de luxo que será o salvador da pátria.

5º) Não cuidam do caixa. Investem mal, endividam-se e discutem besteiras, enquanto “o pau come” no chão da fábrica e no péssimo atendimento aos clientes.

6º) São adoradas pelos concorrentes. Preciso dizer por quê?

7º) São adoradas pelos fornecedores. Gastam fortunas com os “milagres” e consultores, escritórios de advocacia e outros prestadores de serviço amam tais empresas. Tanto quanto se ama uma prostituta.

8º) Na diretoria e no quadro de acionistas, ninguém lê nada sobre gestão, ninguém viaja para conhecer outras empresas, ninguém estuda, ninguém procura as melhores práticas.

9º) São aristocratas, especialmente os acionistas e os herdeiros. Carrões ornamentam os estacionamentos, as relações trabalhistas ficam atiçadas com a ostentação das “classes superiores”, que fica lanchando em salas iluminadas enquanto a empresa vai se arruinando.

10º) Não suportam más notícias. Elogiam-se muito e nutrem raiva por quem diz a verdade nua e crua e tenta ajudá-los.

Se você ficou irritado ao ler este texto, faça um favor para mim: nunca mais leia meus textos. Você é um burro e não merece ler o que eu escrevo. Eu quero que você e sua empresa vão “se focar”.

*Paulo Ricardo Mubarack



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.