Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empresas tipo prostitutas

Empresas tipo prostitutas

30/04/2013 Paulo Ricardo Mubarack

Escrevi um artigo sobre o mau uso dos indicadores de desempenho, a arrogância da diretoria ao não admitir o grave problema de insubordinação dos gestores por não querer usar indicadores e sobre a covardia de todos ao tolerar tal situação.

Dois dias após a publicação deste texto no meu site, fui interpelado por um dos acionistas, irritado com meu texto, alegando que havia escrito este artigo direcionado para sua empresa. Meu argumento foi simples: não escrevi e nunca escrevo um artigo direcionado para qualquer empresa em especial e disse para ele: “vocês cometem todos os erros possíveis, desta forma qualquer artigo que eu escrever vai parecer ser estar direcionado para vocês”.

Existe um grupo de empresas, normalmente com receita bruta anual entre 200 milhões e um bilhão de reais e que nunca implantaram um sistema integrado de gestão. Têm áreas fraquíssimas de RH, comando fraco na direção, um conselho de administração decorativo e meritocracia inexistente. Como não possuem método gerencial, cometem igualmente os mesmos erros:

1º) Não implementam, como já mencionei, um sistema integrado. A empresa é um conjunto estropiado de ferramentas boas, caras e que não produzem resultados em função da desordem com que são implantadas.

2º) Contratam consultorias de primeira linha e conseguem resultados pobres pela desordem nos pensamentos internos sobre gestão.

3º) Treinam pouco seus profissionais, desenvolvem ninguém e buscam no mercado gerentes, diretores e até o presidente. São empresas “tipo prostitutas”, pois passam de mão em mão, onde presidentes e diretores aventureiros, contratados a peso de ouro, vêm fazer suas experiências medíocres.

4º) Sempre há um acionista com “o pulo do gato” na manga. Ora é um novo método espetacular que vai salvar a empresa, ora é um software bacanérrimo que vai ajudar, ora é um executivo de luxo que será o salvador da pátria.

5º) Não cuidam do caixa. Investem mal, endividam-se e discutem besteiras, enquanto “o pau come” no chão da fábrica e no péssimo atendimento aos clientes.

6º) São adoradas pelos concorrentes. Preciso dizer por quê?

7º) São adoradas pelos fornecedores. Gastam fortunas com os “milagres” e consultores, escritórios de advocacia e outros prestadores de serviço amam tais empresas. Tanto quanto se ama uma prostituta.

8º) Na diretoria e no quadro de acionistas, ninguém lê nada sobre gestão, ninguém viaja para conhecer outras empresas, ninguém estuda, ninguém procura as melhores práticas.

9º) São aristocratas, especialmente os acionistas e os herdeiros. Carrões ornamentam os estacionamentos, as relações trabalhistas ficam atiçadas com a ostentação das “classes superiores”, que fica lanchando em salas iluminadas enquanto a empresa vai se arruinando.

10º) Não suportam más notícias. Elogiam-se muito e nutrem raiva por quem diz a verdade nua e crua e tenta ajudá-los.

Se você ficou irritado ao ler este texto, faça um favor para mim: nunca mais leia meus textos. Você é um burro e não merece ler o que eu escrevo. Eu quero que você e sua empresa vão “se focar”.

*Paulo Ricardo Mubarack



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso