Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ensine seu filho a cuidar do dinheiro

Ensine seu filho a cuidar do dinheiro

20/06/2012 Richard Rytenband

Ficar rico é o sonho de muitas pessoas e se você não conquistou seu primeiro milhão, que tal, ajudar seu filho a alcançar esse objetivo?

Existem materiais que ensinam as crianças e até mesmo um projeto de lei que propõem incluir a educação financeira currículo escolar, mas não é o suficiente para ajudar seu filho a ficar rico. Se você não quer torná-los adultos endividados, vivendo acima das possibilidades por desejo de status e que não avaliam corretamente as oportunidades, incentive os pequenos desde agora.

O ser humano está condenado a ser um perdedor financeiro por características inerentes a espécie humana: preferência por recompensas de curto prazo a longo prazo, não processar corretamente situações que envolvem probabilidades e pensar em termos relativos.

Mas afinal como ensinar inteligência financeira para as crianças? O primeiro passo é associar o hábito de lidar com o dinheiro a algo benéfico e natural. Chega de tornar este tema algo proibido, ou visto como complicado pela criança. O segundo é ensinar desde cedo à importância de se abrir mão das recompensas de curto prazo. O famoso teste do marshmallow do psicólogo, Walter Mischel, comprova esta tese.

No final dos anos 60, o psicólogo realizou um estudo na Universidade de Stanford, nos Estado Unido, com o intuito de testar a capacidade das pessoas de adiar uma satisfação. Mischel recrutou crianças de diversas idades e as colocou num quarto, sentadas de frente para uma mesa com um prato de marshmallow.

Explicou para as crianças que poderiam comer o marshmallow na hora, ou esperar um pouco mais e ganhar dois, a reação de cada uma delas foi registrado por câmeras ocultas. O objetivo do psicólogo era medir quanto tempo cada criança conseguiria resistir ao impulso de comer o doce.

O experimento observou inicialmente que a partir dos 4 anos de idade, as crianças passavam a ter autocontrole e não comiam o doce imediatamente e a variação do tempo que os pequenos  conseguiam se controlar foi grande. Após alguns anos, as crianças que mais tiveram autocontrole eram, pessoas adultas com mais sucesso tanto profissional quanto pessoal.

Entretanto, não tem sentido os pais tentarem ensinar algo aos filhos que eles mesmos não praticam. As crianças se espelham nos pais e tendem a imitar o que são e o que fazem. A seguir mais dicas valiosas para ensinar educação financeira às crianças:

Mostre que é preciso ganhar primeiro antes de pensar em gastos; Dê uma modalidade de mesada que incentive a criança a esperar para ganhar mais. Prometa um valor maior caso ela seja paciente;• Incentive a criança a poupar e investir desde cedo, é importante adquirir o hábito de investir regularmente. Ensine a criança que investir é comprar algo que vai colocar mais dinheiro no bolso dela e permitir que ela compre mais coisas no futuro. E o mais importante que apenas poupar não basta já que o preço de tudo no futuro será maior;

Aprender a negociar e pesquisar preços desde cedo é imprescindível; Mostre que o dinheiro é apenas um meio de troca para ter acesso aos bens e serviços e que o grande segredo está em ter o conhecimento necessário para ter cada vez mais dinheiro através do trabalho, estudos e de investimentos; Utilize filmes e livros para estimular a inteligência financeira, como a fábula "A Cigarra e a Formiga", "João e o Pé de Feijão", "José do Egito", o "Filho Pródigo" e jogos de tabuleiro como: o Banco Imobiliário que ensina a importância de investir em fluxo de caixa.

Richard Rytenband é economista pela PUC-SP e especialista em gestão financeira e investimentos pela FGV.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.