Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Entre o barril de petróleo e o de pólvora

Entre o barril de petróleo e o de pólvora

17/04/2024 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Mais com os reflexos da instabilidade naquela região do planeta sobre a economia geral do que com os com o destino da população dos países em conflito. É importante ter clara essa reflexão.

É de lá que vêm a maioria do petróleo que movimenta a frota de veículos, a indústria e aquece o frio de muita gente. A região detém 61% das reservas mundiais do óleo e controla as vias e meios de exportação aos consumidores.

Se as desavenças aumentam e ocorre uma conflagração regional, o primeiro reflexo é a redução da produção petrolífera e o consequente aumento dos preços da gasolina, diesel e demais derivados.

Isso, além do desconforto que traz ao consumidor na hora de abastecer seu veículo, provoca o desequlíbrio econômico e – pasmem – pode até interferir nas eleições mundo afora, principalmente na dos Estados Unidos – a maior economia – que já se encontra em curso.

O desentendimento entre os povos do Oriente Médio é coisa antiga e reúne aspectos geopolíticos, econômicos, sociais e, especialmente, religiosos. São divergências que dificilmente chegarão a um consenso.

O advento do petróleo, que enriqueceu a região, é um controlador mas, quando sai da medida, envia sua instabilidade para todo o planeta.

Recorde-se o grande choque do petróleo, de 1973, quando os países produtores reduziram a prospecção em seus poços e deixaram importantes consumidores carentes da energia.

Hoje, talvez, as consequências não sejam daquele tamanho porque temos produtores do óleo em outras regiões, entre eles o Brasil que, pelo menos teoricamente, não se subjuga à política daquela região. Mas, de qualquer forma, seria um problema com o qual ninguém contava.

A região tem merecido a atenção e preocupação desde quando o grupo terrorista Hamas atacou Israel, em outubro passado.

Depois Israel revidou e a guerra entre israelenses e palestinos já, infelizmente, fez milhares de mortos – muitos deles civis, mulheres e crianças que nada tinham em relação ao conflito.

Aos poucos, a guerra vai esbarrando em interesses regionais e provocando a solidariedade de grupos. Israel matou dias atrás militares do Irã, em represália ao apoio dos iranianos ao Hamas.

No sábado, o Irã atacou Israel que demonstrou competência na vigilância de seu território e derrubou a quase totalidade dos artefatos disparados pelo adversário. Agora verifica-se o mau-humor e o quadro de ameaças.

A ONU (Organização das Nações Unidas) reuniu seu conselho de segurança, mas apenas lamentou o ocorrido, sem chegar a qualquer conclusão. Seu secretário-geral, o diplomata português Antonio Guterrez, adverte que a situação é perigosa.

Vamos torcer para que o presidente Lula deixe o Brasil fora dessa contenda, pois seus pronunciamentos sobre política internacional não têm agradado e nem trazido dividendos à diplomacia brasileira.

Quando menino - no pós 2ª Guerra Mundial - ouvi muitas vezes dizerem que “em tempo de guerra, há mais mentira do que terra”.

Isso me leva a pensar que, embora provoque desconforto aos seus clientes de petróleo e derivados, mesmo que a guerra se consolide no Oriente Médio, dificilmente sairá da região.

Assim sendo, não vejo motivo para os temores já manifestados por alguns de que isso seja o estopim da 3ª Guerra Mundial.

Sou daqueles que, por uma série de motivos, especialmente pela disponibilidade de sofisticados armamentos capazes de destruir o planeta várias vezes ao mesmo tempo, não haverá governantes loucos o suficiente para apertar o botão do Apocalipse.

Até por uma questão de sobrevivência, os conflitos serão sempre regionais e raramente empregarão armas nucleares por um simples motivo: depois do primeiro tiro poderá estar perdido o controle e a possibilidade de armistício ou conciliação.

Penso, no entanto, que tudo o que se puder fazer para evitar os conflitos é salutar. Não brigue com quem tem petróleo; você ainda vai necessitar dele por pelo menos 30 anos...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre guerra clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques