Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Enxergue e valorize seus VETERANOS!

Enxergue e valorize seus VETERANOS!

25/02/2010 Marizete Furbino

"Os únicos limites são os da sua própria visão”. (James Broughton)

Além de fazer da empresa a sua vida, portanto, amando-a em demasia, os colaboradores com longo tempo de “casa” se dedicam, se envolvem e se comprometem ao extremo com o exercício de sua função, pois possuem um carinho todo especial para com a empresa, como se a empresa fosse o seu “chão”; assim, procuram agregar valor em tudo que fazem.

Outro aspecto importante que não podemos deixar de ressaltar é a “bagagem” de conhecimento que tais veteranos carregam consigo, pois diante de uma vasta experiência, possuem um conhecimento da empresa como um todo. No decorrer de longos anos, se familiarizaram com vários departamentos, conhecendo assim a empresa como a palma de suas mãos, o que contribui e muito, se explorado tal conhecimento, para que a empresa nunca “naufrague” no mercado, mas permaneça firme, em meio a qualquer turbulência que venha a enfrentar.

Não é preciso muito esforço para perceber que, se o profissional está há longos anos em uma determinada empresa, o motivo maior de sua permanência chama-se resultado, sinal de que este profissional desempenha muitíssimo bem suas atribuições; caso contrário, o mesmo não permaneceria, pois, em meio a um mercado altamente competitivo, a empresa inteligente não se permite mais ficar com um profissional mais ou menos, sendo este mais um motivo para valorizá-los.

Uma vez dito isto, é preciso enxergar e dar oportunidade de desenvolvimento e crescimento aos profissionais “veteranos”, como se dá aos profissionais “calouros”, pois estes têm muito a contribuir para que a empresa faça seu diferencial e não somente conquiste, mas se solidifique no mercado; portanto, não devem ser tratados como “cartas fora do baralho” porque têm “cabelos brancos”, pois seu conhecimento e sua experiência valem “ouro”. Pensando assim, o empreendedor deve conscientizar-se que da mesma forma que investe no profissional “calouro” deve investir no profissional “veterano”.

Se você parar para pensar perceberá que os veteranos são profissionais que vivem para a empresa. Habitualmente eles pensam não apenas em seu departamento, mas amam tanto a empresa que se preocupam e pensam na empresa como um todo, sendo extremamente conscientes de seu papel dentro da empresa; desta forma, é muito comum pensarem globalmente e agirem localmente, fazendo isso de forma bem natural.

De certo é que quase todos eles são conscientes de que o pré-requisito para a ascensão da empresa no mercado é que todos os departamentos da mesma devem agir de forma imbricada, inter-relacionada e integrada. Igualmente é imprescindível manter uma comunicação transparente e um ambiente, cujo clima organizacional seja propício à produtividade, agindo com muito “amadurecimento” e tranqüilidade, tendo um invejável equilíbrio emocional. E isto facilita todo o andamento do processo.

Inegável dizer que o veterano é um profissional que enxerga a empresa, ou seja, trabalha de fato em prol da empresa. Assim, não possui nenhum interesse em “puxar tapete” de qualquer outro profissional, qualquer que seja, cujo interesse seria baseado em sua própria ascensão; ao contrário, interessa a este profissional veterano o bem-estar da empresa, interessa a ele que a empresa esteja bem perante o mercado; assim, suas atitudes e seus comportamentos são baseados na sinceridade, na honestidade, na transparência, na soma de sua experiência, conhecimento e talento.

Por outro lado, verifica-se que os profissionais veteranos são mais tradicionais, são mais resistentes às mudanças. E isto precisa ser repensado, pois vivemos em um mundo onde a competição se tornou global e nossa única certeza no mercado denomina-se incerteza. Qualquer profissional que deseje permanecer neste mercado terá que se adaptar e bem rápido, pois a flexibilidade conta muito, caso contrário, correrá um sério risco de ser esmagado.

Importante ainda salientar que a empresa deve ser inteligente e fazer com que tais profissionais veteranos acabem se tornando mentores, não somente dos profissionais “calouros”, digo dos recém-contratados, mas também dos demais colaboradores; assim, estes irão repassar, além da experiência, ensinamentos valiosos no que tange ao desempenho de suas funções, agregando valor e contribuindo desta maneira para que a empresa faça a diferença e cresça.

De qualquer forma, vale ressaltar que em nenhum momento menosprezo os profissionais “calouros”, apenas saliento a todo o momento que a empresa de hoje deve mais do que nunca enxergar, valorizar e investir no colaborador veterano, assim como faz com o profissional “calouro”, não devendo jamais considerar os veteranos “descartáveis”, pois, estes, assim como os profissionais calouros, têm muito a contribuir para com a empresa.

* Marizete Furbino, com formação em Pedagogia e Administração pela UNILESTE-MG, especialização em Empreendedorismo, Marketing e Finanças pelo UNILESTE-MG. É Administradora, Consultora de Empresa e Professora Universitária no Vale do Aço/MG - e-mail: [email protected]



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes