Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Escassez profissional afeta a construção civil

Escassez profissional afeta a construção civil

30/05/2023 Nicolaos Theodorakis

Como minimizar esse gargalo?

Há algum tempo o setor de construção civil, um dos segmentos mais importantes para a economia, tem colocado em debate a escassez de mão de obra qualificada no canteiro de obras.

Afinal, de acordo com um levantamento da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), aproximadamente, 90% das empresas pesquisadas em 2022 veem gargalos no recrutamento, contra 77% mapeadas em 2021.

Inclusive, ainda segundo o estudo, as áreas de maior escassez profissional são: pedreiros (82%) e carpinteiros (78,7%), bem como de gestão de obra – mestre (74,7%) e encarregado (70%).

Mas, afinal, quais são as principais causas dessa carência? Basicamente, falta de investimentos na capacitação profissional, desvalorização dos colaboradores e, sobretudo, baixo interesse dos jovens por oportunidades de carreira no setor. 

Embora a pandemia da Covid-19 tenha sido um agravante desta situação, os avanços tecnológicos há anos também são vistos como um dos principais motivos para essa escassez profissional.

Não à toa, devido às soluções mais avançadas e ágeis, a demanda pela capacitação cresce cada vez mais, ao passo que os próprios colaboradores não possuem condições para acompanhar o mercado na mesma velocidade que as tecnologias surgem ou se desenvolvem.

Além disso, é notável que a construção civil foi um dos setores que mais precisou se reestruturar a partir da chegada da pandemia no Brasil.

Por meio da aceleração de processos tecnológicos, tanto a construção civil como o mercado imobiliário se viram obrigados a desenvolver novas soluções e sistemas construtivos, capazes de otimizar com agilidade e sustentabilidade os empreendimentos.

Diante deste cenário, a demanda por mão de obra qualificada ficou ainda maior e, consequentemente, vem interferindo inclusive no desempenho das obras.

E como diminuir esse gargalo? Investindo na capacitação dos profissionais, a partir de cursos e programas de integração que garantem um trabalho correto e com segurança.

Afinal, embora haja uma alta rotatividade de mão de obra no setor, é necessário pensar a longo prazo, uma vez que esses profissionais demandam capacitação para serem valorizados e reconhecidos.

Ademais, a industrialização da construção civil vem transformando o canteiro de obras em uma linha de montagem, a fim de escalar a produção e, ao mesmo tempo, ter um controle de qualidade mais preciso do que está sendo feito, a exemplo da madeira engenheirada.

Nesse sentido, as construções offsite que são desenvolvidas e pré-fabricadas fora do canteiro de obras, demandam um investimento alto em capacitação e atualização profissional, principalmente diante das inovações existentes no setor.

Investir na industrialização da construção civil, bem como na capacitação dos colaboradores, traz inúmeros benefícios, como zero retrabalho, redução de custos e desperdícios, minimização dos acidentes e até mesmo atendimentos pós-obra.

Portanto, é fundamental valorizar os trabalhadores que já atuam na construção civil, oferecendo oportunidades de crescimento, ou mapeando novas formas de estimular os mais jovens a ingressarem nesta carreira.

O universo da construção será industrial nos próximos cinco ou dez anos, por isso, quem não se adaptar a esse movimento, logo perderá espaço.

* Nicolaos Theodorakis é fundador e CEO da Noah, startup que oferece soluções tecnológicas para a construção civil com estruturas em madeira.

Para mais informações sobre construção civil clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: PiaR Group



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros