Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Escravidão Voluntária

Escravidão Voluntária

19/02/2024 Marco Antonio Spinelli

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Karl Marx imaginava que o Capitalismo fosse perecer quando o Proletariado se unisse e tomasse para si os Meios de Produção, com a Ditadura do Proletariado, gerando uma sociedade mais justa e igualitária, onde a cada um seria destinado segundo sua própria necessidade.

A tal da ditadura do proletariado não deu certo em nenhum lugar do planeta, mas ainda vemos alguns barbudos raivosos proclamando a morte da burguesia, na propaganda política bancada com o meu, o seu, o nosso dinheiro.

Temos uma nova metáfora mesmerizando as multidões, propagada pela nova e ultramoderna versão do Capitalismo, que é o Neoliberalismo: o Empreendedorismo, nova e massiva religião vociferada por coaches e palestrantes motivacionais: “Seja empresário de si mesmo”. “Destrave a sua Prosperidade”.

Gordon Gekko, personagem de um filme antigo de 1987, “Wall Street: Poder e Cobiça”, demonstra, na voz do ator Michael Douglas, o célebre discurso sobre a verdadeira força condutora do nosso tempo: a Ganância.

“O ponto, senhoras e senhores, é que a Ganância, pela falta de uma palavra melhor, é Boa. Ganância é o Certo. Ganância funciona. Ganância clarifica, abre caminhos e captura a essência do espírito da evolução”.

Se a divindade máxima de nosso tempo é o Capital, que tem uma capacidade infinita de se reproduzir e perpetuar, seu motor está completamente descrito no discurso do personagem. A Ganância funciona. A Ganância abre caminhos.

A ditadura do proletariado foi substituída pelos motoboys ensandecidos cortando os carros para fazer a entrega mais rápida possível. Quanto mais eficientes, mais receberão no final do dia.

São microempreendedores do nosso tempo. Mais trabalho, mais eficácia, mais produtividade. Gritam os gurus digitais: “Aumentem sua produtividade e faça parte do 1% dos que ganham mais”.

Byun Chul-Hann, filósofo sul-coreano, descreve em seu livro “Psicopolítica”, o processo de dominação onde a exploração não se dá mais entre o patrão, a empresa, e o empregado.

Hoje, a exploração é entre o Sujeito-empreendedor-de-si-mesmo e a sua produtividade. A cultura do mais-mais-mais, ou melhor-melhor-melhor, cria uma legião de escravos do próprio trabalho e ânsias de consumo.

Gordon Gekko estava coberto de Razão. A força propulsora da evolução é a Ganância. Não é o Desejo. Não é o Poder. É a ânsia voraz por engolir tudo. É a Fome infinita que produz epidemias de Obesidade e de mortes por Overdose. Além da destruição dos Ecossistemas.

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Gordon Gekko pode estar no poder, mas está errado. A Ganância não é boa. A Ganância é mortal.

* Marco Antonio Spinelli é médico, com mestrado em psiquiatria pela Universidade São Paulo, psicoterapeuta de o rientação junguiana e autor do livro “Stress o coelho de Alice tem sempre muita pressa”.

Para mais informações sobre ganância clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Vervi Assessoria



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes