Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Escrever a realidade

Escrever a realidade

21/04/2022 Luiz Carlos Amorim

Sou “jornalista” desde garoto e desde os tempos dos Diários Associados de Santa Catarina, ainda jovem, com 18, 19 anos, mantive colunas em diversos jornais: sobre música, sobre cultura, sobre literatura, etc.

Algumas delas, diárias, e haja fôlego e tema para escrever todos os dias, chovesse ou fizesse sol. Eu achava engraçado o fato de, andando pela rua, algumas pessoas me cumprimentarem, como se me conhecessem. É que saía, diariamente, uma foto minha no cabeçalho das colunas. Como hoje em dia todos os jornais fazem.

Numa de minhas muitas viagens a Portugal, encontrei pessoas que achavam que me conheciam, mas na verdade tinham visto foto nas crônicas que publico em diversos jornais pelo mundo afora, inclusive lá, e na internet, também.

Então deu saudade das antigas colunas e, ao invés de fazer uma crônica sobre determinado assunto, vou falar um pouquinho sobre dois ou três.

Ainda escrevo para uma cadeia de jornais e para algumas revistas, por todo o Brasil e em países de língua portuguesa.

O nosso desgoverno está anunciando que a pandemia acabou. Infelizmente, não é verdade. Ainda temos mais de uma centena de mortos pela covid em um dia e este número não é real, pois há imensa subnotificação.

E o número de novos casos também é bem grande. Então a flexibilização já liberou praticamente tudo e todo mundo age como se não houvesse mais perigo.

Mas o mais grave é que muita gente não quer tomar a vacina, ou tomou apenas a primeira e acha que está tudo bem, não precisa tomar a segunda ou os reforços.

Por causa disso, as contaminações continuam e as pessoas indo para as UTIs também, assim como a contabilização de número de mortes.

A campanha do presidanta contra as vacinas funcionou, há muitas pessoas que não só não estão tomando a vacina contra a covid, assim como também como vacinas contra outras doenças que já haviam sido erradicadas em nosso país e ameaçam voltar, pois a cobertura está cada vez menor, os pais não estão vacinando seus filhos.

E a guerra continua, com a Ucrânia sendo devastada pela Rússia. E o criminoso de guerra que é o louco que acha que é Deus, da Rússia, ameaça estender a guerra aos países que estão ajudando a Ucrânia.

O que virá? Podemos esperar tudo de um louco varrido como Putin. Estaremos às portas de uma terceira guerra mundial?

Esperemos que não, mas os crimes vão se repetindo e ficando mais graves e parece que não há ninguém que possa combater isso. Está muito perigoso viver. Precisamos pedir ao Universo que interfira a favor da paz.

E o tempo precisa dosar melhor as estações do ano. (Ou será que somos nós, seres humanos, que precisamos dar condições à natureza de voltar ao seu ciclo natural?) Sei que não é a natureza a culpada disto.

Os jacatirões de inverno, que florescem em junho, julho, já estão carregados de botões se abrindo. Na dúvida, devem pensar eles, os jacatirões: digamos que já é inverno e dá-lhe florescer!

E as onze-horas nem ligam pra estação e florescem escancaradamente. Mas o frio finamente está chegando e as tainhas também.

E, mudando de saco pra mala, recebo de uma amiga brasileira que vive no exterior, uma apreciação de quem está vendo de fora o panorama das publicações literárias e culturais no Brasil.

Ela percebe que as revistas e jornais publicados por pessoas ou grupos ligados à cultura, mas que não têm nenhum apoio da “cultura oficial”, são na verdade quem dão impulso ao desenvolvimento da literatura brasileira.

Que bom que essa constatação vem de quem está observando tudo de fora, por alguém que é do meio. Porque alguém precisa ver isso, para que se resgate a nossa cultura, que anda tão em baixa ultimamente.

Para que se valorize publicações como a revista Suplemento Literário A Ilha e Escritores do Brasil, do Grupo Literário A Ilha.

Que mostram a produção de nossos escritores em épocas diferentes, obras que retratam a realidade de nossos tempos.

* Luiz Carlos Amorim é escritor, editor e revisor.

Para mais informações sobre revistas e jornais clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan