Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Esperança para a vida

Esperança para a vida

15/05/2020 Prof. Ms. Bruno Cunha

“A esperança é o sonho do homem acordado”, disse Aristóteles.

Com a pandemia, muita gente parou de sonhar, de ter esperança num futuro melhor. E tem muitos motivos para isso! A “primeira onda” da Covid-19 está sendo muito difícil e dolorosa.

Distanciamento social, quarentena, lockdowns, isolamento social, milhares de infectados e mortos. Mas como dizem: “existe o outro lado da moeda”, sempre existe. O que falta é falar desse outro lado da moeda, e que dias melhores, se Deus quiser, virão sim!

Muitos são os fatores que acarretam transtornos e sofrimentos. A economia é um desses, e deverá entrar numa “segunda onda” de recessão no Brasil e globalmente.

Como encarar tantas situações novas e complexas com esperança? É bem verdade que a humanidade, pouco a pouco, observa sua incapacidade de dominar tudo. Mesmo com tantas tecnologias, avanços médicos e científicos uma “gripe” abateu milhares de vidas em todo o mundo.

O que considero um grande avanço, que ainda não chegou em muitos países, empresas e famílias é: esperar o melhor. Ter esperança é fundamental para nós, fracos e impotentes seres humanos.

Nunca foi tão necessário ter esperança! Seja na economia, na vida, para sairmos da crise. Precisamos nos unir e ter esperança que a cura está a caminho. Pessoas, famílias, empresas, cidades e nações precisam se unir em esperança.

O mundo vive o paradigma de esperar a pandemia passar, achatar a famosa curva de contaminação do Imperial College da Inglaterra, e poupar vidas.

Ao mesmo tempo, não pode perder a fé de que iremos superar. A economia vive da expectativa, como nós economistas costumamos dizer. E a vida também!

Se as pessoas tiverem um olhar de esperança, pela cura da Covid-19, e pela vacina, dado o árduo trabalho de inúmeros pesquisadores, cientistas, médicos e infectologistas, o mundo irá superar essa fase dificílima.

Crer no amanhã é necessário e fundamental. Crer que o homem é um ser frágil, todavia resiliente, forte. Aprendemos com os erros, crescemos e melhoramos.

Vemos que muitos estão em casa sem saber o que vão comer ou vestir quando acabar o auxílio emergencial do Governo. Por outro lado, vale lembrar que o Brasil já viveu momentos muito difíceis, e sobrevivemos.

Momentos diferentes, e de menor proporção, como hiperinflação, perda da democracia, impeachment, recessão, desemprego astronômico e quedas no PIB. Vencemos tudo isso e venceremos novamente! 

O mundo passou por problemas gigantescos no século XX: Duas grandes guerras em especial, e a iminente guerra fria. O medo da crise econômica é o nosso segundo grande inimigo depois da Covid-19.

É preciso se precaver, tomar todos os cuidados possíveis de isolamento e higiene. O outro lado da moeda é também restaurar os sonhos.

Grávidas irão dar a luz em alguns meses, crianças vão nascer. Sim, é bem verdade que para muitos de nós será preciso muito tempo para se recuperar das perdas de vidas, amigos e parentes, mas não podemos perder a esperança.

O brasileiro é forte, generoso, solidário, resiliente. Em breve seremos surpreendidos com um futuro que iremos construir juntos.

É preciso esperar em vigilância e observação a pandemia passar, e continuar sonhando e vivendo. Um dia cada vez. Afinal, a cada dia basta o seu cuidado. Por mais duro que seja, não deixe de ter esperança, pois ela também  é parte da cura.

* Prof. Ms. Bruno Cunha é economista, professor na Faculdade Canção Nova, missionário da Comunidade Canção Nova e autor do livro “PHN na internet – 7 #pecadosvirtu@is”, pela editora Canção Nova.

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques