Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Estratégia móvel: por onde sua empresa deve começar?

Estratégia móvel: por onde sua empresa deve começar?

30/08/2012 Thiago Siqueira

Você faz check-in na sua página do facebook quando chega ao restaurante para um almoço corporativo, interage com seus amigos pelo twitter no horário de trabalho e responde emails de clientes à noite e aos finais de semana.

Esses são exemplos claros da consumerização – vida pessoal e profissional dividindo um mesmo dispositivo. Mas não podemos parar por aqui. Esse novo cenário trouxe para as empresas o benefício de poder contar com seus funcionários sempre, pois, salvo raras exceções, uma pessoa consegue estar conectada, independentemente do local em que está.

Mas, o que as corporações estão buscando entender é como obter cada vez mais benefícios para seus funcionários e clientes por meio da mobilidade. O que vemos atualmente no mercado é que os CIOs estão preocupados com essa movimentação, afinal ninguém quer, nem pode, perder a oportunidade criada a partir dos avanços tecnológicos. Hoje, os funcionários atualizam-se bem antes que as próprias empresas e são eles mesmos que escolhem e ditam que tipo de dispositivos usarão no dia a dia - e não mais o contrário, imprimindo um rítmo acelerado de transformações no mundo corporativo.

A questão é que tanto no Brasil como no exterior, a necessidade de conectar pessoas certas, no momento certo, independentemente do canal, é um desafio. A consumerização eficiente exige alguns pilares básicos para um projeto móvel bem desenhado:

Governança - Quem pode ter acesso? Para fazer o quê? Para acessar o quê?

Capacidade da Rede - Podemos suportar múltiplos dispositivos por usuário e aplicações simultâneas com alto consumo de banda?

Segurança - Como implementar um ambiente seguro?

Qualidade - Como assegurar que aplicações críticas para o negócio continuem a ter prioridade?

Assim, para uma estratégia móvel eficaz, é preciso – antes de tudo – avaliar, dentro das várias opções de aplicativos web disponíveis, quais realmente contribuem para a rotina de trabalho. Outro ponto fundamental para garantir que a consumerização e a tendência do BYOD (Bring Your Own Device) tragam verdadeiros benefícios para a companhia é explorar a comunicação unificada.

A integração de todos os canais de acesso em uma interface única impacta diretamente na redução do tempo de resposta de uma demanda, seja ela interna – de superiores ou subordinados, ou externa – mercado e clientes. Como isso funcionaria no dia-a-dia? Eis o exemplo – um único profissional possui diversos pontos de contato – ramal, celular, Facebook, MSN, Twitter, email pessoal, corporativo, entre outros.

Com uma interface que unifique todos esses canais de comunicação, a pessoa será contactada pelo canal que estiver disponível no momento: a isso damos o nome de status de presença. Ou seja, se eu estou enxergando, pela minha interface, que o meu contato está ao telefone, não vou ligar, pois sei que será em vão.

Ao invés disso, mandarei uma mensagem de texto. Quando eu sei, exatamente, qual ferramenta devo usar para entrar em contato com a pessoa com que eu preciso falar, diminuo o tempo de resposta e aumento minha produtividade, impactando diretamente os meus resultados. Estratégias de mobilidade eficazes são executadas com soluções que contribuem para o aumento da produtividade, estabelecendo uma experiência positiva – para a empresa, para o mercado e para os clientes, por meio de uma avaliação detalhada e minuciosa, mas sem perder agilidade,  afinal esse é o ritmo dos negócios nos dias de hoje.

Um exemplo disso é que, enquanto discutimos, aqui, o BYOD, um novo movimento se aproxima: o BYOA (Bring Your Own Application). A partir dessa tendência, os funcionários decidirão por qual aplicação – e não só device – irão trabalhar e interagir com os demais, o que torna a comunicação multicanal ainda mais vital para os negócios.

Thiago Siqueira é diretor de tecnologia e inovação da Avaya, líder global em sistemas e serviços para comunicação corporativa e colaboração.

 

 



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.