Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ética, a disciplina da família

Ética, a disciplina da família

23/01/2017 Oriovisto Guimarães

A ética é o estudo da ação humana, do ponto de vista do bem e do mal que possa produzir.

Diante dos fatos do cotidiano, que testemunhamos e dos quais também somos protagonistas, podemos criar novos valores ou manter os que já existem na sociedade.

Os filósofos da Grécia Antiga entenderam como poucos o significado mais profundo da ética. Na famosa obra “A República”, Platão narra a história de Giges, que encontra um anel mágico. Giges nota que a joia tem o poder de torná-lo invisível aos deuses e aos homens.

Com esse poder, ele seduz a rainha, mata o rei e inicia sua própria dinastia. O que Platão propõe é que cada um de nós imagine ter esse poder de invisibilidade, para escapar ao julgamento de Deus e da Justiça. O filósofo indaga com essa parábola mitológica: o que nós faríamos tendo em mãos um poder acima de qualquer outro? Aristóteles, outro grande filósofo grego, dizia que as virtudes podem ser aprendidas.

Ou seja, tudo o que pode ser ensinado às crianças, num sentido de comportamento ético, é de extrema importância. Mas até onde vai a família no ensino da ética? E qual a missão da escola? E como se relacionam esses dois pilares da sociedade?

O professor não é pai e o aluno não é filho. São dois papéis distintos em nossa organização social. Um pai teria de ser especialista em várias disciplinas, além de dispor de período integral para ser professor do filho. O papel fundamental da escola é transmitir conhecimentos acumulados por gerações anteriores e que são cruciais para a vida atual. Já para a formação ética e moral, o papel da família é mais importante que o da escola.

O exemplo dos pais vale mais que toda conversa sobre ética. De que adianta um pai dizer ao filho para respeitar a lei, se o próprio pai é pego pelo guarda em alta velocidade e, diante dos olhos da criança, tira cem reais do bolso para se livrar da multa?

Com a ética, não existe meia verdade. Ou você fala a verdade ou mente. Não dá para respeitar apenas quando a polícia está olhando. Outro exemplo: como uma escola dará aula para um menino que não respeita o professor e cujos pais o apoiam nessa atitude, pela omissão ou incentivo?

Por isso, a formação ética e moral é preponderantemente função da família. Ter filhos exige responsabilidade muito maior. É importante conversar com essa criança, ficar com ela nos finais de semana, brincar. Até na brincadeira é preciso ensiná-la a respeitar regras.

Se você trapacear num joguinho simples, ela pode adotar a trapaça como valor. É da natureza das crianças dar o devido retorno aos estímulos que recebem. Uma poesia da educadora argentina Eugênia Puebla é, para mim, a síntese do que é educar com ética.

Na “Mensagem à Família”, Eugênia faz uma defesa apaixonada pela temperança com que os pais devem acompanhar o crescimento dos filhos. Num trecho do poema, ela diz que todo “exagero é negativo”. Os pais devem ajudar os filhos em seus desafios de vida, mas jamais substituí-los.

Para Eugênia, um jovem conectado com o mundo, pela influência educacional dos pais, terá as referências mais fortes para saber reagir às situações de vida. “E, finalmente, quando a gaiola do canário se quebrar, não compre outra... Ensina-lhe a viver sem portas.” É a aposta final que a educadora expõe para lapidar o cidadão consciente de seus direitos e deveres.

* Oriovisto Guimarães é professor, empresário e um dos fundadores do Grupo Positivo.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder