Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Eu, professor

Eu, professor

18/10/2019 Daniel Medeiros

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.

Senti ali, pela primeira vez, a urgência do conhecimento. Experiência eu não tinha, história de vida também não.

Aquelas pessoas cansadas e sonolentas sentavam nas carteiras estreitas e olhavam para mim à espera de algo. Não fazia sentido aquelas horas sem dormir e sem jantar se não houvesse uma compensação à altura.

Eu precisava, diariamente, refazer a conexão com eles, apresentando algo que eles não viam no seu cotidiano, algo que nunca lhes passou pela cabeça, algo que despertasse-os da anestésica rotina dos seus afazeres mal remunerados.

E eu estudava e estudava para sempre ter uma história suculenta para eles. Como o artesão que capricha na peça que será admirada; como o agricultor que revolve e revolve a terra para dela tirar o fruto de encher os olhos.

Eu aprendia e eu ensinava. E assim eu aprendia o que devia ensinar. Eu era ponte, eu era isca, eu era o palhaço e o domador, o atirador de facas, o malabarista.

E, muitas vezes, eles saíam das aulas com os olhos vermelhos de sono, cansaço, um breve sorriso, um balançar de cabeça. Eu havia chegado a algum lugar deles. Eu estava ali. Eu sei.

Chegar a algum lugar deles era fácil de perceber. Lembro-me de fazê-los descolar as costas das carteiras e quererem, com o olhar, aproximarem-se de mim.

Essa era a senha: quanto menos interessante é o que você fala, mais o outro quer se distanciar. Mas quando há sumo, cheiro e mistério, a vontade é de morder, é de beijar.

E, nesses dias, eu saia da escola sabendo por que aquela seria a minha profissão para sempre. Sentia-me gente, humano.

E aprendia que queria aprender mais e mais. Para repetir aquele momento. Como uma droga, como um passe no terreiro, como uma benção alcançada.

Sou professor há 37 anos. E ainda hoje, vez por outra, consigo fazer essa mágica, fruto de estudar e aprender e estudar e estudar. Sei que não sou eu quem faz a mágica, é o conhecimento que carrego como um vaso Ming.

Não há tecnologia ou outro recurso didático que substitua a carne farta de uma história contada em todos os seus detalhes, uma explicação longa e consistente, uma demonstração calma e clara.

O ser humano, mesmo acossado pela grosseria do presente, pela força que desfaz as coisas belas, continua encantado por uma história cheia de conhecimentos.

Fazer sentido, perceber-se entre as coisas que até pouco tempo eram estranhas e que agora acenam como velhas amigas, realizar algo que era só sombra e medo cria laços que jamais serão rompidos.

Cada vez que consigo isso, realizo-me como professor. Como a mente cartesiana que se fascina por conhecer-se, é no olhar de compreensão do aluno que entendo o que faço.

Ser professor é carregar esse novelo de confiança e responsabilidade. Como uma Ariadne, temos a chance de ajudar as crianças e jovens a saírem do labirinto, matarem o Minotauro da ignorância que aniquila com seu medo violento.

Ser professor é ser um porta voz do conhecimento de outros seres humanos, uma ponte que conecta os saberes em uma corrente que mantém os monstros dogmáticos à distância.

Sempre vivemos em guerra, sempre restamos no front. Assumir essa tarefa de ser professor é saber que não haverá o momento do “descanso pra valer” e que sempre o conhecimento precisará ser cultivado e entregue em outras mãos.

Como uma espécie de herói melancólico, a vida pessoal de um professor não tem a importância de seu trabalho e ele está sempre à espera de um chamado.

E o professor é assim porque quer ser assim. Cansado, mas sem preguiça. Pesaroso, mas nunca desesperançado.

Porque o labirinto precisa ser percorrido e o Minotauro precisa ser morto muitas vezes, ou as crianças e jovens viverão para servir de alimento para os tiranos insaciáveis.

* Daniel Medeiros é Doutor em Educação Histórica pela UFPR e professor no Curso Positivo.

Fonte: Central Press



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes