Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Evidências de que os eventos presenciais estão cada dia mais próximos

Evidências de que os eventos presenciais estão cada dia mais próximos

16/12/2021 Mônica Schimenes

Talvez muitos não saibam, mas o mercado de eventos no Brasil, incluindo os setores de cultura, esportes, entretenimento e negócios, movimenta cerca de R$ 936 milhões por ano, o que representa 13% do PIB brasileiro.

Além disso, os empregos diretos e indiretos gerados com a realização dos eventos é imenso. Uma pesquisa realizada pelo Sebrae em abril do ano passado apontou que a pandemia afetou 98% do setor no país e a percepção de mais da metade dos entrevistados era de que o faturamento seria reduzido de 76% a 100%.

A Associação Brasileira de Promotores de Eventos (Abrape) indicou, através de um levantamento no início deste ano, que mais de 450 mil empregos na área foram perdidos com o confinamento.

Mas, com o avanço da vacinação, a liberação dos eventos presenciais em São Paulo em agosto e a divulgação de datas para eventos corporativos, feiras e de entretenimento, o mercado demonstra que está voltando.

Com mais de 50% da população com a vacina em dia, eventos-teste estão ocorrendo para mostrar se a população está preparada para o retorno do presencial, além de analisar se os protocolos de segurança são realmente efetivos.

A Ubrafe (União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios) divulgou um levantamento com 80 eventos presenciais confirmados até dezembro deste ano.

Como CEO de uma agência de eventos e marketing especializada em atender multinacionais, percebo que o receio da segurança é o que mais impacta a retomada do presencial, principalmente quando falamos em empresas globais, pois são regidas pela matriz e a realidade dos países é diferente, dificultando o desenvolvimento de ações locais.

Os corajosos vão saindo na frente, analisam as medidas de segurança necessárias e investem no futuro do mercado. No cenário internacional já é possível observar o retorno dos eventos presenciais em grande escala.

Um dos principais acontecimentos do mundo da moda, o Fashion Week, aconteceu na cidade de Paris no formato presencial, entre 28 de setembro e 06 de outubro, e contou com, aproximadamente, cinco mil pessoas reunidas por dia, entre elas celebridades, modelos e estilistas de renome.

Outro exemplo é o Web Summit, uma das maiores conferências anuais de tecnologia do mundo. Na edição de 2021, o evento tinha a expectativa de receber 10 mil pessoas, mas superou a meta com mais de 40 mil participantes, em grande maioria mulheres.

No mês de setembro, os shows retornaram e grandes artistas da música voltaram a fazer apresentações e tours, como a banda Aerosmith, que começou a turnê de 50 anos pelos EUA.

Os espetáculos da Broadway também retornaram em setembro deste ano e até o Lollapalooza Chile 2021 já tem data marcada para novembro.

Essa retomada não é apenas das ações em si, mas também da bolsa de valores e vai acontecendo de maneira fluída.

Vale ressaltar que no último dia 1º, depois de quase 600 dias, as restrições de público e horário para conter o coronavírus deixaram de ser obrigatórias.

A Expo Retomada 2021, organizada pelo Governo do Estado de São Paulo, em parceria com a Prefeitura de Santos, para estudar a viabilidade do retorno das feiras de negócios reuniu mais de 1.400 pessoas em dois dias de evento presencial.

O Business Show, feira da indústria dos eventos corporativos, incentivos, congressos e feiras, também fez a sua 19ª edição no formato presencial no final de outubro.

As edições presenciais neste ano tiveram resultados muito bem-sucedidos e mostraram que é possível preparar e executar as ações com prudência dentro das opções que temos.

A segurança é de extrema importância para essa retomada e a responsabilidade é da equipe organizadora do evento. Para manter os participantes seguros, há diversas alternativas e protocolos indicados.

Em primeiro lugar deve-se entender os protocolos de saúde da própria empresa que está realizando o evento e torná-los efetivos dentro da ação.

Além disso, exigir o comprovante de vacinação, realizar testes de Covid antes do check-in e determinar o uso obrigatório de máscaras são cuidados fundamentais para proteger os convidados e colaboradores.

Esse movimento de retorno vai gerar muitos empregos que foram perdidos nos últimos dois anos, afinal, o networking que envolve a realização de um evento é enorme.

São companhias aéreas, hotéis, pousadas, fornecedores de diversos serviços e produtos, ou seja, com todos esses setores novamente em movimento, a economia do Brasil melhorará muito.

Além do mais, trará o que a sociedade mesmo com um certo receio, tanto deseja: olho no olho e contato humano nas experiências.

Quando estamos em um evento online, o nosso foco pode ser influenciado com muita facilidade, afinal, em frente a uma tela tudo pode acontecer: o telefone toca, chega um e-mail importante, o filho chama em outro cômodo da casa, enfim, diversas são as situações que podem influenciar na atenção do espectador.

Já no evento presencial, a preparação começa cedo. Pensamos no conforto da roupa e sapato que usaremos, escolhemos um bom lugar para sentar e assistir a palestra, observamos os participantes e fazemos novas amizades com pessoas com vivências similares às nossas e, consequentemente, prestamos mais atenção no conteúdo. Ou seja, a mensagem é transmitida de forma enfática ao ouvinte.

Claro que as experiências online e híbridas ficarão, é o momento do ‘omnichannel’. Tudo vai acontecer em diversos canais, mas cada um com a performance mais adequada para a transmissão da mensagem desejada, a fim de conseguir o melhor desempenho para a ação idealizada.

Muitos aprendizados do online vão fortalecer os eventos presenciais. Melhoramos muito a qualidade do que tínhamos, principalmente de transmissões audiovisuais e produção de conteúdo multimídia.

A capacitação para manusear os avanços tecnológicos para as apresentações fará toda a diferença nesse retorno.

Os bares estão lotados, assim como os restaurantes, pontos turísticos e aeroportos. As pessoas demonstram o desejo pelo retorno, mas querem a garantia da segurança, é claro.

Em todos os eventos presenciais que a minha agência realizou neste ano, testamos os participantes e não houve nenhum tipo de registro de transmissão do vírus em nossas ações. O mesmo fator também pode ser observado em outros eventos-teste ao redor do Brasil e do mundo.

Quando houver dúvida se será possível garantir a segurança de todos os participantes em um evento presencial, deve-se optar pelo formato híbrido ou online.

O budget também será um ponto de atenção na hora da tomada de decisão das empresas para planejar os encontros.

Mas, caso a organização queira garantir a melhor experiência do seu consumidor e entregar o tão desejado ‘olho no olho’, deve-se apostar no presencial novamente sem medo, mas com muito planejamento e responsabilidade para garantir a segurança de colaboradores e participantes.

* Mônica Schimenes é fundadora e CEO da MCM Brand Experience.

Para mais informações sobre eventos presenciais clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: KR2 Comunicação



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.