Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Extremismo psicótico

Extremismo psicótico

13/09/2014 Leonardo Corrêa

Há um extremismo psicótico reinando absoluto no mundo. Você é contra ou a favor de Israel? Você é fumante – que horror (!) – ou não? Você é de direta ou de esquerda? Enfim, trata-se de um fulgurante “preto ou branco” sem qualquer consideração sobre as diversas faixas de cinza.

Estamos rumando para uma guerra de pequenos polos opostos. Todos os demais ficam no meio do caminho sendo usados pelos radicais de todos os gêneros, ou, ainda, desestimulados e alienados pelo viés bipolar do debate. O caso específico de Israel e da Palestina é um exemplo magnífico dos problemas decorrentes do extremismo.

Enquanto a guerra se desenrola, Israelenses e Palestinos sofrem. Mas, ao examinar a questão por meio do número de mortos – lado a lado – e/ou das diferenças tecnológicas, os analistas demonstram miopia gravíssima. A primeira reação é usar as palavras “desproporção” e “desigualdade”. Vide o que fez o Itamaraty, que chamou o embaixador brasileiro de volta para “prestar esclarecimentos” – ato considerado agressivo na prática da diplomacia.

Usou-se um “racional” imediatista e maniqueísta: Israel é forte, tem uma excelente tecnologia de defesa contra misseis, e, portanto, não pode fazer praticamente mais nada. Isso faz algum sentido? Uma questão com esse grau de complexidade deve ser avaliada na base do “fraquinho contra o fortinho”? Vamos lá, para início de conversa a guerra não é entre Israel e Palestina, mas entre o Hamas e Israel. O que é o Hamas? Ora bolas, todos sabem que é um grupo terrorista.

Como se vê das mais diversas matérias publicadas na mídia, o Hamas: (I) usa a população como escudo humano; (II) instala sua artilharia pesada perto de prédios populares; (III) cava túneis para invadir Israel; (IV) lança vários mísseis diariamente; e (V) não representa – ao menos do ponto de vista democrático (e soberano) – o povo da Palestina. Todavia, a despeito disso tudo, o grupo terrorista viola qualquer cessar fogo tentado. Não podemos nos esquecer que em 11 de setembro de 2001 o mundo mudou.

Grupos terroristas tomaram o lugar dos Estados como os principais protagonistas dos conflitos internacionais. Mas, diferente dos Estados – que podem sofrer sanções –, grupos terroristas não correm riscos. Para eles não há consequências. Então, o que Israel deve fazer? Lutar contra os terroristas ou ficar quieto, deixando seu povo – e os próprios Palestinos – a mercê de terroristas? Extremismos e pré-conceitos não resolvem essas indagações. Eles são um desastre se utilizados como forma de entender qualquer coisa.

Não tenho respostas para o conflito entre o Hamas e Israel. Mas, o exemplo demonstra que avaliações superficiais, calcadas em sentimentos, palavras de ordem e posições bipolares são inúteis. Se pretendermos entender algo complexo, é fundamental mergulhar fundo nos fatos. Sem atalhos! Quer compreender algo, estude muito e avalie todos os detalhes. Construções automáticas e extremistas só o afastarão do conhecimento.

Afaste-se, também, da carga de certas palavras e preste mais atenção ao argumento. É preciso olhar as zonas cinzentas e avaliar todas as circunstâncias envolvidas. De outra forma, não passaremos de repetidores de ideias alheias.

* Leonardo Corrêa é Advogado e Especialista do Instituto Liberal.



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho