Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Falta de vontade e depressão

Falta de vontade e depressão

24/07/2015 Flávio Melo Ribeiro

É muito comum os meus pacientes depressivos reclamarem da falta de vontade para tudo.

E mais comum ainda me relatarem o quanto são orientados pelos parentes e amigos para terem vontade para fazer as atividades.

Entendo a boa vontade nesses conselhos, mas totalmente ineficaz. Quem convive com alguém depressivo entende muito bem o que estou dizendo.

E por que não dá resultado? Porque o que mais caracteriza a depressão é a falta de futuro!!!!! Na depressão profunda o depressivo não vê futuro e consequentemente nada na sua vida tem sentido.

Portanto sem futuro não há vontade. Na realidade a vontade é anunciadora do que já escolhemos, por exemplo: primeiro provamos um sorvete, num outro dia surge a vontade de come-lo novamente.

Como também não sentimos saudade de quem nem sabemos que existe, primeiro conhecemos a pessoa, depois sentimos vontade de reencontrá-la.

Inicialmente escolhemos diante de um futuro possível ou mesmo imaginário, depois a vontade anuncia a nós e aos outros nossa escolha. O que o Depressivo precisa readquirir é um pouco de futuro.

Se você quer ajudar um depressivo, procure organizar sua vida presente, pois esta já implica um futuro imediato.

A primeira coisa a ser feita é ajudá-lo nas atividades que o desdobramento das mesmas implicam a sua presença e intervenção.

Claro que essas atividades precisam ser fáceis e ao alcance do que ele possa desenvolver, visto que já se encontra frágil e muitas vezes pessimista diante das suas ações.

Ajudá-lo a dar o primeiro passo é a fase mais difícil. Uma vez construindo um pequeno cenário de vida, a vontade começa a ressurgir.

Porém o mais difícil é conter a ansiedade de quem está acompanhando o depressivo, pois este quer resolver logo e muitas vezes apressa o que deve vir devagar, mas com base.

lgo que ajuda é psicoterapia em grupo, quando os demais componentes apoiam as iniciativas, mesmos as que parecem muito pequenas para quem está de fora do problema.

* Flávio Melo Ribeiro é psicólogo.



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros