Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Feliz Páscoa, principalmente às pessoas que sofrem

Feliz Páscoa, principalmente às pessoas que sofrem

16/04/2019 Padre Wagner Ferreira da Silva

Uma vez por ano, a propaganda comercial nos faz recordar que a Páscoa está chegando.

Os anúncios de ovos de chocolate começam a dominar os mais diferentes meios de comunicação. Além de dar água na boca, o tradicional ovo de Páscoa simboliza uma vida que está surgindo, justamente porque não se pode celebrar tal festa sem recordar o seu verdadeiro motivo.

Para os cristãos, a Páscoa tem um “sabor” mais sofisticado: o sabor da fé no mistério da ressurreição de Jesus Cristo.

Para se compreender um pouco desse mistério da fé cristã, cito um trecho do evangelho de Lucas (24,1-8): “No primeiro dia da semana, muito cedo, (algumas mulheres) dirigiram-se ao sepulcro com os aromas que haviam preparado. Acharam a pedra removida longe da abertura do sepulcro. Entraram, mas não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Não sabiam elas o que pensar, quando apareceram em frente delas dois personagens com vestes resplandecentes. Como estivessem amedrontadas e voltassem o rosto para o chão, disseram-lhes eles: 'Por que buscais entre os mortos aquele que está vivo? Não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos de como ele vos disse, quando ainda estava na Galileia: O Filho do Homem deve ser entregue nas mãos dos pecadores e crucificado, mas ressuscitará ao terceiro dia'. Então elas se lembraram das palavras de Jesus.”

Esse trecho evangélico nos recorda o que os cristãos celebram na Páscoa: o dom de uma vida nova que Cristo ressuscitado oferece a todos os que acreditam nele, àqueles que pela fé proclamam Jesus como Senhor e Salvador da humanidade.

Depois de sofrer a paixão e a morte de cruz, Jesus ressuscitou, garantindo, aos que nele acreditam, a graça para vencer as seduções ilusórias do pecado, bem como a graça da eterna comunhão de amor com Deus. Eis o “delicioso sabor” da Páscoa dos cristãos.

Neste ano, com o imenso desejo que todos celebrem a Páscoa “provando” a fé em Jesus ressuscitado, penso com muita compaixão em muitos irmãos e irmãs nossos, cuja Páscoa talvez não seja celebrada de modo festivo, justamente porque padecem de algum sofrimento.

Independentemente do motivo, tipo e grau da dor desses irmãos, é possível desejar-lhes Feliz Páscoa? É possível que eles tenham uma Páscoa feliz?

Tais perguntas me fizeram recordar um documento do saudoso papa São João Paulo II. Trata-se da carta apostólica intitulada “O sentido cristão do sofrimento humano” (em latim: Salvifici doloris), que no último dia 11 de fevereiro completou 35 anos.

Nesse documento, o Santo Padre ensina que o mistério do mal está na raiz de qualquer sofrimento e dor. Sendo assim, para algumas pessoas, tal provação torna-se, infelizmente, motivo para perder a fé em Deus ou ao menos para questionar o amor de Deus pela humanidade.

Talvez consigamos até aceitar o sofrimento como resultado de uma escolha errada. Porém, como é difícil compreender o sofrimento de quem não tem culpa, de um inocente!

Para os cristãos, continua São João Paulo II, Aquele que ressuscitou foi o mesmo que sofreu a paixão e a morte de cruz, e por isso a fé em Jesus ressuscitado tem o poder de não somente consolar a angústia dos sofredores, mas sobretudo de oferecer uma profunda alegria espiritual.

Além disso, a fé pascal desencadeia gestos concretos de solidariedade aos que padecem algum tipo de sofrimento, e nestes gestos de misericórdia, Cristo ressuscitado se manifesta.

Podemos portanto dizer também aos que sofrem: Feliz Páscoa!

* Padre Wagner Ferreira da Silva é vice-presidente da Comunidade Canção Nova.

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.


Os perigos do Transporte Aéreo Clandestino

Os regulamentos aeronáuticos buscam estabelecer critérios mínimos a serem seguidos pelos integrantes da indústria em questão.


A agenda do dia seguinte

A reforma da Previdência será aprovada no Congresso, salvo fatos graves e imprevistos. A dúvida, hoje, se restringe a quanto será, efetivamente, a economia do governo, em dez anos, já que as estimativas variam entre 500 a 900 bilhões de reais.


Comissão de Justiça e Paz

A CJP de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.


A sabedoria dos mineiros em ajudar os menos favorecidos

Há quatro organizações não governamentais de assistência social situadas em Belo Horizonte que estão fazendo um trabalho maravilhoso para ajudar os menos favorecidos.


Onde está Deus, que não nos acode?

Certa vez, leitora – que se dizia assídua, – comentou crônica, que publiquei em jornal de Toronto.


Para o pacto servir ao Brasil

É preciso mais decência e compromisso com a Pátria.