Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Florestas plantadas são necessárias para a economia

Florestas plantadas são necessárias para a economia

26/05/2017 Mario Fortunato

A tendência é que o Brasil cresça ainda mais nesse segmento.

O Brasil é destaque mundial quando o assunto é o mercado de florestas plantadas, com uma área total de 7,8 milhões de hectares. Hoje, graças a um sistema de produção sustentável e ao auxílio de tecnologias de alta eficiência, a atividade garante ao país uma receita bruta de R$ 69 bilhões - número que corresponde a 6% do PIB Industrial e ocupa o quarto lugar nas exportações brasileiras.

Mesmo diante de tanta grandiosidade, a tendência é que o país cresça ainda mais nesse segmento. Isso porque, após assinar a ratificação do Acordo do Clima, que sela o compromisso com a baixa emissão de carbonos, o Brasil tem como meta restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares até 2030.

O objetivo é incentivar a integração entre culturas, florestas e pecuária em 5 milhões de hectares e cumprir o Código Florestal, garantindo, assim, o desmatamento ilegal zero. Atualmente, as florestas plantadas são responsáveis por abastecer importantes cadeias produtivas da economia, como construção civil, geração de energia, produção de carvão, papel e celulose e movelaria.

Entre eles, o mais estruturado é o setor de papel e celulose, composto por grandes empresas que, na maioria dos casos, possuem condições de fazer a chamada colheita mecanizada, com a utilização de sofisticadas máquinas.

No entanto, mesmo com toda a tecnologia disponível, as motosserras sempre terão um destaque na colheita, especialmente em áreas montanhosas, em propriedades pequenas e em terrenos acidentados, onde as grandes máquinas não conseguem entrar. Nesse sentido, alguns pontos merecem atenção, pois a indústria de equipamentos destinados ao manejo florestal trabalha constantemente para desenvolver ferramentas capazes de garantir a segurança dos operários.

Por conta disso, além dos Equipamentos de Proteção Individual (os EPIs), existem motosserras com sistemas especiais de segurança, que ativam o freio da corrente caso o operador faça um movimento brusco ou uma operação errada. Outra tecnologia disponível é o freio acionado de acordo com a postura - ou seja, se o operador está com punho em uma posição errada, a corrente e o sabre são travados automaticamente.

Os médios e pequenos produtores que atuam nesse segmento também são favorecidos com o avanço das tecnologias. Estão disponíveis no mercado pulverizadores para fazer o controle de pragas, atomizadores para a aplicação de insumos e calcário para a correção de solo e roçadeiras próprias para a desbrota, o que minimiza o esforço físico no trabalho.

Como podemos notar, a atividade está muito bem estruturada no Brasil, trata-se de um setor que gera empregos, garante alta lucratividade e ainda conta com tecnologias de ponta para atender aos diferentes perfis de produtores.

Com responsabilidade e respeito às normas ambientais que a atividade exige, certamente o país continuará crescendo e será, cada vez mais, uma referência mundial em produtividade e manejo de florestas plantadas.

* Mario Fortunato é gerente de produtos da Husqvarna para a América Latina.



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.