Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Franqueado, a responsabilidade do negócio também é sua

Franqueado, a responsabilidade do negócio também é sua

21/12/2014 Clóvis Campos

A responsabilidade de quem pensa em investir em uma franquia inicia-se antes mesmo da decisão em comprá-la.

Serão muitas as responsabilidades ainda na parte de pesquisa e ao se tornar um franqueado, elas serão ainda maiores. Tempo, dedicação, estudo, serão sempre essenciais por parte do franqueado. O franqueador é o seu suporte, seu apoio, seu braço direito, mas o negócio e o dinheiro investido é de quem empreende, portanto, cabe ao franqueado zelar pelo sucesso de seu negócio mais do que qualquer outra pessoa. Engana-se quem investe em uma franquia pensando apenas que seu volume de trabalho diminuirá, muitas vezes, ele aumentará significativamente, principalmente no inicio das atividades.

O resultado do negócio depende de você e diferentemente de ser demitido, ao ter uma franquia “quebrada”, você não apenas deixará de receber o lucro do negócio, como as chances de contrair dívidas advindas da franquia com problema serão muitas. Investir um uma franquia exige habilidades e comportamentos especiais como: atitude, liderança, dedicação e, sobretudo, gestão. Ainda no processo de pesquisa por uma franquia, a responsabilidade está em conhecer o negócio.

O investidor deverá analisar os números, histórico da empresa, experiência do franqueador bem como a saúde financeira da franqueadora. Também é importante analisar a equipe que será responsável pelo suporte e conhecer o feedback de franqueados que estão na rede e também os que já saíram dela. O sucesso de seu negócio está atrelado fielmente a essa parte da pesquisa. Não basta acreditar em tudo que o franqueador lhe diz, é necessário ir atrás das informações, e essa responsabilidade é sua.

Uma vez tomada a decisão de investir em uma franquia, outras responsabilidades serão adicionadas à sua missão. Investir na relação entre franqueado e franqueador é fundamental. Tal relação não deve ser de subordinação, mas deverá ser estimulada como uma parceria. É necessário seguir as orientações da franqueadora, porém, o sucesso de franquia e franqueadora depende de ambos, o que exige que cada uma das partes cumpra 100% com suas responsabilidades.

Decisões serão tomadas, adequações propostas, correções de rotas e todos precisam estar trabalhando em uma mesma direção, para que as ações sejam fortalecidas e a marca se torne cada vez maior. Mesmo com as orientações, consultorias, suportes e treinamentos oferecidos pela franqueadora, o franqueado precisará dedicar-se diariamente às atividades de acompanhamento, análise de resultados, melhorias no atendimento e na operação do negócio, além de atualizar-se sobre o setor, conhecer os concorrentes, entre tantos outros pontos.

Decidir-se por ter uma franquia, é assumir uma nova vida cheia de novas responsabilidades. Lembra-se do que eu disse no começo? Não dá para transferir a responsabilidade do seu negócio para o franqueador. É o seu dinheiro investido ali e cabe a você estar à frente do negócio, buscando o sucesso a cada novo passo, a cada novo dia.

*Clóvis Campos é sócio e gerente geral da Clear Clean, rede de microfranquias com atuação no segmento de limpeza residencial, comercial e pós-obra.



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.