Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ganhar um abraço não tem preço

Ganhar um abraço não tem preço

22/02/2013 Daniele Vilela Leite

Afazeres, estresses e agressividades estão cada vez mais comuns em nosso meio. São causadores de grandes males e doenças, e, quando somos infectados por eles, deixamos de lado um presente benéfico e barato: o abraço.

Como é bom receber e também dar um abraço! Como é boa a sensação de se sentir querido! Mas por que as pessoas encontram tantos impedimentos para se abraçarem? Qual a origem da dificuldade de aproximação entre aqueles que não se permitem “tocar”?

Talvez a resposta esteja no mau uso de tecnologias como celular, WhatsApp, e-mails, MSN, Facebook. Elas são sempre muito bem-vindas em nosso meio e, até mesmo em sala de aula, têm seus benefícios rapidamente comprovados, possibilitando, entre outros, contato rápido e eficiente que ajuda a solucionar os mais diferentes tipos de problemas. Mas essa mesma tecnologia, quando mal-utilizada, nos afasta e nos faz perder o contato físico e, quando não tratada a tempo, pode anular a nossa consciência e promover a perda de sentimentos de diversas ordens.

Muitas pessoas hoje evitam a aproximação, e mesmo quando estão próximas não gostam de ser tocadas. Quanto estiver conversando, repare quantas pessoas olham nos seus olhos enquanto se falam (até isso está se perdendo). E se é difícil olhar nos olhos, imagine um abraço! Segundo o dicionário “Aulete”, o abraço significa, entre alguns outros pontos e figurativamente, a união de coisas ou pessoas, junção, ligação.

Mas o abraço é muito mais que isso! Em algumas situações, quando as palavras falham, é ele que nos ajuda a expressar o que estamos sentindo, seja dor ou alegria! Isso sem contar que quando abraçamos temos a sensação de proteção, segurança, confiança, força, saúde e autovalorização. Quando duas pessoas se abraçam, o sentimento reforçado é de que não há diferenças ou barreiras que as separem, e isso é imprescindível para o sucesso dos relacionamentos.

O abraço diz mais que mil palavras e fortifica um elo entre as pessoas envolvidas por um mesmo sentimento de amizade, amor, carinho e paz. E ainda tem mais! Estudos comprovam que o abraço faz muito bem à saúde! O Dr. Harold Voth, psiquiatra da Universidade de Kansas, disse: “o abraço é o melhor tratamento para a depressão. Objetivamente, ele faz com que o sistema imunológico do organismo seja ativado. Abraçar traz nova vida para um corpo cansado e faz com que você se sinta mais jovem e mais vibrante”.

O abraço é, enfim, uma afirmação muito humana de ser querido e valorizado. É bom, não custa nada e exige pouco esforço. É saudável para quem dá e para quem o recebe. Enquanto nos abraçamos, estamos valorizando o amor e a cumplicidade, o que alivia a dor, a depressão e a ansiedade. Pense nisso!

*Daniele Vilela Leite Orientadora Educacional na empresa Planeta Educação.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira