Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Gentileza na política é possível?

Gentileza na política é possível?

04/03/2024 Domingos Sávio Telles

Promover a gentileza na política é um desafio, até porque Maquiavel entendia que tal virtude não cabe nas discussões políticas.

Mas existem algumas medidas que podem ser adotadas para cultivar um ambiente mais amigável e respeitoso.

Os líderes políticos têm um papel crucial na promoção da gentileza. Eles devem ser exemplos de comportamento respeitoso, cortês e empático. Ao adotar uma postura gentil, eles inspiram os outros a fazerem o mesmo.

Mas o que se vê é que os políticos estão longe de buscar a urbanidade nas discussões. Basta prestar atenção nos debates: só existem ofensas, e, no dia seguinte, o jornalismo pergunta quem venceu. Na maior parte das vezes, o candidato que foi mais agressivo é declarado como vencedor.

Estimular um diálogo construtivo é essencial para incentivar a gentileza na política. É importante criar espaços e oportunidades para que as pessoas possam expressar suas opiniões de forma respeitosa e ouvir as perspectivas dos outros. Isso pode incluir debates, fóruns ou grupos de discussão. Só que ninguém quer ouvir o outro que pensa diferente.

Dia 28 de fevereiro deste ano, por exemplo, o deputado Ricardo Salles estava discursando na Câmara Federal, e, durante sua fala, foi vaiado e xingado de nazista e fascista pelos membros do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST). Isto é tenebroso: um deputado não poder falar no seu local de trabalho, o parlamento!

Investir na educação política é uma maneira eficaz de obter gentileza. Ao fornecer informações e conhecimentos sobre o sistema político, os direitos e deveres do cidadão, além da importância de diálogo e respeito, podemos capacitar as pessoas a se envolverem de forma construtiva na política. Esta educação, porém, deve começar a ser ministrada nas escolas, preparando desde cedo o futuro cidadão.

Realizar campanhas de conscientização sobre a importância da gentileza na política também pode ajudar a sensibilizar e incentivar a adoção desse comportamento. Isso pode ser feito através de mídias sociais, eventos públicos ou parcerias com organizações da sociedade civil.

A participação cívica é uma maneira eficaz de promover a gentileza na política. Ao incentivar as pessoas a se envolverem ativamente no processo, seja por meio do voto, da participação em grupos de discussão ou do engajamento em atividades políticas, estamos incentivando a construção de uma cultura política mais gentil e colaborativa.

É importante proporcionar o respeito às diferenças na política. Isso significa valorizar a diversidade de opiniões e perspectivas, como também reconhecer que o diálogo e a colaboração são fundamentais para alcançar soluções coletivas. Ao respeitar as diferenças, podemos construir um ambiente político mais inclusivo e tolerante.

Viabilizar a gentileza na política é um processo contínuo e requer o esforço de todos os envolvidos. Desta forma podemos contribuir para uma sociedade mais justa, colaborativa e respeitosa.

* Domingos Sávio Zainaghi é advogado, professor universitário, autor do livro “Vale a pena ser gentil?” e palestrante.

Para mais informações sobre gentileza na política clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: LC Agência de Comunicação



A medicina é para os humanos

O grande médico e pintor português Abel Salazar, que viveu entre 1889 e 1946, dizia que “o médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe”.

Autor: Felipe Villaça


Dia de Ogum, sincretismo religioso e a resistência da umbanda no Brasil

Os Orixás ocupam um lugar central na espiritualidade umbandista, reverenciados e cultuados de forma a manter viva a conexão com as divindades africanas, além de representar forças da natureza e aspectos da vida humana.

Autor: Marlidia Teixeira e Alan Kardec Marques


O legado de Mário Covas ainda vive entre nós

Neste domingo, dia 21 de abril, Mário Covas completaria 94 anos de vida. Relembrar sua vida é resgatar uma parte importante de nossa história.

Autor: Wilson Pedroso


Elon Musk, liberdade de expressão x TSE e STF

Recentemente, o ministro Gilmar Mendes, renomado constitucionalista e decano do Supremo Tribunal Federal, ao se manifestar sobre os 10 anos da operação Lava-jato, consignou “Acho que a Lava Jato fez um enorme mal às instituições.”

Autor: Bady Curi Neto


Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado