Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Gerenciamento de canais e o Corinthians: qual a relação?

Gerenciamento de canais e o Corinthians: qual a relação?

09/04/2013 Denis Tassitano

As recentes conquistas do Corinthians, especialmente no último ano, após uma mudança de mentalidade administrativa da sua cúpula, foram a cereja do bolo de um trabalho que rendeu frutos dentro e fora de campo.

Além dos títulos, o clube fortaleceu ainda mais sua marca, disparando na arrecadação de receitas. Mas analisando o time vitorioso e toda sua experiência, é possível extrair dez lições que, além de terem levado o Corinthians ao topo do mundo, podem ajudar os profissionais de canais a atingirem a excelência no gerenciamento de toda a rede de distribuição. Calcem as suas chuteiras e vamos para o jogo:

1. Tenha um elenco forte: da reserva para a fama, o goleiro Cássio assume a titularidade, tornando-se um dos protagonistas. Romarinho empata em plena La Bombonera e Jorge Henrique é taticamente perfeito contra o Chelsea. Canais fortes ajudam o fornecedor a evitar o desgaste no relacionamento, buscando trazer o seu resultado sempre das mesmas revendas. Trabalhe com o objetivo de quebrar a “maldição” da Regra de Pareto, desenvolva canais que tenham o potencial para substituir aqueles que frequentemente batem as metas.

2. Estude os seus rivais: Você sabe quantos pênaltis o meia Frank Lampard, cobrador oficial do Chelsea, bateu no canto esquerdo nas últimas 30 cobranças? Eles sabem! Além de olheiros que acompanham os adversários in loco, o clube conta com uma equipe de inteligência de mercado que levanta informações estatísticas. Independentemente do tamanho da sua empresa e/ou da sua experiência em programa de canais, mantenha-se atento às melhores práticas de mercado, até em outros segmentos.

3. Seja justo com o canal: sem protecionismo, com o professor Tite é assim: joga quem está bem no momento. O seu programa de canais deve favorecer quem está atuando segundo os critérios e metas estabelecidos. Seja claro em temas controversos como rodízio de leads e investimentos em comarketing.

4. Conquiste o comprometimento: “Eu acredito que a doação de todos os jogadores é o nosso diferencial. O foco é imenso, e isto é mérito do nosso treinador”, afirmou o atacante Émerson ao site oficial da Fifa antes do Mundial. Já tive o prazer de vivenciar canais que, independentemente de já terem atingindo a sua meta pessoal, colocaram o coração na ponta da chuteira para que eu atingisse o meu número. Entenda e esteja, você também, comprometido com o business do canal. É como eu costumo dizer para o meu filho Enzo, “é a lei da reciprocidade”.

5. O que importa são os três pontos: Empatite? Eterno 1 a 0? Tão batido quanto “o futebol é uma caixinha de surpresas” é a máxima esportiva que diz que “o que valem são os três pontos”. O profissional de canais precisa focar na eficiência da sua revenda, mais do que tentar ditar regras estéticas e pirotécnicas que, em que muitas vezes, estão mais aderentes a multinacionais do que ao dia-a-dia de quem está no front de batalha.

6. Conjugue o verbo no plural: Cássio, Ralf, Paulinho, Danilo, Emerson ou Guerrero? O discurso corinthiano fora dos gramados é comprovado dentro de campo, o conjunto é o grande protagonista. Deixe o seu ego de lado e saiba valorizar o canal. Agradeça, premie, reconheça, desde os diretores até a moça do café.

7. Confie na estratégia: Mesmo tendo perdido em menos de quatro meses os campeonatos Brasileiro, Libertadores e Paulistão, a comissão técnica e elenco alvinegros foram mantidos. Utilize este exemplo como lição e evite recomeçar sempre um novo programa de parcerias após trimestres fracos. Se a sua empresa estudou bem a estratégia de canais, persista antes de abandonar o que foi traçado. Estabilidade e clareza, também, são fatores para o sucesso.

8. Tenha um balanced scorecard da sua equipe: herói do Mundial, o atacante Guerrero foi contratado através do aplicativo italiano de scouts Wyscout. Avalie a performance, busque novos canais para a sua empresa, ou descredencie, se necessário, sempre baseado em indicadores objetivos.

9. Renovação x Revolução: mesmo após o título inédito da Libertadores, o Corinthians perdeu o zagueiro Leandro Castán, peça chave do sistema defensivo, e teve a chegada dos atacantes Guerrero e Martinez, sendo que o último deixou o clube no início deste ano, simultaneamente com a chegada de Alexandre Pato. Mantenha a sua espinha dorsal de canais, mas revigore a sua carteira sem virar tudo de cabeça pra baixo. Alto turn over e perda de histórico afetam, principalmente, o mercado de vendas consultivas.

10. Aprenda com os seus jogadores: Adenor Leonardo Bacchi, mais conhecido como Tite, também é reconhecido pela célebre frase “Fala Muito”, que gerou até camiseta licenciada. Pare de falar, deixe o conforto do seu escritório e vá visitar e ouvir um pouco o que os seus canais têm a dizer. Dedique um dia por mês, no mínimo, para trabalhar direto de algum revendedor. Peça uma mesa, almoce com a equipe, traga o staff para o seu lado, conheça mais o dia-a-dia e o que afeta, tanto da maneira positiva quanto negativa, o desempenho da sua força de vendas.

*Denis Tassitano, diretor comercial e de marketing da JExperts, empresa desenvolvedora de soluções de software e serviços destinados à melhoria das práticas de gestão nas empresas.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira